Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Afterglow (2012)

Álbum de Black Country Communion

Acessos: 461


Surgem as primeiras rachaduras

Por: André Luiz Paiz

28/04/2020

É um clichê quando surgem notícias sobre a dissolução de bandas por problemas de ego. Quando se trata de supergrupos então, nem se fala. E foi assim que "Afterglow" decretou o fim precoce do Black Country Communion.

Após dois álbuns lançados em menos de um ano e com alta aceitação dos fãs, Glenn Hughes, uma das frentes da banda, queria mais. O problema é que a outra frente não tinha condições de corresponder naquele momento. Joe Bonamassa estava com a agenda dos seus demais projetos extremamente lotada. Com Hughes indisposto a esperar e inflexível ao achar que a banda deveria ser prioridade para Joe, o vocalista decidiu tomar as rédeas do projeto e liderar a banda nas gravações do seu terceiro e último disco antes da dissolução.

Dói dizer, mas "Afterglow" é o disco de menor destaque em comparação com os dois primeiros. Dói porque ainda é um deleite ouvir os vocais de Hughes e as suas ótimas linhas de baixo. Além disso, a cozinha segue forte, com uma boa participação também de Derek Sherinian, que recebeu mais espaço de maneira intencional por parte de Glenn, talvez pelo fato de Joe ter ido para o segundo plano. Seus riffs e solos estão ali com o timbre fantástico de sempre, mas é um brilho ofuscado. O principal problema aqui é que poucas canções capturam o ouvinte e as demais não despertam aquela vontade necessária de repetir a audição. O disco começa com uma tentativa de abordar estilos diferentes, trazendo um pouco do Southern, do rock setentista e momentos mais acústicos, mas depois acaba ficando totalmente mecânico, vide faixas como "The Giver" e "Crawl". Dá um certo alívio quando ouvimos "Cry Freedom", um dos grandes momentos e que traz mais o lado blues rock do grupo, e é exatamente quando Bonamassa mais aparece.
Como eu também destaquei, do outro lado da moeda temos um grupo que sabe o que faz em termos de técnica e execução. Faixas como "Big Train", "Midnight Sun", "The Circle" e "Common Man", com suas linhas de baixo matadoras, certamente agradarão os novos ouvintes e elevam a qualidade do trabalho.

Após o lançamento e algumas críticas, Joe disse que o grupo tinha chegado ao final. Hughes e Jason chegaram a cogitar e declarar publicamente que havia a possibilidade de continuarem com outro guitarrista. Porém, logo depois, Glenn disse que Joe não deixaria seguir com o nome sem ele, principalmente pela sua insatisfação quando o vocalista declarou que "Afterglow" era praticamente composição sua. E foi assim que o grupo encerrou as suas atividades, com dois ótimos discos - o primeiro e este - e um espetacular, "Black Country Communion 2", além do ótimo vídeo "Live Over Europe" sobre a turnê anterior.

Após a dissolução, Derek seguiu com seus demais projetos, assim como Joe Bonamassa. Glenn Hughes e Jason formaram o California Breed, um grupo de hard mais moderno e que lançaria apenas um ótimo álbum.

Por fim e para nossa sorte, Joe e Glenn viriam a se acertar no futuro, colocando os egos de lado e trazendo o Black Country Communion de volta, lançando mais um álbum após cinco anos e com planos para outro entre 2020 e 2021. Os fãs agradecem.

Tracklist:

Big Train 	
This Is Your Time 	
Midnight Sun 	
Confessor 	
Cry Freedom 	
Afterglow 	
Dandelion 	
The Circle 	
Common Man 	
The Giver 	
Crawl

Banda:

Glenn Hughes - vocais e baixo
Joe Bonamassa - guitarras e vocais secundários
Derek Sherinian - Teclados
Jason Bonhan - Bateria

Produção: Kevin Shirley

As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor


Compartilhar

Comentar via Facebook

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.
Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito e aberto para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.