Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Lucas Ray Exp - Sphinx (2018)

Por: André Luiz Paiz

Acessos: 223

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
Prog eclético made in Maranhão
4
28/11/2018

O site do 80 Minutos nasceu com uma simples proposta: falar sobre música de qualidade. Diretamente ou indiretamente, este trabalho acaba ajudando muitos músicos talentosos que estão buscando por espaço neste mercado tão difícil. Lucas Ray é um deles. Nos falamos recentemente e fiquei sabendo que estava para lançar o seu primeiro EP. Lucas é guitarrista, compositor e estava disposto a me mostrar o seu trabalho para divulgação. Logo na primeira audição, fiquei bastante impressionado com o conteúdo.

A formação que acompanha Lucas fez um ótimo trabalho. O mais interessante foi ouvir o baterista Bruno Valverde (Angra) se aventurando em outros estilos musicais mais distantes do power metal. É realmente um excelente músico. Com ele, completam a cozinha o baixista Alexandre Panta (Canal Fala Baixista), o tecladista Neemias Teixeira, e Alex Fogaça na percussão das faixas "Run Rabbit, Run", "Xibalba" e "Sphinx".

A primeira música de trabalho do EP foi o single instrumental "Reveries". Um prato cheio para os fãs de Eric Johnson e Steve Vai. Passagens lentas e melódicas, em uma faixa que cresce no final, de maneira extremamente empolgante. Ao mergulhar nas demais canções, muitas e muitas surpresas. O talento de Lucas, somado com suas inúmeras influências, juntos permitiram a criação de um álbum extremamente eclético, com passagens que referenciam estilos brasileiros, além de reggae, folk e progressivo. 
A faixa de abertura "Iceland" começa acústica e cresce com levadas de progressivo e folk. Aqui, é possível conhecer um pouco mais do lado vocalista de Lucas.
"Run Rabbit, Run" é um mix de estilos surpreendente, apresentand diversas variações. Começa no estilo Neal Morse, fica melódica e passa até pelo samba. Uma surpresa atrás da outra.
Outra faixa que me chamou bastante a atenção foi "Xibalba". Ótima levada rítmica conduzida pela guitarra de Lucas.
"Sphinx" é dividida em duas partes, que são as minhas favoritas. A primeira traz um prog metal com melodia forte e ótimos riffs, além das já citadas variações de estilo características de todo o material. A segunda parte começa lenta, com uma balada de melodia belíssima, até que cresce novamente e recebe peso na medida, através da guitarra de Lucas. O conceito lírico aborda os mistérios da esfinge.

O EP "Sphinx" também mostra o que precisa ser lapidado para o primeiro álbum completo de Lucas e próximas composições. Primeiro, acho que os vocais precisam de mais valorização por parte da produção, inserindo mais vozes dobradas em passagens de impacto, para dar mais destaque às linhas compostas por Lucas. A parte instrumental é excelente, mas a melodia, seja instrumental ou vocal, deve sempre estar em primeiro plano. É assim que é possível cativar o ouvinte.

Como conclusão, fica a satisfação de constatar que o Brasil possui músicos de extrema qualidade como Lucas Ray, esperando apenas por uma oportunidade de mostrar todo o seu talento. Para os fãs de música progressiva e eclética, e também fãs de música boa em geral, não deixem de conferir este lançamento do Lucas Ray Exp.

Confira mais sobre o artista e como adquirir "Sphinx" em www.lucasrayexp.com

Prog eclético made in Maranhão
4
28/11/2018

O site do 80 Minutos nasceu com uma simples proposta: falar sobre música de qualidade. Diretamente ou indiretamente, este trabalho acaba ajudando muitos músicos talentosos que estão buscando por espaço neste mercado tão difícil. Lucas Ray é um deles. Nos falamos recentemente e fiquei sabendo que estava para lançar o seu primeiro EP. Lucas é guitarrista, compositor e estava disposto a me mostrar o seu trabalho para divulgação. Logo na primeira audição, fiquei bastante impressionado com o conteúdo.

A formação que acompanha Lucas fez um ótimo trabalho. O mais interessante foi ouvir o baterista Bruno Valverde (Angra) se aventurando em outros estilos musicais mais distantes do power metal. É realmente um excelente músico. Com ele, completam a cozinha o baixista Alexandre Panta (Canal Fala Baixista), o tecladista Neemias Teixeira, e Alex Fogaça na percussão das faixas "Run Rabbit, Run", "Xibalba" e "Sphinx".

A primeira música de trabalho do EP foi o single instrumental "Reveries". Um prato cheio para os fãs de Eric Johnson e Steve Vai. Passagens lentas e melódicas, em uma faixa que cresce no final, de maneira extremamente empolgante. Ao mergulhar nas demais canções, muitas e muitas surpresas. O talento de Lucas, somado com suas inúmeras influências, juntos permitiram a criação de um álbum extremamente eclético, com passagens que referenciam estilos brasileiros, além de reggae, folk e progressivo. 
A faixa de abertura "Iceland" começa acústica e cresce com levadas de progressivo e folk. Aqui, é possível conhecer um pouco mais do lado vocalista de Lucas.
"Run Rabbit, Run" é um mix de estilos surpreendente, apresentand diversas variações. Começa no estilo Neal Morse, fica melódica e passa até pelo samba. Uma surpresa atrás da outra.
Outra faixa que me chamou bastante a atenção foi "Xibalba". Ótima levada rítmica conduzida pela guitarra de Lucas.
"Sphinx" é dividida em duas partes, que são as minhas favoritas. A primeira traz um prog metal com melodia forte e ótimos riffs, além das já citadas variações de estilo características de todo o material. A segunda parte começa lenta, com uma balada de melodia belíssima, até que cresce novamente e recebe peso na medida, através da guitarra de Lucas. O conceito lírico aborda os mistérios da esfinge.

O EP "Sphinx" também mostra o que precisa ser lapidado para o primeiro álbum completo de Lucas e próximas composições. Primeiro, acho que os vocais precisam de mais valorização por parte da produção, inserindo mais vozes dobradas em passagens de impacto, para dar mais destaque às linhas compostas por Lucas. A parte instrumental é excelente, mas a melodia, seja instrumental ou vocal, deve sempre estar em primeiro plano. É assim que é possível cativar o ouvinte.

Como conclusão, fica a satisfação de constatar que o Brasil possui músicos de extrema qualidade como Lucas Ray, esperando apenas por uma oportunidade de mostrar todo o seu talento. Para os fãs de música progressiva e eclética, e também fãs de música boa em geral, não deixem de conferir este lançamento do Lucas Ray Exp.

Confira mais sobre o artista e como adquirir "Sphinx" em www.lucasrayexp.com

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Comedy Of Errors - House of the Mind (2017)

Mais um grande disco da banda.
4
Por: Tiago Meneses
14/10/2017
Album Cover

Lucifer Was - Underground And Beyond (1997)

A importância de uma demo tape ...
4.5
Por: Marcel Z. Dio
16/10/2018
Album Cover

Alphataurus - Alphataurus (1973)

Rock progressivo italiano, sinfônico, pesado e atmosférico
5
Por: Tiago Meneses
19/01/2019