Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Oceanborn (1998)

Álbum de Nightwish

Acessos: 688


Qualidade desde sempre

Por: Vitor Sobreira

16/10/2017

Mesmo não tendo idade o suficiente para ter acompanhado o Nightwish em seus primeiros anos de carreira, sei o bastante para notar que os (então) jovens finlandeses estavam destinados a conseguir um belo lugar ao sol, e, como prova, a ascensão rápida e a qualidade cada vez mais assombrosa de seus lançamentos, já seriam mais do que necessários para entender a 'bagaça'. Tirando o fato da banda ter virado moda há uns anos atrás, e os confusos dois lados da moeda que permeiam a conturbada demissão de Tarja Turunen, é sempre prazeroso apreciar o som do Nightwish. Vamos lá?!

Sempre gostei do Metal feito no final dos anos 90, e com este segundo lançamento de 1998, a banda, sempre conduzida pelo tecladista Tuomas, estava a poucos passos do "estrelato" mundial (mesmo que em constante crescimento), produziu aqui a qualidade vista e reverenciada até hoje. Os vocais operísticos de Tarja, a atenção prioritária dada aos teclados, a bateria trabalhada e pesada e uma guitarra solitária, porém barulhenta e com uma suculenta pegada oriunda do Metal Tradicional, sem contar as músicas recheadas de 'feeling' e momentos de arrepiar, foram a fórmula seguida e executada à risca pelo grupo.

É interessante notar como a bela capa faz uma pequena referência à faixa "Devil & The Dark Deep Ocean" ('Uma imaculada coruja sobre as águas assombradas' [...] 'A senhora vestida no mais brilhante branco') e o embalo Power que as músicas possuem, dando um show de momentos velozes (abolidos aos poucos pela 'banda' nos futuros lançamentos), pesados e empolgantes. Apesar da (então) pouca idade dos músicos, eles não se intimidaram nem um pouquinho na hora de criar e apresentar músicas dinamicas e originais como 'Stargazers', 'Moondance' (que serviria de "base estrutural Folk" para as futuras 'Last Of The Wilds' e 'The Crow, The Owl & The Dove'), 'The Riddler', 'Gethsemane', 'Devil & the Deep Dark Ocean' e 'Sacrament of Wilderness'. Citei estas apenas como parte do tesouro... O restante, ao ouvir também, você irá descobrir o quão boas também são.

Além de partes pomposas, presenciamos ainda climas sombrios (que tanto gosto), e também é interessante notar como Tuomas Holopainen sempre se saiu bem com seus teclados, seja nas camadas de efeitos e solos (ainda não abusando de orquestrações) e Tarja, que mais tarde seria mundialmente aclamada por sua excelente técnica, óbvios frutos de anos dedicados a estudos e treinos.

Este é um disco direto, pesado, ocasionalmente veloz, original e muitíssimo bem feito, que chama a atenção logo de cara e nos conquista com sua pureza e honestidade, revelando que diversas facetas (os teclados enigmáticos, a guitarra tradicional, a bateria feroz e o vocal lírico-soprano) puderam muito bem se complementar e criar algo belíssimo.

Uma pena mesmo é o fato de terem deixado um pouco de lado este som, mas vendo por outro lado, ao ouvirmos quantas músicas magnificas, caprichadas e cada vez (ainda) mais complexas eles lançaram depois, mesmo "aprimorando' sua sonoridade, podemos sentir que é, e sempre será o mesmo Nightwish. Agora, é só apreciar!

As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor


Compartilhar

Comentar via Facebook

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.
Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito e aberto para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.