Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Kiss - Psycho Circus (1998)

Por: André Luiz Paiz

Acessos: 125

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
Boas músicas em uma reunião desastrosa
4
17/12/2018

Em 1996, os fãs do Kiss ficaram desesperados de excitação em meio a uma notícia que muitos sonhavam em receber: o grupo estava de volta aos palcos com a formação clássica, ou seja, Paul Stanley e Gene Simmons com Ace Frehley e Peter Criss. Até o lançamento de “Carnival Of Souls – The Final Sessions” foi colocado de lado para focar nesta nova galinha dos ovos de ouro. Nos bastidores deste grande sonho para os fãs, problemas e mais problemas.

Assim que os quatro maquiados voltaram a trabalhar juntos, Paul e Gene perceberam que os problemas de outrora ocorreriam novamente. Peter e Ace mostravam pouco interesse pelo legado do grupo, além de problemas fora do meio musical, atrasando para ensaios e comprometendo a execução das músicas. Paul chegou a comentar que eles se comunicavam mais através de empresários e advogados do que individualmente. Apesar de tudo, conseguiram juntar os cacos para lançar um novo trabalho.

No meio de toda a turbulência surge: “Psycho Circus”, um dos meus álbuns favoritos do Kiss. Não é espetacular em sua integridade, porém possui músicas matadoras e uma produção fantástica, muito próxima do peso de “Creatures Of The Night”. Para constatar ainda mais que realmente havia um problema sério entre os membros, a única faixa em que todos participam juntos em seus instrumentos é na ótima “Into The Void”, composta e cantada por Ace.
O disco possui faixas absolutamente empolgantes como: “Psycho Circus”; a pesada “Within”, remanescente das sessões de “Carnival Of Souls – The Final Sessions”; o ótimo hard rock “I Pledge Allegiance To The State Of Rock & Roll”; a densa “Dreamin’” e a pesadíssima “You Wanted The Best”. Esta última conta com a participação dos quatro membros nos vocais e é uma das melhores músicas que o Kiss já fez. Segundo Ace, ele não tocou em mais músicas no álbum por simplesmente não ter sido convocado.
Além das faixas já citadas, temos alguns tropeços. O caso mais crítico a meu ver é a tentativa de produzir uma nova “Beth”, com “I Finally Found My Way”. Uma balada cantada que é cantada por Peter e que destoa completamente do restante do álbum, o que não acontece com “We Are One”, que não é espetacular, mas possui estrutura de hit. “Journey Of 1,000 Years” é mais um caso negativo, pois é uma canção que faz o ouvinte esperar por algo que nunca acontece. Além destas, “Raise Your Glasses” é uma filler que não compromete, pois é similar ao restante do lado positivo do material.

Após o lançamento do álbum, o Kiss seguiu com uma turnê de enorme sucesso. Porém, logo em seguida a banda anunciou sua turnê de despedida. O motivo? Queriam se livrar o quanto antes de Ace e Peter, retornando em seguida com Tommy Thayer e Eric Singer.

Tracklist:

Psycho Circus   5:30
Within  5:10
I Pledge Allegiance To The State Of Rock & Roll 3:32
Into The Void   4:22
We Are One      4:41
You Wanted The Best     4:15
Raise Your Glasses      4:14
I Finally Found My Way  3:40
Dreamin'        4:12
Journey Of 1,000 Years  4:47

Banda:
Paul Stanley – vocals, rhythm guitar, bass on track 8, acoustic guitar on tracks 5 & 8
Gene Simmons – vocals, bass,rhythm guitar on track 5
Ace Frehley – lead guitar and vocals (on tracks 4, 6 and 11)
Peter Criss – drums (on track 4), vocals on tracks 6 & 8

Músicos adicionais
Kevin Valentine - drums (except track 4)
Tommy Thayer - lead guitar (except tracks 2, 4, 6 and 11)
Bruce Kulick - backwards guitar intro & solo on track 2, bass on tracks 1 and 9, rhythm guitar on track 9.
Shelly Berg – acoustic piano, orchestration and conductor on tracks 8 and 10
Bob Ezrin – Fender Rhodes on track 8

Boas músicas em uma reunião desastrosa
4
17/12/2018

Em 1996, os fãs do Kiss ficaram desesperados de excitação em meio a uma notícia que muitos sonhavam em receber: o grupo estava de volta aos palcos com a formação clássica, ou seja, Paul Stanley e Gene Simmons com Ace Frehley e Peter Criss. Até o lançamento de “Carnival Of Souls – The Final Sessions” foi colocado de lado para focar nesta nova galinha dos ovos de ouro. Nos bastidores deste grande sonho para os fãs, problemas e mais problemas.

Assim que os quatro maquiados voltaram a trabalhar juntos, Paul e Gene perceberam que os problemas de outrora ocorreriam novamente. Peter e Ace mostravam pouco interesse pelo legado do grupo, além de problemas fora do meio musical, atrasando para ensaios e comprometendo a execução das músicas. Paul chegou a comentar que eles se comunicavam mais através de empresários e advogados do que individualmente. Apesar de tudo, conseguiram juntar os cacos para lançar um novo trabalho.

No meio de toda a turbulência surge: “Psycho Circus”, um dos meus álbuns favoritos do Kiss. Não é espetacular em sua integridade, porém possui músicas matadoras e uma produção fantástica, muito próxima do peso de “Creatures Of The Night”. Para constatar ainda mais que realmente havia um problema sério entre os membros, a única faixa em que todos participam juntos em seus instrumentos é na ótima “Into The Void”, composta e cantada por Ace.
O disco possui faixas absolutamente empolgantes como: “Psycho Circus”; a pesada “Within”, remanescente das sessões de “Carnival Of Souls – The Final Sessions”; o ótimo hard rock “I Pledge Allegiance To The State Of Rock & Roll”; a densa “Dreamin’” e a pesadíssima “You Wanted The Best”. Esta última conta com a participação dos quatro membros nos vocais e é uma das melhores músicas que o Kiss já fez. Segundo Ace, ele não tocou em mais músicas no álbum por simplesmente não ter sido convocado.
Além das faixas já citadas, temos alguns tropeços. O caso mais crítico a meu ver é a tentativa de produzir uma nova “Beth”, com “I Finally Found My Way”. Uma balada cantada que é cantada por Peter e que destoa completamente do restante do álbum, o que não acontece com “We Are One”, que não é espetacular, mas possui estrutura de hit. “Journey Of 1,000 Years” é mais um caso negativo, pois é uma canção que faz o ouvinte esperar por algo que nunca acontece. Além destas, “Raise Your Glasses” é uma filler que não compromete, pois é similar ao restante do lado positivo do material.

Após o lançamento do álbum, o Kiss seguiu com uma turnê de enorme sucesso. Porém, logo em seguida a banda anunciou sua turnê de despedida. O motivo? Queriam se livrar o quanto antes de Ace e Peter, retornando em seguida com Tommy Thayer e Eric Singer.

Tracklist:

Psycho Circus   5:30
Within  5:10
I Pledge Allegiance To The State Of Rock & Roll 3:32
Into The Void   4:22
We Are One      4:41
You Wanted The Best     4:15
Raise Your Glasses      4:14
I Finally Found My Way  3:40
Dreamin'        4:12
Journey Of 1,000 Years  4:47

Banda:
Paul Stanley – vocals, rhythm guitar, bass on track 8, acoustic guitar on tracks 5 & 8
Gene Simmons – vocals, bass,rhythm guitar on track 5
Ace Frehley – lead guitar and vocals (on tracks 4, 6 and 11)
Peter Criss – drums (on track 4), vocals on tracks 6 & 8

Músicos adicionais
Kevin Valentine - drums (except track 4)
Tommy Thayer - lead guitar (except tracks 2, 4, 6 and 11)
Bruce Kulick - backwards guitar intro & solo on track 2, bass on tracks 1 and 9, rhythm guitar on track 9.
Shelly Berg – acoustic piano, orchestration and conductor on tracks 8 and 10
Bob Ezrin – Fender Rhodes on track 8

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Kiss

Album Cover

Kiss - Music from "The Elder" (1981)

Uma banda sem saber para onde ir
2.5
Por: André Luiz Paiz
19/06/2018
Album Cover

Kiss - Carnival Of Souls: The Final Sessions (1996)

É o Kiss?
3
Por: André Luiz Paiz
04/12/2018
Album Cover

Kiss - Crazy Nights (1987)

Quase um álbum solo de Paul Stanley
3.5
Por: André Luiz Paiz
18/10/2018

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Wishbone Ash - Argus (1972)

Um disco de musicalidade precisa e emoção honesta.
5
Por: Tiago Meneses
16/11/2017
Album Cover

The Who - My Generation (1965)

O surgimento de uma nova geração para o rock
4
Por: André Luiz Paiz
20/02/2018
Album Cover

Led Zeppelin - Houses Of The Holy (1973)

Eclético, mas ainda assim soando de maneira coerente e natural.
4.5
Por: Tiago Meneses
14/06/2018