Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Ayreon - The Final Experiment (1995)

Por: André Luiz Paiz

Acessos: 143

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
Aqui nasceu um dos projetos mais famosos do rock progressivo
3.5
30/10/2018

Arjen Anthony Lucassen é um músico e compositor holandês, hoje famoso pelos diversos projetos que lidera. Aqui, no lançamento de “The final Experiment”, não era tão conhecido fora de sua região. Quando deixou o grupo Vengeance por divergências criativas, Arjen fundou este projeto para explorar a sua faceta musical preferida: o rock progressivo.

“The Final Experiment” conta a história de Ayreon, um menestrel (poeta) cego da Bretanha que vive no século sexto. O personagem possui visões futuristas e vê em uma delas o fim autodestrutivo do mundo. Estas visões são originadas do futuro, em que cientistas tentam alertá-lo através de telepatia para evitar que o pior ocorra.
Sem saber da origem das mensagens, Ayreon deduz que foram enviadas para ele pelos Senhores do Tempo. Como não sabe quando o fim chegará, o personagem começa a propagar a todos a sua mensagem sobre guerras, computadores e problemas climáticos. Assim, acaba expulso da comunidade.
Sem rumo, Ayreon chega até o castelo do Rei Arthur e é permitido de contar seus contos, mas acaba despertando a inveja de Merlin, o mago da corte, que faz um plano para silenciá-lo em definitivo.

A história é bem interessante e até certo ponto assustadora. Mas, alertar o passado dos problemas da humanidade, ainda não é possível. Então, fica a dúvida de como será o nosso futuro.

“The Final Experiment” é o embrião do projeto Ayreon, que mostra claramente as principais influências de Arjen. Aqui, você encontrará um mix do rock clássico que navega por Beatles, Deep Purple, The Who e Rainbow, combinados com as sonoridades progressivas de Pink Floyd, Genesis e Jethro Tull. O lado rock é explorado mais levemente, porém as influências são nítidas. Por ser o primeiro projeto, é possível notar que Arjen testa alguns elementos que deram certo e outros que nem tanto.
O álbum começa com uma introdução chamada “Prologue”, que você ouvirá na primeira audição e passará nas demais. Em seguida, temos uma ótima sequência com as canções “The Awareness” e “Eyes Of Time”. “The Banishment” também é ótima, embora sua introdução seja demasiadamente longa e cansativa. “Ye Courtyard” é uma balada OK, assim como “Nature's Dance”. “Sail Away To Avalon” é épica e empolgante, contando com ótima melodia, assim como “Merlin's Will”. Só que, para chegar nesta última, passamos por algumas faixas não tão impressionantes: “Computer-Reign (Game Over)”, “Waracle”, “Listen To The Waves” e “Magic Ride”. São boas faixas, mas não espetaculares. Seguindo em direção ao final do álbum, temos a baladinha crescente “The Charm Of The Seer” e “Swan Song”, que também passa batido por servir mais como introdução para “Ayreon's Fate”, fechando o álbum com uma ótima faixa.

Arjen não na época o poder aquisitivo que o projeto Ayreon possui nos tempos atuais. Assim, a lista de vocalistas é formada por vozes não tão conhecidas. Fato negativo? De maneira nenhuma! Adoro o timbre suave de Edward Reekers, assim como o timbre denso e rasgado de Robert Soeterbroek. O mais conhecido acredito que seja Ian Parry, do grupo Elegy e Consortium Project. Sua apresentação também é excelente.

“The Final Experiment” não é um álbum indispensável na coleção dos fãs de rock progressivo, mas possui o seu valor. Funciona definitivamente melhor com a audição completa, de preferência acompanhando a parte lírica. O que é bacana de se constatar aqui, é que Arjen lapidou bastante o seu direcionamento e hoje é capaz de produzir álbuns clássicos dentro deste ou de qualquer outro projeto de sua discografia.

Tracklist:

1. Prologue (3:17) 
- Act I - The Dawning :
2. The Awareness (6:36) 
3. Eyes Of Time (5:06) 
4. The Banishment (11:08) 
- Act II - King Arthur's Court :
5. Ye Courtyard Minstrel Boy (2:46)
6. Sail Away To Avalon (4:02)
7. Nature's Dance (2:28)
- Act III - Visual Echoes :
8. Computer-reign (game Over) (3:25)
9. Waracle (6:44)
10. Listen To The Waves (4:59)
11. Magic Ride (3:36)
- Act IV - Merlin's will and Ayreon's fate :
12. Merlin's Will (3:20)
13. The Charm Of The Seer (4:12)
14. Swan Song (2:44)
15. Ayreon's Fate (6:56)

O álbum foi relançado em 2005 pela InsideOut com faixas extras.

Vocalistas:

- Arjen Lucassen as 'Vengeance'
- Edward Reekers as 'Merlin' & 'Ayreon' (1,2,15)
- Lenny Wolf (3)
- Robert Soeterbroek as 'Villagers' (4) and as 'Merlin' (15)
- Jan-Chris De Koeijer (4)
- Ian Parry as 'Nobleman' (5,8) and as 'Merlin' (15)
- Jay van Feggelen as 'Merlin' (9,15)
- Leon Goewie as 'Merlin' (12,15)
- Ruud Houweling as 'Cloudmachine' (13)
- Lucy Hillen / backing vocals (13)
- Mirjam van Doorn / backing vocals
- Debby Schreuder / backing vocals 

Aqui nasceu um dos projetos mais famosos do rock progressivo
3.5
30/10/2018

Arjen Anthony Lucassen é um músico e compositor holandês, hoje famoso pelos diversos projetos que lidera. Aqui, no lançamento de “The final Experiment”, não era tão conhecido fora de sua região. Quando deixou o grupo Vengeance por divergências criativas, Arjen fundou este projeto para explorar a sua faceta musical preferida: o rock progressivo.

“The Final Experiment” conta a história de Ayreon, um menestrel (poeta) cego da Bretanha que vive no século sexto. O personagem possui visões futuristas e vê em uma delas o fim autodestrutivo do mundo. Estas visões são originadas do futuro, em que cientistas tentam alertá-lo através de telepatia para evitar que o pior ocorra.
Sem saber da origem das mensagens, Ayreon deduz que foram enviadas para ele pelos Senhores do Tempo. Como não sabe quando o fim chegará, o personagem começa a propagar a todos a sua mensagem sobre guerras, computadores e problemas climáticos. Assim, acaba expulso da comunidade.
Sem rumo, Ayreon chega até o castelo do Rei Arthur e é permitido de contar seus contos, mas acaba despertando a inveja de Merlin, o mago da corte, que faz um plano para silenciá-lo em definitivo.

A história é bem interessante e até certo ponto assustadora. Mas, alertar o passado dos problemas da humanidade, ainda não é possível. Então, fica a dúvida de como será o nosso futuro.

“The Final Experiment” é o embrião do projeto Ayreon, que mostra claramente as principais influências de Arjen. Aqui, você encontrará um mix do rock clássico que navega por Beatles, Deep Purple, The Who e Rainbow, combinados com as sonoridades progressivas de Pink Floyd, Genesis e Jethro Tull. O lado rock é explorado mais levemente, porém as influências são nítidas. Por ser o primeiro projeto, é possível notar que Arjen testa alguns elementos que deram certo e outros que nem tanto.
O álbum começa com uma introdução chamada “Prologue”, que você ouvirá na primeira audição e passará nas demais. Em seguida, temos uma ótima sequência com as canções “The Awareness” e “Eyes Of Time”. “The Banishment” também é ótima, embora sua introdução seja demasiadamente longa e cansativa. “Ye Courtyard” é uma balada OK, assim como “Nature's Dance”. “Sail Away To Avalon” é épica e empolgante, contando com ótima melodia, assim como “Merlin's Will”. Só que, para chegar nesta última, passamos por algumas faixas não tão impressionantes: “Computer-Reign (Game Over)”, “Waracle”, “Listen To The Waves” e “Magic Ride”. São boas faixas, mas não espetaculares. Seguindo em direção ao final do álbum, temos a baladinha crescente “The Charm Of The Seer” e “Swan Song”, que também passa batido por servir mais como introdução para “Ayreon's Fate”, fechando o álbum com uma ótima faixa.

Arjen não na época o poder aquisitivo que o projeto Ayreon possui nos tempos atuais. Assim, a lista de vocalistas é formada por vozes não tão conhecidas. Fato negativo? De maneira nenhuma! Adoro o timbre suave de Edward Reekers, assim como o timbre denso e rasgado de Robert Soeterbroek. O mais conhecido acredito que seja Ian Parry, do grupo Elegy e Consortium Project. Sua apresentação também é excelente.

“The Final Experiment” não é um álbum indispensável na coleção dos fãs de rock progressivo, mas possui o seu valor. Funciona definitivamente melhor com a audição completa, de preferência acompanhando a parte lírica. O que é bacana de se constatar aqui, é que Arjen lapidou bastante o seu direcionamento e hoje é capaz de produzir álbuns clássicos dentro deste ou de qualquer outro projeto de sua discografia.

Tracklist:

1. Prologue (3:17) 
- Act I - The Dawning :
2. The Awareness (6:36) 
3. Eyes Of Time (5:06) 
4. The Banishment (11:08) 
- Act II - King Arthur's Court :
5. Ye Courtyard Minstrel Boy (2:46)
6. Sail Away To Avalon (4:02)
7. Nature's Dance (2:28)
- Act III - Visual Echoes :
8. Computer-reign (game Over) (3:25)
9. Waracle (6:44)
10. Listen To The Waves (4:59)
11. Magic Ride (3:36)
- Act IV - Merlin's will and Ayreon's fate :
12. Merlin's Will (3:20)
13. The Charm Of The Seer (4:12)
14. Swan Song (2:44)
15. Ayreon's Fate (6:56)

O álbum foi relançado em 2005 pela InsideOut com faixas extras.

Vocalistas:

- Arjen Lucassen as 'Vengeance'
- Edward Reekers as 'Merlin' & 'Ayreon' (1,2,15)
- Lenny Wolf (3)
- Robert Soeterbroek as 'Villagers' (4) and as 'Merlin' (15)
- Jan-Chris De Koeijer (4)
- Ian Parry as 'Nobleman' (5,8) and as 'Merlin' (15)
- Jay van Feggelen as 'Merlin' (9,15)
- Leon Goewie as 'Merlin' (12,15)
- Ruud Houweling as 'Cloudmachine' (13)
- Lucy Hillen / backing vocals (13)
- Mirjam van Doorn / backing vocals
- Debby Schreuder / backing vocals 

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Ayreon

Album Cover

Ayreon - The Source (2017)

Mais um capítulo digno e complexo!
5
Por: Tarcisio Lucas
21/06/2018
Album Cover

Ayreon - The Source (2017)

Mais um registro fantástico para a carreira de Arjen Anthony Lucassen
5
Por: André Luiz Paiz
10/09/2018
Album Cover

Ayreon - Ayreon Universe (2018)

Simplesmente imperdível!
5
Por: André Luiz Paiz
16/11/2018

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Queensryche - The Warning (1984)

Um Clássico absoluto dos anos 80!
4.5
Por: Márcio Chagas
22/09/2018
Album Cover

Dream Theater - Images And Words (1992)

Nada menos do que uma bíblia sagrada do metal progressivo
5
Por: Tiago Meneses
08/03/2019
Album Cover

Porcupine Tree - Deadwing (2005)

Muitos belos elementos e lindas atmosferas.
4.5
Por: Tiago Meneses
01/10/2017