Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Skunkworks (1996)

Álbum de Bruce Dickinson

Acessos: 77


Bruce moderninho

Por: André Luiz Paiz

11/02/2021

Com um leque de possibilidades à sua frente após a boa resposta ao álbum "Balls To Picasso", pesado, interessante e diferente do Iron Maiden, Bruce quis ir ainda além. A primeira ideia que deu errado aqui foi a de tentar estabelecer uma nova banda com os membros da turnê do disco anterior. A intenção era que ela fosse chamada de "Skunkworks", nome que acabou ficando apenas para o álbum por rejeição da gravadora. Neste momento, Bruce já não era tão poderoso assim. Já a segunda ideia, foi na mudança de sonoridade.

Com algo meio Post-Grunge e Metal Alternativo, "Skunkworks" é considerado pela maioria como o pior disco solo de Bruce. Musicalmente falando, tem muita coisa boa aqui, principalmente porque o vocalista fez um excelente trabalho vocal. Porém, a eterna disputa dos fãs metaleiros raiz com aqueles que veneravam e seguiam a bola - ou o estilo - da vez, dividiu os fãs, fazendo com que Bruce recebesse diversas críticas pelo material, principalmente pela inexplicável parceria com o contestado guitarrista Alex Dickson. Por que trocar se tinha dado tão certo com Roy Z? Bom, no final, Bruce não gostou de ter sido questionado sobre as mudanças e meio que deixou transparecer que a tentativa grunge foi também pelo fator financeiro, tanto que o vocalista até recrutou Jack Endino para a produção, conhecido por trabalhar com grupos como Mudhoney, Soundgarden e Nirvana.

Com um bom trabalho visual, o nome do álbum é uma referência ao departamento de projetos avançados da Lockheed Martin de nome Skunk Works. Por isso também que a maioria das faixas tem a tecnologia como tema principal. A capa foi criada pela Hipgnosis, com o designer Storm Thorgerson.
Das faixas que me chamam a atenção, "Back from the Edge" é bem interessante. Gosto também de "Inertia", com seu clima denso e vídeo bem legal (e perturbador). "Solar Confinement" também é uma das minhas favoritas, junto de "Inside The Machine". Por fim, "Space Race" é interessante, embora eu a considere uma escolha ruim como faixa de abertura, e "Innerspace" também não desagrada. É um disco longo - 13 faixas - então não é sempre que dá vontade de ouvi-lo por completo.

No final das contas, rolou uma turnê de divulgação e a banda pouco durou. Bruce então se reuniu com Roy Z e Adrian Smith para aí sim criar o que considero o seu melhor disco solo: "Accident Of Birth".

Tracklist:
Space Race	3:47
Back From The Edge	4:17
Inertia	3:03
Faith	3:36
Solar Confinement	3:19
Dreamstate	3:50
I Will Not Accept The Truth	3:45
Inside The Machine	3:28
Headswitch	2:14
Meltdown	4:34
Octavia	3:16
Innerspace	3:32
Strange Death In Paradise	5:01

Banda:
Bruce Dickinson – vocals
Alex Dickson – guitar
Chris Dale – bass
Alessandro Elena – drums

As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor


Compartilhar

Comentar via Facebook

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.
Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito e aberto para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.