Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Bent Out Of Shape (1983)

Álbum de Rainbow

Acessos: 349


Até certo ponto consistente dentro de sua proposta

Por: André Luiz Paiz

01/09/2020

"Bent Out Of Shape" é mais um álbum da safra AOR do Rainbow que é pisoteado pelos fãs da formação clássica. Porém, dentro do que propõe, é um trabalho consistente.

O que mais me incomodou neste disco foi a sonoridade ainda mais comercial, não só das composições, mas também da produção de Roger Glover. Falta peso, principalmente no som da bateria do agora membro Chuck Burgi. O que acontece aqui, é que "Stone Cold", faixa que atingiu um certo sucesso no disco anterior, serviu de molde para criação deste trabalho. Acabou em partes dando certo, já que "Stranded", um pop/aor com refrão glam, chamou bastante a atenção, assim como a ótima "Street Of Dreams", que está longe de ser heavy, mas é muito bem composta. Gosto também de "Can't Let You Go" que, com mais peso, poderia se tornar um belo hard cadenciado. Essa faixa serve também para mostrar o talento de Joe Lynn Turner.
Deixando a abordagem atual de lado, nota-se que Blackmore tentou incluir vestígios dos tempos clássicos. "Fire Dance" é o melhor exemplo, com o teclado de David Rosenthal conduzindo com energia e um belo riff. O mesmo acontece com a ótima Drinking With The Devil, que tem espaço para a guitarra brilhar, apesar de meio ofuscada pela produção. Em contrapartida, "Make Your Move" passa despercebida.
Além das faixas citadas, temos dois temas instrumentais: "Snowman", que foi rearranjada por Blackmore e entrou apenas como filler, e a bela "Anybody There", que não combina com o resto do álbum, mas recebeu indicação ao Grammy de melhor faixa rock instrumental, em 1984.

A banda lançou o disco e saiu em turnê para promoção. Quando passaram pelo Japão, em 1984, registraram o álbum “Difficult To Cure” com uma orquestra completa e a apresentação foi filmada. Pouco depois, os rumores de uma volta do Deep Purple começaram a aumentar, até que foram concretizados. Assim, a MK II estava de volta para produção do álbum "Perfect Strangers". Com isso, o Rainbow só retornou com um novo disco em 1995 e totalmente reformulado, embora tenha durado pouco, já que o disco não foi um sucesso e Blackmore optou por montar o Blackmore’s Night, banda que mantém até hoje com sua esposa Candice Night. Aliás, a banda regravou "Street Of Dreams" duas vezes, uma delas com Joe Lynn Turner.

"Bent Out of Shape" é um disco que possui a qualidade de Richie Blackmore, mas a sua teimosia em soar comercial prejudicou muito a banda na fase pós-Dio, já que acabou derrapando em diversas situações. Para os colecionadores, vale correr atrás das várias versões deste disco (CD, vinil e cassete), que possuem faixas com durações diferentes. No mais, fica aqui o registro como último disco antes do regresso de Blackmore para o Purple e também o último com Joe Lynn Turner, que dificilmente voltará a cantar com a banda, já que o Rainbow voltou em 2015 com Ronnie Romero nos vocais.

As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor


Compartilhar

Comentar via Facebook

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.
Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito e aberto para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.