Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Long Cold Winter (1988)

Álbum de Cinderella

Acessos: 289


Glam metal no delta do Mississipi!

Por: Márcio Chagas

23/04/2020

Nos anos 80 o hard rock e heavy metal dominavam as paradas americanas ao lado de expoentes da música pop. Porém, tanto o hard quanto o metal possuíam inúmeras subdivisões, sendo o glam metal a divisão considerada menos virtuosa, com musicas mais simples, visual extravagante, com maquiagem, cabelos encharcados de laquê, roupas coloridas e todo tipo de excessos.

Quem tinha má vontade com o estilo ainda os chamavam de Air metal (Devido ao laquê nos longos cabelos) ou farofa metal. Exageros a parte, o estilo produziu grandes bandas como o Def Lepard,  Motley Crue e o próprio Cinderella, que havia lançado o excelente “Night Songs” dois anos antes em 1986;

Porém, o trio que compunha a espinha dorsal do grupo formada por Tom Keifer - guitarras elétricas, acústicas, gaita e vocais; Jeff LaBar – guitarra e Eric Brittingham - baixo, resolveram se aproximar do blues e de bandas que combinavam o estilo criado no delta do Mississipi com guitarras pesadas, como faziam Rolling Stones, Aerosmith e outros.

A diferença é sentida logo de cara com a dobradinha “Bad Seamstress Blues / Fallin´at the Seams”, onde o dobro do convidado Jay Levin faz uma entrada típica de blues, amparada pela voz limpa de Keifer até a entrada da banda, onde o vocalista levanta sua voz que parece encharcada de Whisky barato, muito similar ao do vocalista Brian Johnson  (AC/DC). As guitarras se mantêm pesadas, mas o dobro continua ao fundo;

O lado bluseiro da banda se perpetua por todo o CD, em maior ou menor grau dependendo da faixa. Algumas são mais diretas, lembrando o álbum anterior, como em “Gypsy Road”, outras, como a faixa título, uma das melhores do álbum, vem impregnada de elementos de blues, como seu andamento arrastado, guitarras chorosas e hammond na base, cortesia de mais um convidado, Rick Criniti;

Outros destaques ficam por conta de "Don't Know What You Got (Till It's Gone)"   uma das baladas mais lindas de todo o hard rock e o maior sucesso do grupo; “The Last Mile”, dinâmica, com refrão empolgante e com um pezinho no AOR;
“Coming Home”, outra balada, mas com construção harmônica diferente, misturando elementos de country e blues. Poderia entrar em qualquer disco do Aerosmith; e a pesada e direta “If you Dont Like it”, com ótimos refrões e paredes de guitarras construídas por Keifer / Labar.

“Long Cold Winter” foi gravado em Nova York ao lado do produtor Andy Johns (Free, Humble Pie, Rod Stewart), um dos responsáveis por conseguir a sonoridade meio bluesy almejada pelo grupo. Além do citado trio, Fred Coury era o baterista da banda, mas não toca álbum, sabe-se lá o porquê. A bateria foi registrada por ninguém menos que Cozy Powell (Rainbow, Michael Schenker Group), Denny Carmassi (Montrose), o  baterista de estúdio Joseph Starns e ainda o percussionista brasileiro Paulinho da Costa (Eric Clapton, B.B. King, Michael Jackson e outros);

O disco foi lançado em maio de 1988 e pode ser considerado o maior sucesso do grupo,com quatro singles no mercado e tendo vendido 2 milhões de cópias somente no primeiro ano, alcançado o Top 10 nos EUA, chegando mais tarde a platina tripla;

Infelizmente o grupo não desfrutou do merecido sucesso, uma vez que o inicio dos anos 90 marcaria a entrada do grunge, que sufocaria boa parte das bandas de hard rock. Embora não tenham feito o mesmo sucesso que muitos de seus colegas, o Cinderella provou que é possível inovar dentro de qualquer estilo musical e lançou um clássico absoluto.

As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor


Compartilhar

Comentar via Facebook

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.
Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito e aberto para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.