Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Paradise (2016)

Álbum de Con Brio

Acessos: 42


Funk norte-americano produzido por brasileiro

Por: Roberto Rillo Bíscaro

13/02/2021

O Con Brio é um septeto da área de São Francisco, que tem chamado a atenção da imprensa musical mais à alternativa, devido a suas muitas apresentações matadoras, com excursões internacionais, inclusive. Multirracial como Sly And The Family Stone e com nome em espanhol – sim, Com Brio! -, o Con Brio estreou em LP, produzido pelo incensado Mário Caldato Jr, o “quarto Beastie Boy”, além de já ter produzido Beck, Blur, Bjork e SeuJorge.

Desnecessário conhecer a história do funk para desfrutar Paradise, mas um mínimo de sintonia com a tradição do subgênero permite sacar como o grupo e Caldato são expertos. Com identidade própria e brio, ouvimos de Motown à popificação do funk. Paradise abre com a faixa homônima, que funciona como intro e tem segundos que soam como se um jovem Michael Jackson cantasse no Led Zeppelin. Psicodelia guitarreira funkeira, que ressurge em You Think This Is a Game, com vocal falado e experimentação free jazzística nos metais.

Paradise tem seus momentos pop, como a dançante Eagle Eye; a sensual No Limits; e o melzinho de Honey, com seu violão e flautinha fofos, mas quem quer eletrofunk facinho, procure o Tuxedo (e isso não é desmérito). Faixas como Liftoff, ainda que acessíveis, têm aquela crueza deliciosamente cruel do funk, que faz a gente quebrar as cadeiras de tanto querer rebolar. 

Em Free and Brave, o Con Brio politiza a Motown, envenenando a sonoridade bom-mocista da gravadora com guitarras para falar sobre desigualdade racial à Martin Luther King. Vibrante, como também a antimonetarista Money. E quem curte visceralidade não resistirá aos quase 6 minutos mid-tempo de Hard Times.

As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor


Compartilhar

Comentar via Facebook

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.
Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito e aberto para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.