Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Yes - Magnification (2001)

Por: Marcel Z. Dio

Acessos: 270

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
Resgatando as glórias do passado
3.5
30/09/2018

Vindo de dois trabalhos fracos, vide o patético Open Your Eyes (1998) e a volta mais progressiva com o confuso The Ladder (1999), era fácil sacar que o Yes estava mais perdido do que surdo em bingo. 
A resposta tinha que vir rápido, e veio com Magnification. Obra que aposta no apoio da orquestra, como quinto elemento.
A saída do tecladista Igor Khoroshev nem foi percebida, pudera, sua participação nos últimos discos do Yes, é bem discreta. Diria que a melodia criada por Allan White nos pianos de "In The Presence Of", valiam por todo o trabalho do russo com o Yes. Tudo bem, os músicos conduzidos por Larry Groupe supriram o vácuo deixado pelos teclados, dando de quebra, ares épicos ao disco.
Alem de bons refrães, as canções tinham começo, meio e fim, ao contrário do álbum anterior, não sendo sacrificante ouvir Magnification por duas vezes seguidas, os detalhes iam se revelando a cada audição.

A faixa título encaixa perfeitamente com os arranjos de cordas, num equilíbrio perfeito entre o clássico som dos anos setenta e o atual. O timbre emitido por Steve Howe, mergulha na onda de Going For The One, deixando o nostálgico fã, com sorriso de orelha a orelha.

"Spirits of Survivor" surpreende pela simplicidade da seção rítmica, com o baixo fazendo looping, numa progressão bem acentuada em conjunto com as leves orquestrações.

"Don't Go" marca lado o lado mais pop, ora esquecido com a volta de Steve Howe. Cheia de vocalizações e um tanto trivial, para os padrões do Yes, a trilha agradará em cheio os amantes da fase clássica e também do reciclado 90125.

A música clássica contemporânea é explorada na longa e cinematográfica introdução de "Give Love Each Day". Bem agradável de se ouvir, a grandiosa canção, cativa naturalmente o ouvinte.

"Can You Imagine" é a antiga "Can You See" do projeto XYZ (iniciais de ex Yes e Led Zeppelin).
Repaginada e agora com arranjos de cordas substituindo as guitarras de Jimmy Page, "Can You Imagine" teve a merecida segunda chance, ganhando um sopro divino com a decente gravação. Os vocais de Chris Squire foram mantidos.

A modulante e bela "Dream Time" tem uma certa atmosfera exótica de música árabe, muito rica no conceito musical. Esses projetos de rock com filarmônica, são interessantes, porem, tem se a impressão que a banda fica distante da orquestra, como algo imiscível. O que não acontece em Magnification, onde tudo se complementa em um só corpo.

"In The Presence Of" nasceu clássica. Coloca-la entre as dez melhores canções do Yes, não seria nenhum exagero. Beira a perfeição, tanto na melodia sublime do piano / voz e guitarras em lap steel, passando pelo contrabaixo formidável de Chris Squire, e a conclusão de uma letra inspiradíssima. Era o Yes renascido e recuperado dos fracassos anteriores.
Vale conferir as não citadas "We Agree", "Soft as a Dove" e "Time Is Time".

Resgatando as glórias do passado
3.5
30/09/2018

Vindo de dois trabalhos fracos, vide o patético Open Your Eyes (1998) e a volta mais progressiva com o confuso The Ladder (1999), era fácil sacar que o Yes estava mais perdido do que surdo em bingo. 
A resposta tinha que vir rápido, e veio com Magnification. Obra que aposta no apoio da orquestra, como quinto elemento.
A saída do tecladista Igor Khoroshev nem foi percebida, pudera, sua participação nos últimos discos do Yes, é bem discreta. Diria que a melodia criada por Allan White nos pianos de "In The Presence Of", valiam por todo o trabalho do russo com o Yes. Tudo bem, os músicos conduzidos por Larry Groupe supriram o vácuo deixado pelos teclados, dando de quebra, ares épicos ao disco.
Alem de bons refrães, as canções tinham começo, meio e fim, ao contrário do álbum anterior, não sendo sacrificante ouvir Magnification por duas vezes seguidas, os detalhes iam se revelando a cada audição.

A faixa título encaixa perfeitamente com os arranjos de cordas, num equilíbrio perfeito entre o clássico som dos anos setenta e o atual. O timbre emitido por Steve Howe, mergulha na onda de Going For The One, deixando o nostálgico fã, com sorriso de orelha a orelha.

"Spirits of Survivor" surpreende pela simplicidade da seção rítmica, com o baixo fazendo looping, numa progressão bem acentuada em conjunto com as leves orquestrações.

"Don't Go" marca lado o lado mais pop, ora esquecido com a volta de Steve Howe. Cheia de vocalizações e um tanto trivial, para os padrões do Yes, a trilha agradará em cheio os amantes da fase clássica e também do reciclado 90125.

A música clássica contemporânea é explorada na longa e cinematográfica introdução de "Give Love Each Day". Bem agradável de se ouvir, a grandiosa canção, cativa naturalmente o ouvinte.

"Can You Imagine" é a antiga "Can You See" do projeto XYZ (iniciais de ex Yes e Led Zeppelin).
Repaginada e agora com arranjos de cordas substituindo as guitarras de Jimmy Page, "Can You Imagine" teve a merecida segunda chance, ganhando um sopro divino com a decente gravação. Os vocais de Chris Squire foram mantidos.

A modulante e bela "Dream Time" tem uma certa atmosfera exótica de música árabe, muito rica no conceito musical. Esses projetos de rock com filarmônica, são interessantes, porem, tem se a impressão que a banda fica distante da orquestra, como algo imiscível. O que não acontece em Magnification, onde tudo se complementa em um só corpo.

"In The Presence Of" nasceu clássica. Coloca-la entre as dez melhores canções do Yes, não seria nenhum exagero. Beira a perfeição, tanto na melodia sublime do piano / voz e guitarras em lap steel, passando pelo contrabaixo formidável de Chris Squire, e a conclusão de uma letra inspiradíssima. Era o Yes renascido e recuperado dos fracassos anteriores.
Vale conferir as não citadas "We Agree", "Soft as a Dove" e "Time Is Time".

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Yes

Album Cover

Yes - Time And A Word (1970)

Alguns momentos excelentes, outros fracos e até muito abaixo da média.
2.5
Por: Tiago Meneses
07/12/2017
Album Cover

Yes - 90125 (1983)

O problema não é ser comercial, mas simplesmente não cativar em momento algum
2
Por: Tiago Meneses
19/05/2018
Album Cover

Yes - Drama (1980)

Reciclado, mas sem perder a essência prog
4.5
Por: Marcel Z. Dio
11/06/2019

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Gentle Knife - Clock Unwound (2017)

Música emocionante, vibrante e com um caos controlado.
3.5
Por: Tiago Meneses
26/01/2018
Album Cover

Premiata Forneria Marconi - Jet Lag (1977)

O rock progressivo italiano se encontra com o fusion americano
4
Por: Márcio Chagas
04/07/2019
Album Cover

Genesis - Wind & Wuthering (1976)

Ainda levando consigo o estilo inconfundível da banda
4
Por: Tiago Meneses
01/11/2018