Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Pirombeira (2017)

Álbum de Pirombeira

MPB

Acessos: 82


Eclético, refinado e ainda pouco conhecido

Autor: Roberto Rillo Bíscaro

09/09/2020

Pirombeira é formado por Aline Falcão (teclado, sanfona e voz), Gabriel Arruti (baixo), Ian Cardoso (guitarra, viola caipira e voz), João Mendes (violão e voz), João Paim (percussão) e Rubão Nazario (bateria). Desde 2010, os baianos destacam-se na cena local e chegaram a ser indicados para o 18° Grammy Latino, como Melhor Projeto Gráfico de Álbum. O álbum em questão é a estreia homônima de 2017, realizada mediante financiamento coletivo em 2016.

Da dúzia de faixas, três são vinhetas, como a psicodélica Tramela. O charme do Pirombeira é pegar tudo quanto é influência regional e global e jogar pirambeira abaixo. Sem medo de faixas instrumentais numa cultura que adora cantar junto, as mixagens de subgêneros chamam especialmente a atenção nelas. Canastra tem forte pegada fusion, o Brazilian jazz dos gringos; o jazz de Cadê o Bongo tem vibração afrossamba. Baião Pra Bonfim entrega sua afiliação no nome, mas não espere arrasta-pé purista; é pautado pelo jazz, se liga nos solos. 

Marítimo é jazz nordestino com gaita de Stevie Wonder e Buraco é frevo-marchinha. Ivone seria o quê? Um ijejazz? Forrojazz? O fascínio de Pirombeira é que não dá para etiquetar como sendo do subgênero tal, característica-chave da produção musical contemporânea. Os apontamentos de pertencimento ao ritmo X ou Y são apenas registros de predominâncias, para orientar leitores ainda desconhecedores do som.

As canções com letra são minoria, mas não menos deliciosas. Lugar é o som típico que muitos de nós sulistas associamos quando ouvimos falar que algo vem da Bahia: afoxé, ijexá, não sabemos direito identificar as diferenças, mas é deliciosamente rebolante. Fãs de MPB-Clube da Esquina não têm do que reclamar da introspecção toadeira de Instante Pra Lembrar, que, mais para o final se empodera um bocadinho. Deu Foi Dó faz crítica social em clima de samba de roda e Sol Final é coquetel irresistível de funk, jazz, samba, afoxé; muito alto astral.

Com produção límpida e prontinha para exportação, esses baianos estão à espera de que você se jogue.

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Compartilhe:

Comente: