Para os que respiram música assim como nós


Resenha: In Through the Out Door (1979)

Álbum de Led Zeppelin

Acessos: 226


A queda do Zeppelin

Autor: Fábio Arthur

18/08/2020

Após a conturbada turnê de 1977 - disco Presence -, o Zeppelin começou um processo de declínio, físico, mental e de auto estima. Com a perda do filho, Plant sucumbiu ao desgosto e a interrupção da banda fora inevitável.

Bonham vinha de um processo de bebedeiras enormes e outros vícios. E sua auto confiança também não era a mesma, já que outros tantos músicos se sobressaiam na função de bateristas. Page, como há muito tempo, vinha de um vício em heroína total, estava magro demais e até sem condições de compor, diretamente.

A obra ficou por conta de Paul Jones que, em seu próprio favor, dominou o disco com teclados e sintetizadores. Agora, também o Zeppelin iria trazer conteúdo bem diferenciado, não ruim, mas, longe de seu bom rock. Gravado em Estolcomo entre 1978 e 1979, e produzido em seu próprio selo, a banda tentou voar alto novamente. Mas o Led já vinha de um cansaço e se você comparar a turnê de 1973 com a banda indo até 1977, você nota a diferença entre uma banda jovem e forte e outra cansada e atolada nas loucuras de carreira e excessos. 

O álbum ganhou platina e ouro, mas mesmo assim não era a mesma fonte de outrora. O Led então, rumou para seu fim sem volta, uma decepção. Durante a turnê eles tocaram no mega festival Knebworth e foram headliners, mesmo assim, o segundo show não foi tão bem aceito e perderam vendas de ingressos. Essa turnê seria última de Bonham e do Led, já que o falecimento do músico trouxe a separação do grupo. Bonzo ainda conservava a características de tocar firme e era ágil, mas seu vício foi mais intenso.

Ao vivo, o Led não alongava faixas e não tinha a vontade de tocar Moby Dick, e assim seguia fazendo um show do qual nem mesmo Plant tinha voz para chegar no tom de canções clássicas, o grave imperava total.

O álbum chegou com 6 capas alternativas, já que se trata de um pub e a visão de cada canto expõe um lado da localidade. E ainda no seu lançamento, vinha com papel pardo cobrindo o disco todo com um carimbo escrito Led Zeppelin. Momentos bons do álbum são de faixas como South Bound Saurez, Fool in the Rain, Carrouselambra e I'm Gonna Crawl. Por outro lado, tem faixas menos empolgantes como Hot Dog e In the Evening.

Fato é que a banda estava na fase do adeus e sem saber acabou de enterrar seu próprio ego. Mesmo assim, ainda soa em determinado momento como o velho Led.

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Compartilhe:

Comente: