Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Jesus Christ The Exorcist (2019)

Álbum de Neal Morse

Acessos: 238


A história de Jesus, por Neal Morse

Autor: André Luiz Paiz

17/12/2019

Desenvolvido e criado em um período de dez anos, "Jesus Christ The Exorcist" é um projeto ambicioso do compositor americano Neal Morse. Com uma grande e notável discografia recheada de álbuns épicos e conceituais, cá está um projeto que não repete a fórmula e traz uma nova abordagem.

Neal começou a desenhar o que seria este trabalho no início de 2008. A ideia era criar música para um musical que contasse a história de Jesus Cristo. Quem acompanha a carreira de Neal, sabe que é devoto ao cristianismo e faz menção às suas conquistas após ter encontrado a fé em praticamente todos os seus projetos. Assim, sempre que possível, voltava a trabalhar com este projeto, até que, em 2019 e com o apoio da Frontiers, conseguiu enfim lançá-lo.

"Jesus Christ The Exorcist" agradará qualquer fã de álbuns conceituais, ou seja, aqueles que gostam de apreciar uma obra completa acompanhando toda a temática ao redor. Ela não agrada somente aos cristãos, afinal, os que consideram a Bíblia como ficção, também poderão acompanhar uma boa história. Há uma similaridade com os álbuns "Testimony" da carreira solo de Neal, porém aqui, há um cast de artistas desempenhando papéis distintos e a abordagem é muito mais teatral.

Ainda sobre as participações de convidados, é curioso ao ver que o baterista é Eric Gillete, excelente guitarrista (!) da Neal Morse Band. O timbre não é o mesmo de um Mike Portnoy, é obvio, mas, ainda sim, o trabalho é ótimo. Randy George mais uma vez é brilhante nas linhas de baixo, e há também a participação do ótimo tecladista/vocalista Bill Hubauer, também da NMB.
O cast de vocalistas desempenha bem o papel de cada personagem, mas, o momento mais emocionante é a participação de Nick D’Virgilio cantando brilhantemente com Neal em "Love Has Called My Name". Esta faixa me transportou para o álbum "Snow", dos Spock's Beard. Vale também citar Ted Leonard como Jesus, em mais uma brilhante participação.

O álbum deve ser degustado por completo e cresce a cada audição. Mas lembre-se: você não encontrará um épico progressivo aqui. A abordagem é para execução como se estivesse assistindo um musical, com passagens teatrais, diálogos e ótimas canções no meio. Aliás, torço para que seja produzido um lançamento original com um vídeo ao vivo acompanhado do cast original.

Mais uma grande adição à discografia de Neal Morse.

TRACKLIST:

CD 1
Introduction
Overture
Getaway
Gather The People
Jesus’ Baptism
Jesus’ Temptation
There’s A Highway
The Woman Of Seven Devils
Free At Last
The Madman Of The Gadarenes
Love Has Called My Name
Better Weather
The Keys To The Kingdom
Get Behind Me Satan

CD 2
He Must Go To The Cross
Jerusalem
Hearts Full Of Holes
The Last Supper
Gethsemane
Jesus Before The Council And Peter’s Denial
Judas’ Death
Jesus Before Pilate And The Crucifixion
Mary At The Tomb
The Greatest Love Of All
Love Has Called My Name  (Reprise)
 
Banda:
Paul Bielatowicz / lead guitar
Bill Hubauer / keyboards
Randy George / bass
Eric Gillette / drums

Personagens:
Ted Leonard – Jesus
Talon David - Mary Magdalene
Nick D’Virgilio - Judas Iscariot
Rick Florian - The Devil
Matt Smith - John the Baptist
Jake Livgren – Peter and Caiaphas
Neal Morse - Pilate, Demon 1, Disciple 1
Mark Pogue - Israelite 1, the Madman of the Gadarenes, Pharisee 2
Wil Morse - Israelite 2, Demon 3, Pharisee 1
Gabe Klein - Demon 2, Pharisee 4
Gideon Klein - Demon 4
Julie Harrison - Servant Girl

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Compartilhe:

Comente: