Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Mais Doce Que O Mel (1981)

Álbum de Rebanhão

Acessos: 95


Profundidade e Espiritualidade!

Autor: Diogo Franco

07/09/2020

O primeiro disco do Rebanhão representa também o início das polêmicas no meio gospel, ao menos as mais emblemáticas.

Pela lógica, hoje em dia sabemos que, quando os religiosos "piram", além de atrair muita atenção sobre o que é criticado, acabam muitas vezes evidenciando as qualidades daquilo que está sendo atacado. O Rebanhão tomou o meio musical de assalto ao lançar esse disco, em parte por causa da figura do grande e saudoso Janires e do tecladista Pedro Braconnot. Com influências diversas como Clube Da Esquina, Keith Green, Tropicália, o grupo chocou ao abordar ritmos como Baião (na música de mesmo nome), Rock (Mais doce que o mel), baladas pop com acentos country como em Amizade, entre outras, tudo isso embebido numa sonoridade única e coesa. Nunca na música brasileira se havia visto um disco soar tão uniforme passeando por tantos estilos diferentes, talvez apenas no caso dos Novos Baianos. Monte lembra o saudoso Benny Mardones ,com uma letra cativante falando sobre como encontrar Deus. Tudo Passa, resvala na disco music americana, com um ritmo delicioso e riffs simples e geniais. Refúgio começa com um efeito que lembra a sonoridade do Led Zeppelin em No Quarter, mostrando de cara as influências do grupo (talvez por isso causaram polêmica) com um solo que lembra outro medalhão, o maravilhoso David Gilmour.

O disco só não leva nota máxima devido à sua produção meio abafada, mas isso é mero detalhe diante da força das canções apresentadas aqui. Esse disco foi um marco na música gospel, e você deve ouvir se desprendendo do momento da música  gospel atual. Aqui tem letras, conteúdo, reflexão, musicalidade ímpar e não as repetições "mântricas" que hoje vemos no meio cristão, nem frases de efeito, muito menos sequências previsíveis de 4 acordes com ambiências estéreis e "perfeitas" pra provocar um frenesi emocional. Aqui é música de verdade, mais doce que o mel.

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Compartilhe:

Comente: