Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Crazy Nights (1987)

Álbum de Kiss

Acessos: 60


Um trabalho coerente e fértil

Autor: Fábio Arthur

19/05/2020

Acaba sendo salutar ouvir o KISS em 1987. Abanda chegou com a proposta correta e voltou a figurar nas rádios e entre os ardorosos fãs também. 

O grupo entrou na década de oitenta trazendo um pouco de tudo, mas foram os aspectos entre Hard e Heavy que moldaram a banda de forma em que fossem e/ou soassem concisos. 

Nesse trabalho, "Crazy Nights" o KISS ganha no som polido, rocker, mas traz consigo o peso de faixas notórias e bem fundamentadas. Obra de Stanley, obviamente.

Desde sua arte, em que o grupo utilizou colagens de fotos suas em espelhos quebrados, indo até o último arranjo ou acorde, esse disco soa altamente vigoroso e saindo de uma espécie de repetições que estavam sendo refeitas em cada trabalho concebido. É importantíssimo ressaltar um contraste nesse período, o álbum transita mais suave e isso inclusive na abordagens das letras.

Para enumerar outros fatores positivos, o ouvinte pode perceber a voz de Paul com força entre os agudos e o trabalho de guitarra que não deixa sobra de dúvidas de que o KISS sabe como formular os elementos necessários para chegar ao ponto certo. 

Uma das faixas do disco foi bem manipulada pelo grupo ao alternarem o andamento e os riffs, a canção "No, No, No", em que Simons alegava um toque meio Thrash Metal. Marketing deixado de lado, podemos acentuar que a canção título e "A Reason to Live" são pérolas intocáveis dentro do repertório do álbum e da banda. Ainda atendendo as expectativas dos fãs, "Turn On The Night" acaba sendo um dos momentos mais dignos do álbum. Que bela melodia e que vocalização de Paul, assim como na faixa "I´ill Fight Hell To Hold You", que chega a ser fulminante em todos os sentidos; apesar de um ter um título clichê. 

Um álbum de expressão e lançado em um momento em que o grupo necessitava dessa virtuose forte e sublime. Esse era o KISS em 1987.

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Compartilhe:

Comente: