Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: The Company Of Snakes - Burst The Bubble (2002)

Por: Diógenes Ferreira

Acessos: 131

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
Na companhia dos cobras
5
26/01/2019

Se você é apaixonado pela fase ‘bluesy’ do Whitesnake, com os álbuns Trouble, Lovehunter, Saints and Sinners, Ready an’ Willing e que conta com aquela formação clássica com Micky Moody, Bernie Marsden e Neil Murray, esse projeto The Company of Snakes foi feito sob encomenda. Além de contar com os três músicos citados da formação setentista do Whitesnake, temos um baterista preciso e de pegada firme na figura de John Lingwood e um verdadeiro clone vocal de David Coverdale chamado Stefan Berggren. É incrível como o timbre vocal é similar!

Sobre o álbum, que na época (2002) foi lançado pela Century Media aqui no Brasil, eu comprei esperando que fosse encontrar algo similar ao Whitesnake daquele período hard n’ blues e felizmente foi o que encontrei. Um álbum perfeito, repleto de músicas maravilhosas (15 faixas ao todo) que trazem de volta aquele espírito descompromissado com o “mainstream”, mas sim aliado à sentimentos de músicas que vem da alma rock/blues dos primórdios da banda. É o que temos  em canções como Labour of Love, Burst The Bubble, Sacrificial Feelings, Hurricane, Days to Remember, Back to The Blues, All Dressed Up, Can’t Go Back, enfim, vou acabar citando todas as faixas do disco pois não há uma faixa sequer que precisa ser pulada na sua audição.

Portanto, se você sente falta daquela fase inicial do Whitesnake e respeita, admira e sente falta da importante contribuição que Moody, Marsden e Murray deram à banda de Mr. Coverdale, não deixe de conferir esse álbum sensacional dos “Cobras”, pois a nostalgia será imediata igual foi comigo ao ouvir essa pérola na década passada.

Na companhia dos cobras
5
26/01/2019

Se você é apaixonado pela fase ‘bluesy’ do Whitesnake, com os álbuns Trouble, Lovehunter, Saints and Sinners, Ready an’ Willing e que conta com aquela formação clássica com Micky Moody, Bernie Marsden e Neil Murray, esse projeto The Company of Snakes foi feito sob encomenda. Além de contar com os três músicos citados da formação setentista do Whitesnake, temos um baterista preciso e de pegada firme na figura de John Lingwood e um verdadeiro clone vocal de David Coverdale chamado Stefan Berggren. É incrível como o timbre vocal é similar!

Sobre o álbum, que na época (2002) foi lançado pela Century Media aqui no Brasil, eu comprei esperando que fosse encontrar algo similar ao Whitesnake daquele período hard n’ blues e felizmente foi o que encontrei. Um álbum perfeito, repleto de músicas maravilhosas (15 faixas ao todo) que trazem de volta aquele espírito descompromissado com o “mainstream”, mas sim aliado à sentimentos de músicas que vem da alma rock/blues dos primórdios da banda. É o que temos  em canções como Labour of Love, Burst The Bubble, Sacrificial Feelings, Hurricane, Days to Remember, Back to The Blues, All Dressed Up, Can’t Go Back, enfim, vou acabar citando todas as faixas do disco pois não há uma faixa sequer que precisa ser pulada na sua audição.

Portanto, se você sente falta daquela fase inicial do Whitesnake e respeita, admira e sente falta da importante contribuição que Moody, Marsden e Murray deram à banda de Mr. Coverdale, não deixe de conferir esse álbum sensacional dos “Cobras”, pois a nostalgia será imediata igual foi comigo ao ouvir essa pérola na década passada.

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Deep Purple - Come Taste The Band (1975)

O Hard Britânico se encontra com o Soul americano
5
Por: Márcio Chagas
18/03/2018
Album Cover

The Doors - The Doors (1967)

Uma estreia madura, mas mantendo a experimentação jovem da época.
5
Por: Tiago Meneses
16/06/2018
Album Cover

Kiss - Creatures Of The Night (1982)

Creatures of the Night ... o "Destroyer" dos anos 80
5
Por: Marcel Z. Dio
19/04/2018