Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Bush (2015)

Álbum de Snoop Dogg

Rap

Acessos: 61


Um baseado dançante

Por: Roberto Rillo Bíscaro

27/04/2021

Calvin Cordozar Broadus Jr tem variado seus nomes artísticos: Snoop Doggy Dogg, Snoopzila, Snoop Lion. Atualmente, é Snoop Dogg, alcunha com a qual lançou o álbum Bush. O Doggfather saiu da reclamação ameaçadora do gueto gangsta e se jogou no glamour bafônico retrofunk e disco, com a ajuda do badalado produtor Pharrell Williams, outro que ama um som vintage anos 70/80. Quem odeia rap sossegue, tirando uma ou outra falaçãozinha de leve, o material é primordialmente cantado. 

As 10 faixas de Bush estão dispostas como que para uma curtição de festa ou rolê de limo pelas partes nobres de Los Angeles. Há o chill in e o chill out das midtempos que abrem e encerram o disco, enrolando as 8 canções dançantes. California Roll, o chill in, tem vocais de apoio e gaita de Stevie Wonder, numa melodia deslizante que fala em passear em Melrose e diz que a menina pode se tornar estrela de cine e aconselha-a a conseguir um cartão médico, porque “that´s how California roll”. No estado que legalizou a cannabis medicinal, fica fácil entender o jogo de palavras e o sentido da moita do título. Diversas outras canções falam em ficar chapado, então viajando nessa maionese maconhada dá para metaforizar que Bush é como um baseado: as faixas 1 e 10 envolvem a bomba dançável das faixas 2 a 9.    

This City é elegantíssima, R U a Freak é electrofunk que remete ao Shalamar de A Night to Remember, Awake é covardia: aquela guitarrinha chupada de quando Nile Rodgers estava no auge é muito para nossos corações de meia-idade que viveram o esplendor do Chic.

Depois de Awake, embora as faixas sejam muito boas e não deixem o pique cair, o fumacê obscurece identidades e parece que estamos ouvindo um medley, mas você não se arrependerá em buscar resquícios de Tom Tom Club, Jocelyn Brown, ou de Everybody, de Madonna. Ou, se estiver numa festa, só vai querer dançar, quem se importa?

Como cantor, Snoop é excelente rapper. Meio estranho como Pharrell, que já produziu não-vozes como ele mesmo ou Britney Spears, não usou a mágica de estúdio para deixar o homem que já gravou instruções para GPS cantando bem. A voz ou está acabrunhada demais ou soterrada entre excelentes vocalistas de apoio, então não se preocupe, não faz falta.

As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor


Compartilhar

Comentar via Facebook

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.
Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito e aberto para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.