Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Death - Leprosy (1988)

Por: Fábio Arthur

Acessos: 110

Compartilhar:

Facebook Twitter Google +
User Photo
Album Cover
Death Metal épico
5
02/10/2018

O álbum em que se pode ouvir e dizer que ele é um dos melhores trabalhos dentro da vertente. O Death veio bem diferente de seu disco de estreia, mas com um som mais imponente e melhor elaborado.

Para a arte de capa, Edward Repka (Megadeth, Evil Dead, entre outras) trouxe algo bem direcionado com o som do grupo e define muito bem toda a essência do conteúdo, além de ser uma ilustração muito aprimorada. 

O disco foi todo gravado como um trio, apesar de contrariar a foto da contracapa, Chuck Schuldiner (R.I.P.) gravou o baixo/voz e suas partes de guitarra, obteve maior facilidade em fazer tudo no estúdio do que seu próprio baixista na época. O disco mantém o peso e, no entanto, reflete um amadurecimento musical muito nítido e a banda se mostra muito superior ao debute. 

Sendo uma das primeiras bandas de Death Metal da história - junto ao Possessed -  o Death trouxe inovações em termos de direcionamento rítmico e também nas questões de letras entre outras vertentes.

O álbum foi lançado pela Combat Records em 1988 e trouxe não mais que 38 minutos de gravação, mas que prima por um som bem produzido e com a cara do metal oitentista. 

As faixas são todas ótimas, mas vale destacar algumas, até porque para quem nunca teve contato com o som do grupo, pode explorar as mesmas logo de cara. “Leprosy”, “Born Dead”, “Left to Die”, “Pull the Plug”, “Open Casket” e “Choke on It” são fantásticas em seu todo.

Esse disco é um dos preferidos entre tantos fãs da banda ao redor do mundo e marca a primeira fase do grupo como clássica e imponente. Ouça em volume alto e sem remorso!

Death Metal épico
5
02/10/2018

O álbum em que se pode ouvir e dizer que ele é um dos melhores trabalhos dentro da vertente. O Death veio bem diferente de seu disco de estreia, mas com um som mais imponente e melhor elaborado.

Para a arte de capa, Edward Repka (Megadeth, Evil Dead, entre outras) trouxe algo bem direcionado com o som do grupo e define muito bem toda a essência do conteúdo, além de ser uma ilustração muito aprimorada. 

O disco foi todo gravado como um trio, apesar de contrariar a foto da contracapa, Chuck Schuldiner (R.I.P.) gravou o baixo/voz e suas partes de guitarra, obteve maior facilidade em fazer tudo no estúdio do que seu próprio baixista na época. O disco mantém o peso e, no entanto, reflete um amadurecimento musical muito nítido e a banda se mostra muito superior ao debute. 

Sendo uma das primeiras bandas de Death Metal da história - junto ao Possessed -  o Death trouxe inovações em termos de direcionamento rítmico e também nas questões de letras entre outras vertentes.

O álbum foi lançado pela Combat Records em 1988 e trouxe não mais que 38 minutos de gravação, mas que prima por um som bem produzido e com a cara do metal oitentista. 

As faixas são todas ótimas, mas vale destacar algumas, até porque para quem nunca teve contato com o som do grupo, pode explorar as mesmas logo de cara. “Leprosy”, “Born Dead”, “Left to Die”, “Pull the Plug”, “Open Casket” e “Choke on It” são fantásticas em seu todo.

Esse disco é um dos preferidos entre tantos fãs da banda ao redor do mundo e marca a primeira fase do grupo como clássica e imponente. Ouça em volume alto e sem remorso!

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Death

Album Cover

Death - Symbolic (1995)

Um daqueles discos que dividem um gênero entre o antes e depois.
5
Por: Tiago Meneses
14/01/2018

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

In Flames - Reroute to Remain (2002)

Modernidade, sempre!
3.5
Por: Vitor Sobreira
31/10/2017
Album Cover

Children Of Bodom - Hexed (2019)

Resgatando as melodias
3.5
Por: Diógenes Ferreira
09/03/2019
Album Cover

Carnal Forge - Gun To Mouth Salvation (2019)

Ainda buscando espaço em meio à destruição
4
Por: Diógenes Ferreira
20/02/2019