Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Vengeance Of Hell (1984)

Álbum de Living Death

Acessos: 60


Uma das melhores estreias do metal alemão

Autor: Marcel Z. Dio

27/06/2020

Living Death veio como navalha nascida na safra dos medalhões supremos do thrash alemão, leia-se Sodom, Kreator, Destruction e um pouco atrás, o Tankard. Não era thrash de cabeceira por colocar o speed e power metal como injeção nas veias, porem, digno de um lugar na fileira dos grandes nomes teutônicos.
Por aqui temos um punhado de temas velozes e raçudos para bangear. Hoje não precisa ser olhado como surpresa, mas na época agradou e muito, haja visto que o som pesado do thrash não tem questões harmônicas a resolver, não apresenta mais novidade porque tudo já foi construído e desconstruído, a exceção de quem explora outras vertentes como complemento.
Como banda considerada do segundo quadro, a produção até impressiona. Assim temos peças de influencias do Accept e Judas Priest, com elementos que seguem para o princípio da escola thrash.

Creio que a maioria dos brasileiros tomou contato com o Living Death através do EP Watch Out!, lançado um ano apos este. A verdade é que Watch Out! era fácil de achar como vinil, entretanto, só trazia de novidade a excelente faixa título. Do mais, apanhava quatro ou cinco trilhas de Vengeance of Hell - julgadas como remixadas, uma farsa ! pois são idênticas em gênero numero e grau.
Citar destaques é complicado, diria até leviandade, pois todas estão em alto nível em vocais rasgados e por alguns momentos até esganiçados de Thorsten Bergmann, por vezes "brincando" com falsetes. Sei de gente que foge do Living Death por sua culpa. Sem problemas quanto Bergmann, as guitarras de bases velozes e bons solos suprimem seus exageros. O contrapeso é ter alguns momentos de desacelero (a exemplo da sinistra canção homônima), algo que ajuda no processo de amar essa pérola alemã.

A curiosidade fica sobre Labyrinth, por sua semelhança com Losfer Words do Iron Maiden. Ainda estou a descobrir quem é o pai da criança, pois ambas são instrumentais e feitas no mesmo ano, embora exista boa chance do Iron Maiden ter pego "emprestado", já que Powerslave veio a ser lançado em setembro de 1984, mas quanto ao Living Death não desvendei a data.
Mate a saudade dos anos 80 e confira sem medo de errar!

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Compartilhe:

Comente: