Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Oceans Of Time (1998)

Álbum de Axel Rudi Pell

Acessos: 358


Energias renovadas

Autor: André Luiz Paiz

26/03/2019

Com a saída de Jeff Scott Soto do grupo, o espaço foi aberto para um talentoso vocalista de uma banda de hard rock chamada Hardline. Johnny chegou, fez bonito e faz até hoje.

"Oceans Of Time" traz como maior destaque a participação de Johnny, com seu alto alcance e drive perfeito. Sua participação não contribuição somente pelo seu talento como vocalista, mas também por se adaptar melhor ao estilo banda do que Jeff Scott Soto, já conhecido por migrar constantemente entre bandas e projetos, fator reconhecido até mesmo por ele. Além disso, Johnny é um excelente frontman e um grande e simpático comunicador.

Digo que foi aqui, em "Oceans Of Time", que o grupo Axel Rudi Pell começou a desenhar a sua sonoridade que a colocou no mainstream das bandas do estilo. Peso, velocidade, cadência, melodias e ótimas baladas são os seus ingredientes. A pitada final: ótimas composições e um bom time de músicos.

Começando com a introdução "Slaves Of The Twilight", Johnny pede passagem detonando com a veloz "Pay The Price", faixa característica dos inícios dos álbuns de Axel. "Carousel" chega com mais cadência e ótimo refrão, para capturar o ouvinte com a repetição. Uma boa abertura para a grandiosa e épica "Ashes From The Oath". Uma balada longa, mas muito melhor do que "The Clown Is Dead", do álbum anterior. A interpretação de Johnny aqui é magnífica.
Voltando ao hard rock, temos a excelente "Ride The Rainbow", com boa levada e ótima melodia. Em seguida, mais um épico de destaque, a cadenciada "The Gates Of The Seven Seals". São dez minutos que alternam entre peso, cadência e velocidade. É mais um grande destaque.
Quem já conhece os álbuns de Axel Rudi Pell sabe que uma das suas especialidades é a composição de baladas. A faixa-título mantém o nível do álbum com êxito, em uma balada sensível e até certo ponto melancólica.
"Prelude To The Moon (Opus #3 Menuetto prelugio)" é uma vinheta com tamanho de faixa. Serve apenas para Axel abrir espaço para outros estilos e mostrar sua técnica. Para mim, dispensável.
Seguindo em direção ao final do álbum, temos mais duas ótimas faixas: "Living On The Wildside", com Johnny cantando nas alturas, e "Holy Creatures", que traz certa diversidade ao material, com vocais dobrados, peso e ótimo refrão.

Axel Rudi Pell não é um grupo que traz inovações a cada lançamento. Simplesmente faz muito bem aquilo que os fãs esperam. Para mim, isso é ótimo!
"Oceans Of Time" traz uma banda renovada e pronta para finalmente iniciar uma sequência de álbuns fantásticos.

Tracklist:

1.	Slaves of the Twilight	01:50
2.	Pay the Price	    06:17
3.	Carousel	08:01
4.	Ashes from the Oath	09:36
5.	Ride the Rainbow	04:55
6.	The Gates of the Seven Seals	10:37
7.	Oceans of Time	07:47
8.	Prelude to the Moon (Opus #3, Menuetto prelugio)	05:04
9.	Living on the Wildside	   04:53
10.	Holy Creatures	06:34

Banda:

Axel Rudi Pell	Guitars
Johnny Gioeli	Vocals
Ferdy Doernberg	   Keyboards
Volker Krawczak	   Bass
Jörg Michael	    Drums

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Compartilhe:

Comente: