Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Peter Criss (1978)

Álbum de Peter Criss

Acessos: 68


Na lanterninha

Por: André Luiz Paiz

15/07/2021

Eu concordo com a visão de que o artista deve usar a sua carreira solo ou projetos com nomes diferentes quando há a intenção de ousar e/ou soar diferente. Porém, com o marketing envolvido e o tratamento dado a estes álbuns solo como se fossem uma extensão da discografia do Kiss, a proposta de Peter Criss foi a que mais decepcionou. Um álbum morno, com pouca pegada e que dificilmente sai da prateleira.

Produzido por Vini Poncia, mesmo produtor que viria a trabalhar com o Kiss nos controversos "Dynasty" e "Unmasked", temos um trabalho que contou com um número grande de músicos externos, no esforço de compor um disco que chegasse próximo dos outros três membros da banda. Como foram todos lançados no mesmo dia, 18/09/1978, certamente houve questões de alinhamento de datas e até uma certa pressão.

O autointitulado primeiro álbum solo de Peter Criss vai bem longe do rock e hard rock executado pelo Kiss. É um disco que navega entre o Soft Rock, Soul e R&B, e soa muito desconexo. Gosto do timbre vocal de Peter, mas é óbvio que ele se esforça demais para conseguir não desafinar e que está fora da sua zona de conforto.
"I'm Gonna Love You" abre os trabalhos com uma boa composição de Peter e Stan Penridge, mas que poderia ter sido abordada de maneira diferente pela produção. A melhor do disco é a cover "Tossin' and Turnin'", de Bobby Lewis e que ficou divertida, digamos assim. "Don't You Let Me Down" tem uma sonoridade vintage, com bons vocais de apoio e também se sobressai dentro da proposta. A rocker "That's the Kind of Sugar Papa Likes" traz o esperado agito e conta com um belo solo de guitarra de Steve Lukather. É ela e "Hooked on Rock 'n' Roll" que trazem alívio ao escutar o lado B da bolacha, dividindo alguns momentos tediosos de algumas baladas que tentam soar com algo próximo de "Beth".

A verdade é que Peter Criss já passava por problemas fora dos palcos, tanto que seu próprio produtor defendeu o seu afastamento do Kiss pouco adiante, contratando um músico de estúdio para as linhas de bateria, o competente Anton Fig. A alegação era de que Peter não conseguia executar as linhas necessárias dentro de uma qualidade aceitável. E foi assim que ocorreu a chegada de Eric Carr um pouco mais adiante.

Em comparação com os outros três discos solos lançados no mesmo dia, infelizmente o de Peter é o pior.

Tracklist:

I'm Gonna Love You	3:18
You Matter To Me	3:15
Tossin' And Turnin'	3:58
Don't You Let Me Down	3:38
That's The Kind Of Sugar Papa Likes	2:58
Easy Thing	3:53
Rock Me Baby	2:50
Kiss The Girl Goodbye	2:46
Hooked On Rock And Roll	3:37
I Can't Stop The Rain	4:25

As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor


Compartilhar

Comentar via Facebook

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.
Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito e aberto para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.