Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Duran Duran - Notorious (1986)

Por: Marcel Z. Dio

Acessos: 147

Compartilhar:

Facebook Twitter Google +
User Photo
Album Cover
Disco essencial para os amantes do pop
4
19/09/2018

Três discos lançados no espaço de três anos, mais a extensa turnê com o Live Arena (1984) e o Duran Duran dá uma pausa no grupo. Os membros usariam esse tempo em projetos como: Arcadia e Power Station.
A volta em 1986 trouxe mudanças. Andy Taylor abandona o barco, e é substituído por Warren Cuccurullo (Frank Zappa, Missing Persons) o produtor Nile Rodgers também colabora com a guitarra em algumas faixas. A outra baixa foi com o baterista Roger Taylor, substituído por Steve Ferrone. 
Limando de vez os resquícios da new wave, eles prosseguem com o pop classudo, soluto em gêneros como soul music e rythm 'n blues. E com o novo álbum, pegam em definitivo a coroa de melhor banda pop da década.

Nos anos oitenta era ligar o rádio e ouvir a faixa título, que muitas vezes tocava simultaneamente em duas ou três estações.
De estrutura simples, a canção de baixo estalados em slap, abusava com o uso de instrumentos de sopro, tendo em seu refrão, o ponto forte. 
"American Science" foi outro hit, apesar de não ser tão explorado quanto o antecessor. Um soft pop sofisticado, com agradáveis acordes de teclado e o uso dos trompetes preenchendo a lacuna deixada pela acanhada guitarra. Os graves de John Taylor são um espetáculo a parte.

"Skin Trade" disputa palmo a palmo com "American Science" não só como as melhores do disco, e sim do pop oitentista. O single teve a capa proibida em vários países, pois mostrava uma nádega feminina nua. A opção foi deixar apenas a capa vermelha e o logo.

Baladas não são minha praia, porem, abro exceção com a manjada “A Matter of Feeling", cujo o grande destaque são os teclados e a levada minimalista da bateria. A música fez muito sucesso por aqui, ao ser trilha da novela Mandala.

"Vertigo (Do the Demolition)" prossegue com a mesma fórmula de Skin Trade, dando mais realce as guitarras. Outro destaque é "Meet El Presidente" e seus ótimos vocais femininos. Percebe-se o dedo do produtor Nile Rodgers no rumo tomado com o novo álbum, principalmente na exploração dos trompetes, algo que não ouvimos nos discos anteriores.
A divulgação foi completada por um álbum de remix chamado Master Mix. Geralmente essas "misturas" acabam por estragar as canções, pelo excesso de scratch, colagens mal feitas e outras firulas. Em Master Mix tudo foi dosado perfeitamente, e assim como Notorious, o "remexido" disco, teve boas vendas aqui no Brasil.

Disco essencial para os amantes do pop
4
19/09/2018

Três discos lançados no espaço de três anos, mais a extensa turnê com o Live Arena (1984) e o Duran Duran dá uma pausa no grupo. Os membros usariam esse tempo em projetos como: Arcadia e Power Station.
A volta em 1986 trouxe mudanças. Andy Taylor abandona o barco, e é substituído por Warren Cuccurullo (Frank Zappa, Missing Persons) o produtor Nile Rodgers também colabora com a guitarra em algumas faixas. A outra baixa foi com o baterista Roger Taylor, substituído por Steve Ferrone. 
Limando de vez os resquícios da new wave, eles prosseguem com o pop classudo, soluto em gêneros como soul music e rythm 'n blues. E com o novo álbum, pegam em definitivo a coroa de melhor banda pop da década.

Nos anos oitenta era ligar o rádio e ouvir a faixa título, que muitas vezes tocava simultaneamente em duas ou três estações.
De estrutura simples, a canção de baixo estalados em slap, abusava com o uso de instrumentos de sopro, tendo em seu refrão, o ponto forte. 
"American Science" foi outro hit, apesar de não ser tão explorado quanto o antecessor. Um soft pop sofisticado, com agradáveis acordes de teclado e o uso dos trompetes preenchendo a lacuna deixada pela acanhada guitarra. Os graves de John Taylor são um espetáculo a parte.

"Skin Trade" disputa palmo a palmo com "American Science" não só como as melhores do disco, e sim do pop oitentista. O single teve a capa proibida em vários países, pois mostrava uma nádega feminina nua. A opção foi deixar apenas a capa vermelha e o logo.

Baladas não são minha praia, porem, abro exceção com a manjada “A Matter of Feeling", cujo o grande destaque são os teclados e a levada minimalista da bateria. A música fez muito sucesso por aqui, ao ser trilha da novela Mandala.

"Vertigo (Do the Demolition)" prossegue com a mesma fórmula de Skin Trade, dando mais realce as guitarras. Outro destaque é "Meet El Presidente" e seus ótimos vocais femininos. Percebe-se o dedo do produtor Nile Rodgers no rumo tomado com o novo álbum, principalmente na exploração dos trompetes, algo que não ouvimos nos discos anteriores.
A divulgação foi completada por um álbum de remix chamado Master Mix. Geralmente essas "misturas" acabam por estragar as canções, pelo excesso de scratch, colagens mal feitas e outras firulas. Em Master Mix tudo foi dosado perfeitamente, e assim como Notorious, o "remexido" disco, teve boas vendas aqui no Brasil.

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Duran Duran

Album Cover

Duran Duran - Paper Gods (2015)

Os deuses de papel do pop inglês
4
Por: Roberto Rillo Bíscaro
16/09/2017

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Tears for Fears - Everybody Loves A Happy Ending (2004)

De volta com os membros originais, o final foi feliz
4.5
Por: André Luiz Paiz
12/09/2017
Album Cover

King Crimson - In The Court Of The Crimson King (1969)

Histórico por diversos motivos
5
Por: André Luiz Paiz
24/02/2018
Album Cover

King Crimson - In The Wake Of Poseidon (1970)

Um esforço soberbo e dentro das possibilidades da banda naquele momento.
4.5
Por: Tiago Meneses
05/03/2018