Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Dynasty (1979)

Álbum de Kiss

Acessos: 185


Voltando ao sucesso

Autor: Fábio Arthur

19/04/2020

Após quatro discos solos de cada integrante em 1978, o Kiss voltou a ficar na mídia novamente. Se os discos solos de Gene e Peter não foram tão bem aceitos, os de Paul e Ace se deram bem, e essa amplitude continuou dando certo em "Dynasty", de 1979.

Começou então a era disco e o Kiss se viu inserido nela. E a coisa andou bem, afinal. Vini Poncia, a pedido exigente de Criss, produziu o trabalho. O disco soa muito bem trabalhado, chega com uma sustentação perfeita nas vozes e no que concerne ao instrumental. 

O álbum traz uma arte linda e chamativa e o som por igual. Então, o disco chega com Pop, Rock, Disco e Hard. Assim, também a banda traz Ace e também Peter nos vocais, além logicamente de Paul e Gene. Mas Peter infelizmente só toca na faixa "Dirt Livin", pois, devido seu problema com álcool, chamaram Anton Fig e o mesmo tentou soar igual, mas com um pouco mais de swing.

O álbum chegou ao nono lugar e os vídeos para tv foram sucesso, assim como a turnê. "I Was Made for Loving You" é fantástica, inclusive na voz de Paul. "2000 Man" veio da cover dos Stones na voz de Ace e que vocal hein! "Sure Know Somenting" também arrebenta em melodia e refrão, se tornando absoluta. Que música, boa! "Magic Touch" é eterna e maravilhosa, ambiciosa. E "X-Ray Eyes", poderosa como o álbum e nos traz um riff delicioso e uma batida certeira na bateria. Ainda no fim, tem "Save Your Love". 

Álbum marcante e forte e mesmo sendo bem diferente. Um clássico mesmo com todos os imprevistos.

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Compartilhe:

Comente: