Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Love Music Funk Magic (2017)

Álbum de Kat Graham

Pop

Acessos: 162


Magia pop apadrinhada por Prince

Por: Roberto Rillo Bíscaro

10/12/2020

A biografia da jovem Kat Graham parece elaborada dentro de um grupo que estuda multiculturalismo: filha de pai afro-americano e mãe judia, a garota nasceu na Suíça, mas foi criada em Los Angeles e fala diversas línguas, dentre elas a nossa.  Escreve, dança, canta, atua, enfim, é multimídia também. Público teen/jovem deve conhecê-la como a bruxa Bonnie Bennett, da findada The Vampire Diaries. Como tais shows estão bem distantes de meu universo de interesses, desconhecia a existência de Graham até tropeçar bem por acaso em seu segundo álbum, Love Music Funk Magic.

A palavra funk atraiu os olhos e imediatamente busquei info. Descobri que a moça ama O’Jays, James Brown e anos 90 e que nesse segundo LP trabalhara nada menos que com o Príncipe Púrpura, que a aconselhara a fazer som mais Giorgio Moroder/Donna Summer. Além disso, Kat colaborava com BabyFace, que no currículo tem TLC, Sheena Easton, Toni Braxton, Midnight Starr e tantos mais.

O trabalho consegue homenagear e referir-se aos anos 70 sem soar retrô, porque a produção é contemporânea, os elementos dos diversos sub-estilos black prevalentes daquela década são usados ao lado de referenciais modernos de electro pop. Faixas como Magic, Can’t Get Enough e Just Love Me estão perfeitamente de acordo com a geração Lady Gaga. Just Love me, aliás, é delícia capaz de unir a geração oitentista acostumada à dançabilidade eletrônica e a meninada de hoje, criada no trap e afins.

Por outro lado, há as canções onde o passado se repagina com viço, como a abertura vibrante All Your Love, cuja pegada disco fará os mais antigos cantarolarem “let’s all chant” durante os momentos de cordas sintetizadas. Time = $ tem guitarrinha à Good Times, do Chic e a locomotiva funkeada desperta nostalgia de Diana Ross início dos 80’s (não em termos vocais, fique claro).

Outra característica de LMFM é popificar com competência, afinal, Kat Grahan não se propõe a ser artista de nicho. Fool For Ya injeta funk ao mesmo tempo em que torna pop dançante matriz originária do blues e If Eye Could Get UR Attention é Prince mais domadinho. Esperar o que de um título como What The Funk? Mas, é tudo bem palatável pra audiências não necessariamente afeitas/interessadas/acostumadas com funkice pesada; é confeito pop bem feito para rebolar alegremente. E não há nada de errado nisso. Tem até guitarra rock. What The funk! Call Da Police é mutação pós-moderna de reggae, com arremedo de sotaque jamaicano e tudo.

Das 15 faixas, deletem-se umas 3 vinhetas que quebram o ritmo para dança e Love Music Funk Magic vira pura magia pop para animar a vida e unir gerações.

As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor


Compartilhar

Comentar via Facebook

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.
Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito e aberto para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.