Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Innocent Victim (1977)

Álbum de Uriah Heep

Acessos: 71


Entre a música boa e as vendagens de discos

Por: André Luiz Paiz

20/11/2020

O Uriah Heep caminhava rumo ao final da década de setenta com muitos desafios. Primeiro, a mudança na formação ocorrida antes do disco anterior, "Firefly". Depois, a pressão por estar enfrentando uma queda considerável nas vendagens, já que a sonoridade da banda não era mais a mesma e ainda havia a dificuldade de se posicionar no novo mercado. Assim, ainda em 1977 lançaram: "Innovent Victim", um disco com apelo ainda mais comercial que o anterior e que tem os seus bons momentos.

O disco que possui uma cobra banguela na capa agrada muito por conta do casamento do vocal de John Lawton com a proposta da banda. Além disso, Ken Hensley conseguiu mais uma vez ser prolífico e compor mais material de qualidade, além de contar com uma ajudinha aqui e ali dos demais membros, além de Jack Williams. No mais, temos um disco de rock que, se analisado dentro do contexto em que ele foi feito, agradará a qualquer ouvinte.

São nove faixas e "Keep On Ridin'" é tão acessível que parece ser outra banda. "Flying High" segue muito similar até que chegamos ao ótimo funkeado de "Roller", com destaque para o entrosamento da banda. "Free ‘n’ Easy" surpreende de cara, uma faixa quase heavy metal e que nos faz lembrar da pegada de "Easy Livin". Por fim, a balada "Illusion" traz toda a classe do saudoso Ken Hensley.
Na segunda metade, "Free Me" pode ser considerada um hit, já que chamou bastante a atenção em alguns países. Ela traz algo de Eagles e agrada muito. "Cheat ‘n’ Lie" fica como destaque para Mick Box, com belo solo em uma faixa de cadência interessante. "The Dance" é a faixa mais estranha do disco e está ali simplesmente para fazer número. Por fim, encerramos com uma das melhores faixas do trabalho: "Choices" nos transporta para os tempos de ouro da banda, com as alternâncias de ritmo características do grupo e muita emoção.

Se você é fã apenas da fase progressiva do Uriah Heep, certamente não deve gostar deste álbum. Porém, para aqueles que buscam por música boa em primeiro lugar e independente do rótulo, dá pra curtir muita coisa aqui em "Innocent Victim".

Banda:
John Lawton – vocals
Mick Box – guitars
Ken Hensley – keyboards, guitars, vocals, producer
Trevor Bolder – bass guitar
Lee Kerslake – drums, vocals

As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor


Compartilhar

Comentar via Facebook

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.
Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito e aberto para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.