Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Obsessed by Cruelty (1986)

Álbum de Sodom

Acessos: 207


Brutal

Autor: Fábio Arthur

15/06/2020

O Sodom, em começo de carreira, acabou sofrendo muito com produtores e gerentes de gravadoras. Após o lançamento do EP "In the Sign of Evil", a banda obteve um êxito bem consistente. No entanto, no primeiro álbum completo, o grupo começou com uma indefinição de padrões e elementos que, por sua vez. a banda se revelou por tal fator entre as vertentes Death e Thrash, o que trouxe um impacto divisório. A banda não era a mesma do já citado EP e ainda não tinha uma direção acentuada. Esse elemento trouxe a dúvida da gravadora sobre os padrões exercidos pelo grupo e gerou algumas implicações, tais como produção, corte de faixas e lançamento fora da Europa.

Com as letras encontramos o estilo de escrita Black Metal e os fãs foram ardorosos quanto a esse fator, e a arte de capa também fortaleceu esse movimento. Após estar com o material pronto para seu lançamento europeu, a filiar americana pediu uma prensagem da obra com uma masterização diferente, o que elevou os ânimos e, por um triste destino, essa nova versão ficou tão ruim quanto ao original alemã. Enfim, os instrumentos misturam de forma exaltada em um solavanco brutal e muito confuso; por momentos, o ouvinte não consegue definir o que de fato impulsiona os riffs e a marcação de bateria. 

Mas o que determinada esse disco o como querido de público e o faz tão relevante? Acaba sendo simples a explicação, à época, o notável ponto de restauração de um movimento do metal fortalecidos em inúmeros grupos e seguimentos foi determinante para essa obra se definir clássica. "Obsessed by Cruelty" foi considerado como a um baluarte entre os grupos noruegueses da segunda fase do Black Metal, assim como os trabalhos iniciais do Sarcófago e do Sepultura. E o trabalho mostra algumas faixas importantes dentro do parâmetro sugerido, tais como: "Deathlike Silence", "Equinox", "Obsessed by Cruelty", "Pretenders of the Throne" e "Witchhammer". 

Logicamente o Sodom evoluiu no seguinte disco, mas esse trabalho não pode ser esquecido e deve ser fonte de inspirações diversas bandas no mundo do som pesado, e é obvio que a banda ultrapassou barreiras mesmo com esse petardo sujo, agressivo e mal produzido.

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Compartilhe:

Comente: