Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Tattooed Millionaire (1990)

Álbum de Bruce Dickinson

Acessos: 94


Plantando as sementes para sua despedida do Iron Maiden

Autor: André Luiz Paiz

24/03/2020

"Tattooed Millionaire" é o primeiro disco solo de Bruce Dickinson. Foi lançado em maio de 1990, pouco antes dos seus dois últimos discos com o Iron Maiden, "No Prayer for the Dying" e "Fear Of The Dark". Aqui, foi a aproximação de Bruce com o guitarrista Janick Gers, naquele momento o futuro substituto de Adrian Smith na Donzela. Ambos criaram a faixa "Bring Your Daughter... to the Slaughter" para o filme "A Nightmare on Elm Street 5: The Dream Child", que acabou também sendo escolhida por Steve Harris para figurar no setlist do próximo disco do Maiden.

"Bring Your Daughter... to the Slaughter" já mostrava um Bruce Dickinson com vontade de tentar algo novo, de sair da caixa e buscar mudanças. O ritmo incansável de álbuns e turnês do Iron Maiden estava causando esgotamento em massa, que inclusive viria a afetar muito a criatividade para o álbum que estava por vir. E foi com essa proposta de tentar algo diferente em mente que Bruce fez "Tattooed Millionaire", bem mais hard do que metal, com muitas melodias acessíveis e muitas das suas influências do seu início de carreira.

O disco abre com a faixa mais próxima de ser uma candidata a um disco do Maiden, "Son of a Gun" é uma das melhores composições da carreira de Bruce. Hard, cadenciada, melódica e muito bem composta. Aqui nota-se que os vocais de Bruce estão bem diferentes de "Seventh Son of a Seventh Son", abusando mais dos drives, proposta que levaria também para os próximos discos da banda. Em seguida, temos a hit "Tattooed Millionaire", que foi muito bem nos charts britânicos. A faixa é um belo hard rock e a letra é uma mensagem para a turma que vivia a vida como os rockeiros do Motley Crue, principalmente Nikki Sixx, no qual Bruce teve problemas fora do mundo da música. Seguindo, "Born in '58" é uma linda volta de Bruce ao passado acompanhada de um ótimo instrumental, bastante melódico. Uma das minhas favoritas, com certeza. "Hell on Wheels" é um belo hard que tem um ótimo riff de abertura e grande refrão, sendo mais um destaque. Por fim, encerrando a primeira metade, a linda e melódica balada "Gypsy Road", outra grande composição.
A segunda metade não brilha tanto quando a primeira, mas temos bons momentos com a cover do Mott The Hopple, 	"All the Young Dudes". "Dive! Dive! Dive!" também é destaque e lembra bastante a estrutura de "Bring Your Daughter... to the Slaughter". "Lickin' the Gun" fica um pouco abaixo e se destaca mais pelo riff de guitarra. "Zulu Lulu" é o mesmo caso. Por fim, o disco é finalizado com "No Lies", um rock que possui ótimo refrão.

A minha versão em CD traz também duas faixas acústicas: a blues "Ballad Of Mute" e a linda "Winds Of Change".

Assim, com "Tattooed Millionaire", Bruce despertaria uma vontade maior de se arriscar, de fazer algo por conta própria e diferente do que já tinha feito. Com isso, começava aí o início da sua saída do Iron Maiden, tendo Bruce até certa vez comentado que deveria ter feito até mesmo antes de "Fear Of The Dark". Para os fãs, começava também uma bela carreira solo.

Banda:
Bruce Dickinson - vocal
Janick Gers - guitarra
Andy Carr - baixo
Fabio del Rio - bateria

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Compartilhe:

Comente: