Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Effloresce (2003)

Álbum de Oceansize

Acessos: 204


Musicalidade inventiva, dinâmica, espacial e com ótimos vocais

Por: Tiago Meneses

17/06/2020

Oceansize é uma banda excelente que usa de elementos do pós-rock e heavy prog, além de um toque de space rock, embora este último seja usado com um pouco mais de moderação. Pense neles como uma banda de sonoridade bastante original, trazendo um som pesado e de dinâmicas que fazem total diferença nas suas músicas. No geral, uma combinação de sons que criam músicas de muita personalidade. 

Effloresce é o disco de estreia da banda, e se antes de conhecê-lo eu já tinha algumas boas expectativas, depois de ouvi-lo todas elas foram superadas. A música desliza por uma linha de vocais e instrumentais suaves e fluidos até momentos mais ásperos e altos que se aproximam até mesmo do heavy metal. Neste disco a variação musical na dinâmica é mais aparente nas músicas mais épicas, mais longas. Pensando dessa forma, vamos pegar como exemplo, “Massive Bereavement”, uma verdadeira obra de arte que usa uma dinâmica ao longo dos seus dez minutos para algo espetacular e original. Neste caso aqui eu acho muito válido mencionar que a banda teve a colaboração da banda Can, um nome bastante conhecido do progressivo. “Saturday Morning Breakfast Show” é outro exemplo dessa dinâmica tão mencionada e que tem o seu uso perfeito, com alguns sons suaves interrompidos por riffs e ganchos emocionantes. Interessante falar também de "Long Forgotten", uma balada longa e bastante bonita, mas não no sentido tradicional, digamos assim, sua atmosfera em certos pontos causa calafrios. 

Acho que com uma estreia desta a banda deveria ter entrado com força dentro do circuito de rock progressivo, mas isso não ocorreu e eu realmente jamais vou conseguir entender muito bem o motivo. Se você é um amante da banda Tool e procura mais músicas do mesmo calibre, ainda que não seja uma cópia – o que eu acho inclusive maravilhoso -, você deve ouvir Effloresce sem pensar duas vezes. Essa banda eu ouvi primeiro músicas isoladas em meio a outras distrações, mas só pude ver o quanto ela é de grande excelência quando sentei para ouvir um disco completo com bons fones de ouvido e dedicação total. 

Musicalidade inventiva, dinâmica, espacial, ótimos vocais com muita emoção, especialmente nas seções mais altas, este álbum e banda tem tudo isso. Ainda que estejamos nos referindo a um álbum de estreia, quando lançado em 2003 ele rivalizava facilmente com o que de melhor o mundo da música progressiva oferecia naquele momento. Todas as faixas têm algo a dizer, onde em momento algum elas têm porque serem vistas apenas como preenchimentos que não agregam em nada o álbum. Creio que com isso, boas informações foram dadas e não é necessário falar sobre cada uma das faixas.  Apenas escute o disco e desfrute.

As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor


Compartilhar

Comentar via Facebook

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.
Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito e aberto para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.