Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Almost Persuaded (2017)

Álbum de Swing Out Sister

Acessos: 426


Um planeta de imensa beleza sônica

Por: Roberto Rillo Bíscaro

08/04/2020

Quando a esfuziante Breakout estourou nas FMs brasileiras, lá pelos distantes idos de 1986/7, alguns não botavam fé no Swing Out Sister. Comparando com Style Council, Sade e Matt Bianco, soava meio fabricado, feito nos sintetizadores, enfim, era “comercial”. Como se os mencionados não fossem...

Conforme os álbuns se tornavam mais sofisticados e retrô, com mais orquestrações e menos electronica, o sucesso comercial dos ingleses decrescia. Na segunda metade dos 80’s/primeira dos 90’s Corinne Drewery e Andy Connell tiveram singles de sucesso, como Am I The Same Girl e La La (Means I Love You). 

A partir de Shapes And Patterns, álbum de 1997, o duo lançava material primeiro no Japão e só depois no resto do mundo. Há coisa que só saiu na Ásia, onde se mantiveram populares por mais tempo, como nas Filipinas e centros onde havia comunidades de fãs de lounge, retro pop, exotica e outras burtbacharices.

Hoje, praticamente invisível até no mercado nipônico, o SOS lança material primeiro via serviços tipo PledgeMusic, como é o caso de Almost Persuaded, cofinanciado por fãs.

Em seu blog The Blue Moment, Richard Williams definiu Almost Persuaded como escapada para um mundo neo-Bacharachiano de elegância romântica. Perfeito. Incapazes de criar um universo como o Mestre, o SOS logrou construir um planeta dentro dele.

Nele, existe eternamente um loop temporal que vai aproximadamente de 1967 a 1974. Mas, o som não é cópia vintage e aí reside o Paradoxo do Swing Out Sister: Corinne e Andy conhecem enciclopedicamente o pop, soul, jazz, wall of sound, exotica, funk, bossa e trilhas-sonoras à Valley of the Dolls desse período. Assim, estilhaçam elementos de um ou outro subgênero, pós-modernamente pinçando apenas o que lhes convém e mesclando com outros cacos de sub-estilos para formar um todo retrô, submerso em ondas de cordas sintetizadas. Em Happier Than Sunshine elementos de funk, jazz e soul foram rearranjados em um mundo deslizante de pura beleza escapista. Em Don’t Give The Game Away, esses estilhaços de estilos aparecem fugazmente e somem, como fantasmagorias.

Almost Persuaded enfileira um pequeno milagre atrás do outro, que, para fãs mais antigos e atentos, às vezes remetem a trabalhos anteriores, como I Wish I Knew, que retorna para Shapes and Patterns.

Mas, o poder do álbum é no atacado, não adianta destacar essa ou aquela. Almost Persuaded é pra ser ouvido com seu drinque favorito, fantasiando estar ao lado de seu ícone fashion favorito. Ou se espojando em lençóis de cetim. Se não os possuir, sonhe-os, afinal, como a voz que não envelhece de Corinne Drewery canta “if it’s only a dream/then I’m dreaming my life away.”

As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor


Compartilhar

Comentar via Facebook

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.
Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito e aberto para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.