Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Wildflowers (1994)

Álbum de Tom Petty

Acessos: 75


Deliciosamente encantador

Autor: André Luiz Paiz

15/09/2020

Sem saber qual a real explicação, sabemos que o grupo de rock Tom Petty And The Heartbreakers conquistou a maior parte de seu público dentro dos Estados Unidos. É realmente uma pena que a banda seja tão pouco comentada por aqui.

Em evidência por todos os cantos do mundo devido ao sucesso do projeto Travelling Wilburys, Tom Petty assinou um belo contrato com a Warner Bros. Records para lançamento de um novo álbum solo. Quase solo, já que apenas o baterista dos Heartbreakers - Stan Lynch - não participa. A gravação ficou por conta de Steve Ferrone, que adentrou ao grupo pouco depois. O que acontece é que Petty queria liberdade em termos criativos, fazendo uso dos seus colegas apenas como músicos de sessão. E é essa a principal diferença entre "Wildflowers", seu segundo álbum solo, para o material mais rock dos Heartbreakers.

"Wildflowers" é uma preciosidade. Um disco lindo do começo ao fim, mesmo com a exagerada duração de sessenta e dois minutos divididos em quinze faixas. A produção (Rick Rubin, Tom Petty e Mike Campbell) é simplesmente perfeita, com sonoridade bem crua, porém extremamente cristalina, mantendo as origens orgânicas do grupo desde o seu início nos anos 70. A base é na maioria das vezes acústica, com algumas linhas de guitarra em momentos mais intensos. A veia country segue ali, forte, porém de maneira menos rock e mais sensível. Por fim, as composições cravaram definitivamente Tom Petty como um dos maiores do estilo.

Este disco foi eleito pela revista Rolling Stone como o 12º melhor disco da década de noventa, e com toda razão. Vou eleger alguns destaques: a balada de abertura e que leva o título do álbum é uma canção simplesmente maravilhosa, emocionante em sua integridade. "You Don't Know How It Feels" é diferente, mas com o selo Tom Petty de qualidade, sendo um dos grandes sucessos do trabalho. "Time to Move On" é um country lindo e suave, e "You Wreck Me" traz um pouco da sua banda original, assim como "Honey Bee", mesclando um pouco de blues. "Cabin Down Bellow" mistura todos esses elementos e um pouco dos Wilburys com êxito total. Por fim, deixo a balada acústica "To Find A Friend", linda, assim como "Wake Up Time", essa conduzida maravilhosamente ao som do piano.

Curiosamente, esse disco não tem a participação de Jeff Lynne (ELO e Travelling Wilburys), que trabalhou com Petty eu seu primeiro disco solo e em "Into the Great Wide Open", dos Heartbreakers e lançado em 1991. Digo ser curioso pois Lynne dificilmente derrapa nos projetos que participa e o maior sucesso solo de Tom acabou sendo sem ele. Aqui temos também a participação de Ringo Starr na faixa "To Find a Friend".

"Wildflowers" é simplesmente imperdível. Um exemplo claro de talento e bom gosto, sendo algo a ser garimpado na escassa década de noventa.

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Compartilhe:

Comente: