Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Sepultura - Beneath The Remains (1989)

Por: Fábio Arthur

Acessos: 183

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
Marcando território
5
10/11/2018

Max Cavalera saiu de Minas Gerais e foi para os EUA com a determinação e os discos da banda na bagagem. Haviam alguns contatos por aqueles tempos, mas ainda assim o Sepultura necessitava de uma força maior; um contrato vigoroso.

A banda estava sendo pirateada na Europa e ate mesmo nos EUA, graças ao disco de 87 Schizophrenia e isso deu margem para o reconhecimento do grupo. 

As tentativas de se obter um contrato não seriam de forma simplista, mas Max estava indo em frente e assim, com muito esforço e mediante as oportunidades obtidas, conseguiu uma boa parceria com a Roadrunner/Eldorado. 

Agora, o Sepultura tinha uma tour internacional e seus discos seriam lançados mundialmente. 

Scott Burns seria o produtor renomado e sugerido para o trabalho e assim nascia "Beneath The Remains". 

Sendo assim, o terceiro disco do Sepultura veio forte, pesado e com um Thrash Metal vigoroso, competindo de frente com bandas de renome como Sodom, Kreator entre outras.

O disco prima por ser valioso em sua sonoridade, foi gravado no Rio de Janeiro e obteve uma aceitação gigante perante os fãs e critica. 

A arte escolhida para capa chamada de Nightmare in Red, acabou sendo muito incisiva e combinando perfeitamente com o som do grupo.

Com uma Intro curta e digna de um disco de ponta, a explosão de "Beneath the Remains" vem certeira, pesada e como um turbilhão. Nessa nova empreitada Max mostra um vocal agressivo, no entanto por ordem da gravadora, menos gutural e focado em uma linha mais thrash. "Inner Self" o primeiro video clipe da banda e trouxe as bençãos dos fãs, a faixa denota uma qualidade fora de comum, excelente em suas varições. O disco ainda nos mostra o quanto chegou imponente com faixas como "Mass Hypnosis", "Sarcastic Existence", "Slaves of Pain", Primitive Future" entre outras.

Esse disco se tornou essencial na carreira do grupo, vigorando uma forma diferenciada do som da banda e culminando com o começo de sua escalada ao topo em que os tornariam gigantes.

Marcando território
5
10/11/2018

Max Cavalera saiu de Minas Gerais e foi para os EUA com a determinação e os discos da banda na bagagem. Haviam alguns contatos por aqueles tempos, mas ainda assim o Sepultura necessitava de uma força maior; um contrato vigoroso.

A banda estava sendo pirateada na Europa e ate mesmo nos EUA, graças ao disco de 87 Schizophrenia e isso deu margem para o reconhecimento do grupo. 

As tentativas de se obter um contrato não seriam de forma simplista, mas Max estava indo em frente e assim, com muito esforço e mediante as oportunidades obtidas, conseguiu uma boa parceria com a Roadrunner/Eldorado. 

Agora, o Sepultura tinha uma tour internacional e seus discos seriam lançados mundialmente. 

Scott Burns seria o produtor renomado e sugerido para o trabalho e assim nascia "Beneath The Remains". 

Sendo assim, o terceiro disco do Sepultura veio forte, pesado e com um Thrash Metal vigoroso, competindo de frente com bandas de renome como Sodom, Kreator entre outras.

O disco prima por ser valioso em sua sonoridade, foi gravado no Rio de Janeiro e obteve uma aceitação gigante perante os fãs e critica. 

A arte escolhida para capa chamada de Nightmare in Red, acabou sendo muito incisiva e combinando perfeitamente com o som do grupo.

Com uma Intro curta e digna de um disco de ponta, a explosão de "Beneath the Remains" vem certeira, pesada e como um turbilhão. Nessa nova empreitada Max mostra um vocal agressivo, no entanto por ordem da gravadora, menos gutural e focado em uma linha mais thrash. "Inner Self" o primeiro video clipe da banda e trouxe as bençãos dos fãs, a faixa denota uma qualidade fora de comum, excelente em suas varições. O disco ainda nos mostra o quanto chegou imponente com faixas como "Mass Hypnosis", "Sarcastic Existence", "Slaves of Pain", Primitive Future" entre outras.

Esse disco se tornou essencial na carreira do grupo, vigorando uma forma diferenciada do som da banda e culminando com o começo de sua escalada ao topo em que os tornariam gigantes.

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Sepultura

Album Cover

Sepultura - Morbid Visions (1986)

Death Metal brasileiro
3
Por: Fábio Arthur
26/09/2018
Album Cover

Sepultura - Schizophrenia (1987)

Orgulho brasileiro
5
Por: Fábio Arthur
10/10/2018
Album Cover

Sepultura - Machine Messiah (2017)

Um respiro na carreira!
4
Por: Marcio Alexandre
30/01/2018

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Venom - Black Metal (1982)

Power trio de peso
5
Por: Fábio Arthur
06/11/2018
Album Cover

Kreator - Pleasure To Kill (1986)

Entre o Death e o Thrash
5
Por: Fábio Arthur
29/09/2018
Album Cover

Slayer - Hell Awaits (1985)

Slayerrrrrrrrrrrrrrrrrrr
5
Por: Fábio Arthur
06/11/2018