Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Axel Rudi Pell - Between The Walls (1994)

Por: André Luiz Paiz

Acessos: 165

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
Seguindo adiante
3.5
06/02/2019

Atraindo cada vez mais a atenção de novos fãs dentro do hard rock, a chegada de Jeff Scott Soto para gravação de “Eternal Prisioner” parece ter trazido o elemento que faltava ao grupo: um vocalista fixo. Agora, com “Between The Walls”, bastava ao grupo seguir em frente e manter o nível.

O quarto álbum do grupo Axel Rudi Pell traz produção melhorada em relação ao seu antecessor, principalmente com foco nos vocais, aqui em total evidência. Obviamente, Jeff Scott Soto faz por merecer. Trata-se de simplesmente mais um ótimo registro na sua hoje longa carreira. Outro fator positivo é que não foca tanto nos agudos, afinal, a gritaria precisa ser moderada, tanto em prol dos nossos ouvidos e também para a sua saúde vocal. Volker Krawczak e Jörg Michael seguem fixos nas posições de baixista e baterista, respectivamente. Duas grandes forças para o som do grupo.

Com uma abertura desconexa e que não representa em nada a sonoridade do álbum, seguimos direto para a segunda faixa, a ótima “Talk Of The Guns”. Em seguida, um dos clássicos do grupo, a também ótima “Warrior”. Com estas duas já dá pra captar a mudança de postura vocal por parte de Jeff. Sem deixar cair o nível, “Cry Of The Gypsy” começa com ótimo riff de abertura e empolga novamente, sendo um grande aperitivo para a épica, pesada, mas também melódica, “Casbah”. Até aqui, um início de álbum espetacular.
Seguindo adiante, o nível das músicas começa a cair lentamente. Por exemplo, “Outlaw” segue a linha de “Warrior”, mas é inferior. A cover de “Wishing Well” ficou legal, mas sem destaque. Serve apenas para ficarmos com vontade de ouvir a versão do Free. Uma que gosto bastante é a balada “Innocent Child”, com ótima interpretação vocal. Por fim, “Between The Walls” é legal sem impressionar e a instrumental “Desert Fire” fecha o disco com classe e técnica, mas deixando apenas a conclusão de que o início do álbum é realmente melhor que o final.

Axel Rudi Pell pode não ser o melhor dos guitarristas no estilo, mas sabe compôr ótimos temas dentro do que se propõe a fazer. Tendo ao seu lado a participação de excelentes músicos, a fórmula dificilmente falha.

Entre este e “Eternal Prisoner”, fico com o segundo. Mas, a diversão aqui também é garantida.

Tracklist:

1.	The Curse	01:16
2.	Talk of the Guns	04:52
3.	Warrior	05:12
4.	Cry of the Gypsy	05:01
5.	Casbah	10:01
6.	Outlaw	03:59
7.	Wishing Well (Free cover)	04:01
8.	Innocent Child	05:27
9.	Between the Walls	04:05
10.	Desert Fire	03:08

Seguindo adiante
3.5
06/02/2019

Atraindo cada vez mais a atenção de novos fãs dentro do hard rock, a chegada de Jeff Scott Soto para gravação de “Eternal Prisioner” parece ter trazido o elemento que faltava ao grupo: um vocalista fixo. Agora, com “Between The Walls”, bastava ao grupo seguir em frente e manter o nível.

O quarto álbum do grupo Axel Rudi Pell traz produção melhorada em relação ao seu antecessor, principalmente com foco nos vocais, aqui em total evidência. Obviamente, Jeff Scott Soto faz por merecer. Trata-se de simplesmente mais um ótimo registro na sua hoje longa carreira. Outro fator positivo é que não foca tanto nos agudos, afinal, a gritaria precisa ser moderada, tanto em prol dos nossos ouvidos e também para a sua saúde vocal. Volker Krawczak e Jörg Michael seguem fixos nas posições de baixista e baterista, respectivamente. Duas grandes forças para o som do grupo.

Com uma abertura desconexa e que não representa em nada a sonoridade do álbum, seguimos direto para a segunda faixa, a ótima “Talk Of The Guns”. Em seguida, um dos clássicos do grupo, a também ótima “Warrior”. Com estas duas já dá pra captar a mudança de postura vocal por parte de Jeff. Sem deixar cair o nível, “Cry Of The Gypsy” começa com ótimo riff de abertura e empolga novamente, sendo um grande aperitivo para a épica, pesada, mas também melódica, “Casbah”. Até aqui, um início de álbum espetacular.
Seguindo adiante, o nível das músicas começa a cair lentamente. Por exemplo, “Outlaw” segue a linha de “Warrior”, mas é inferior. A cover de “Wishing Well” ficou legal, mas sem destaque. Serve apenas para ficarmos com vontade de ouvir a versão do Free. Uma que gosto bastante é a balada “Innocent Child”, com ótima interpretação vocal. Por fim, “Between The Walls” é legal sem impressionar e a instrumental “Desert Fire” fecha o disco com classe e técnica, mas deixando apenas a conclusão de que o início do álbum é realmente melhor que o final.

Axel Rudi Pell pode não ser o melhor dos guitarristas no estilo, mas sabe compôr ótimos temas dentro do que se propõe a fazer. Tendo ao seu lado a participação de excelentes músicos, a fórmula dificilmente falha.

Entre este e “Eternal Prisoner”, fico com o segundo. Mas, a diversão aqui também é garantida.

Tracklist:

1.	The Curse	01:16
2.	Talk of the Guns	04:52
3.	Warrior	05:12
4.	Cry of the Gypsy	05:01
5.	Casbah	10:01
6.	Outlaw	03:59
7.	Wishing Well (Free cover)	04:01
8.	Innocent Child	05:27
9.	Between the Walls	04:05
10.	Desert Fire	03:08

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Axel Rudi Pell

Album Cover

Axel Rudi Pell - Mystica (2006)

Clássico após clássico
5
Por: André Luiz Paiz
30/07/2019
Album Cover

Axel Rudi Pell - Kings And Queens (2004)

Imperdível
5
Por: André Luiz Paiz
22/05/2019
Album Cover

Axel Rudi Pell - Black Moon Pyramid (1996)

Transbordando inspiração
4.5
Por: André Luiz Paiz
19/02/2019

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Diamond Head - The Coffin Train (2019)

Expectativas...
3
Por: Diógenes Ferreira
11/07/2019
Album Cover

Metallica - Load (1996)

Muito além do thrash
3.5
Por: Fábio Arthur
05/06/2019
Album Cover

Rainbow - Rising (1976)

Rico em texturas, perfeitamente tocado, bombástico, operístico e bem acabado
5
Por: Tiago Meneses
19/05/2018