Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Colour By Numbers (1983)

Álbum de Culture Club

Acessos: 112


A Tia Inglesa da Lady Gaga

Autor: Roberto Rillo Bíscaro

14/10/2020

Colour By Numbers foi sucesso transnacional do Culture Club. Sua acessibilidade radiofônica calculada e a figura travestida do vocalista Boy George transformaram o álbum num dos mais importantes do pop oitentista mais comercial.

Garoto George apostava as fichas em maquiagem pesada e figurinos extravagantes. Androginia que não deixava de ter algo de circense e, por isso, meio inofensivo e palatável para a “família”. 

A língua ferina garantia frases de efeito para a mídia. Desavergonhadamente bicha louca, o artista é, sem dúvida, uma das figuras mais reconhecíveis da década. É a tia inglesa de Lady Gaga, sendo que esta última perde de longe em termos de declarações bombásticas.

Colour By Numbers gerou diversos singles de sucesso, dentre eles uma das canções-marca dos anos 80: Karma Chameleon. Impossível conceber uma coletânea de sucessos da década que deixe de fora o pastiche country-pop irresistivelmente fácil, dançante e karaoquezante da faixa de abertura. Clássico.

Como tantos outros branquelos ingleses da época, La George queria mesmo era ter sido neguinha em Detroit. O álbum traz deliciosos arremedos de soul. Basta checar Black Money, Church of the Poison Mind e That’s the Way. Nessas e em um par de outras, George é auxiliado com os poderosos vocais de Helen Terry, uma proto-Adele. Como pensar em Culture Club da primeira metade dos 80s sem o incêndio vocal de Terry?

Miss me Blind é roquinho domesticado dançante. Colour By Numbers é pop até a medula e transforma em chiclete tudo o que vê pela frente em favor de diversão - e vendas, claro, porque, afinal, a tia de Gaga gastava muito em maquiagem.

Ouvindo-se Miss Me Blind dá até para esboçar cara de mau de mentirinha e a bossa-pop de Changing Every Day cai bem com carinha de entojo e beicinho (como a capa do álbum). Até os fillers do maldito álbum são bons!

Victims encerra os trabalhos com drama, exagero e lágrimas. Baladaça orquestrada com coro. Incrível como os norte-americanos perderam essa faixa como single!

Colour By Numbers foi o pico da carreira do Culture Club e de Boy George. 3 anos mais tarde, jornais estampavam a notícia de que a médica do cantor dava-lhe apenas 3 semanas de vida, caso não se desintoxicasse da heroína.

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Compartilhe:

Comente: