Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Raging Silence (1989)

Álbum de Uriah Heep

Acessos: 91


O início de uma longa e estável parceria

Por: André Luiz Paiz

06/06/2021

Voltemos no tempo por alguns instantes. Desde que o Uriah Heep optou por seguir seu caminho sem o lendário vocalista David Byron, em 1976, muita água passou por debaixo da ponte. Os três discos com John Lawton ficaram bem legais, embora ainda fizessem parte da fase no qual os fãs ainda tentavam digerir a nova proposta sonora do grupo. Depois, John Sloman chegou para o confuso "Conquest", com Ken Hensley querendo pular do barco e problemas com o saudoso baterista Lee Kerslake. O tecladista saiu e Mick Box tomou a dianteira, fazendo novas mudanças.

A primeira tentativa de trazer mais empolgação para o som da banda foi com o ótimo "Abominog", que foi cantado pelo competente Peter Goalby. É nítida a mudança sonora e também a tentativa de seguir adiante. Porém, a banda novamente derrapou nos dois álbuns seguintes, perdendo-se entre o pop e um AOR de pouquíssimo impacto. Eis que chegamos em 1989, com o início da parceria com o ótimo e versátil vocalista Bernie Shaw.

"Raging Silence" conta também com a chegada do tecladista Phil Lanzon que, assim como Shaw, está no grupo até hoje. É um disco que está longe de ser um clássico, mas merece a atenção do ouvinte, pois há claramente uma proposta de soar consistente, enérgico e, resumidamente, como uma banda. Ainda temos a banda contando com colaboração externa para chamar a atenção da mídia, como a cover de "Hold Your Head Up", do Argent. A cereja do bolo aqui é Shaw, que simplesmente consegue fazer bem em qualquer tópico que a banda aborda, seja heavy, pop ou AOR.

Não sei se preciso dizer isso, mas, o Uriah do passado, já foi faz tempo. Olhando o copo metade cheio, poucas bandas abordaram tantos estilos musicais diferentes durante a sua carreira, causando uma sensação de surpresa a cada álbum ouvido, seja isso posivito ou não. Deixando este saudosismo de lado, dá pra curtir e muito faixas como "Blood Red Roses", "Cry Freedom" e "Voice on My TV", além da cover "Lifeline", do LeRoux.

Com algumas boas composições e algum auxílio externo, o Uriah trouxe aqui a mensagem de que a casa havia sido colocada em ordem e que estavam prontos para uma nova fase, mais uma, porém, até que enfim estável.

Tracklist:

Hold Your Head Up	
Blood Red Roses	
Voice On My TV	
Rich Kid	
Cry Freedom	
Bad Bad Man	
More Fool You	
When The War Is Over	
Lifeline	
Rough Justice

As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor


Compartilhar

Comentar via Facebook

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.
Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito e aberto para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.