Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Queensryche - Queensryche (2013)

Por: André Luiz Paiz

Acessos: 101

Compartilhar:

Facebook Twitter Google +
User Photo
Album Cover
Para resgatar os fãs
4.5
13/09/2018

Brigas e mais brigas começaram a surgir após a recepção negativa diante do lançamento de “Dedicated to Chaos”, álbum que viria a ser o último de Geoff Tate com o Queensryche. Após um sério desentendimento de Geoff com o grupo - fato que foi possível ser notado inclusive na passagem da banda pelo Brasil em 2012 – ocasionado pelo desgaste do seu relacionamento com os demais membros, mas principalmente pela demissão de sua mulher e também de sua enteada de algumas atribuições relacionadas à banda, a situação ficou insustentável, chegando inclusive às vias de fato. A conclusão da história já é de conhecimento de todos: Geoff saiu, montou a sua banda utilizando o mesmo nome e lançou um álbum chamado “Frequency Unknown”, causando mais problemas que só foram resolvidos há pouco tempo atrás, após conversas e mais conversas entre advogados.

Enquanto a briga acontecia, os empresários e o restante do Queensryche rapidamente correram atrás de um substituto. A escolha foi: Todd La Torre, que estava praticamente saindo do seu antigo grupo Crimson Glory. Uma opção estratégica, já que é óbvia a similaridade entre Todd e Tate. Isso é ruim? De maneira nenhuma! O resultado ficou excelente.

O Queensryche sabia também que precisava mudar a sua temática. O caminho para qual a sua música estava evoluindo acabou por afastar mais e mais fãs, deixando o grupo em uma situação preocupante. Para estes casos, nada como uma mudança de formação para dar o famoso “reset” e começar as coisas do zero. O resultado desta proposta está aqui, em um álbum homônimo e que traz com ele uma simples mensagem: estamos de volta! Na temática das letras, toda a tensão sentida pelos membros combinada com a vontade de superação.

“Queensryche” é simplesmente imperdível, principalmente se você é fã dos discos mais antigos da banda. Há passagens que nos remetem ao lado mais acessível de “Empire” e outras que nos fazem lembrar dos momentos mais introspectivos de “Promised Land”. Para contrastar, também há o lado pesado dos álbuns “Operation: Mindcrime” e “Rage For Order”. Conforme você vai repetindo as audições, consegue captar cada vez mais os inúmeros elementos dentro de cada canção. 

E para dar a cartada final, digo a você que não há qualquer música neste álbum que possa ser considerada dispensável. Além disso, a melhor experiência é exatamente na audição do trabalho como um todo. As minhas faixas favoritas são: “Where Dreams Go to Die”, a ótima “In This Light” (que refrão), “Redemption”,”A World Without”, “Don't Look Back”, “Fallout” e a balada “Open Road”. Acabo de perceber que recomendei praticamente tudo...

Sim, eles estão de volta! Vida longa ao Queensryche!

Para resgatar os fãs
4.5
13/09/2018

Brigas e mais brigas começaram a surgir após a recepção negativa diante do lançamento de “Dedicated to Chaos”, álbum que viria a ser o último de Geoff Tate com o Queensryche. Após um sério desentendimento de Geoff com o grupo - fato que foi possível ser notado inclusive na passagem da banda pelo Brasil em 2012 – ocasionado pelo desgaste do seu relacionamento com os demais membros, mas principalmente pela demissão de sua mulher e também de sua enteada de algumas atribuições relacionadas à banda, a situação ficou insustentável, chegando inclusive às vias de fato. A conclusão da história já é de conhecimento de todos: Geoff saiu, montou a sua banda utilizando o mesmo nome e lançou um álbum chamado “Frequency Unknown”, causando mais problemas que só foram resolvidos há pouco tempo atrás, após conversas e mais conversas entre advogados.

Enquanto a briga acontecia, os empresários e o restante do Queensryche rapidamente correram atrás de um substituto. A escolha foi: Todd La Torre, que estava praticamente saindo do seu antigo grupo Crimson Glory. Uma opção estratégica, já que é óbvia a similaridade entre Todd e Tate. Isso é ruim? De maneira nenhuma! O resultado ficou excelente.

O Queensryche sabia também que precisava mudar a sua temática. O caminho para qual a sua música estava evoluindo acabou por afastar mais e mais fãs, deixando o grupo em uma situação preocupante. Para estes casos, nada como uma mudança de formação para dar o famoso “reset” e começar as coisas do zero. O resultado desta proposta está aqui, em um álbum homônimo e que traz com ele uma simples mensagem: estamos de volta! Na temática das letras, toda a tensão sentida pelos membros combinada com a vontade de superação.

“Queensryche” é simplesmente imperdível, principalmente se você é fã dos discos mais antigos da banda. Há passagens que nos remetem ao lado mais acessível de “Empire” e outras que nos fazem lembrar dos momentos mais introspectivos de “Promised Land”. Para contrastar, também há o lado pesado dos álbuns “Operation: Mindcrime” e “Rage For Order”. Conforme você vai repetindo as audições, consegue captar cada vez mais os inúmeros elementos dentro de cada canção. 

E para dar a cartada final, digo a você que não há qualquer música neste álbum que possa ser considerada dispensável. Além disso, a melhor experiência é exatamente na audição do trabalho como um todo. As minhas faixas favoritas são: “Where Dreams Go to Die”, a ótima “In This Light” (que refrão), “Redemption”,”A World Without”, “Don't Look Back”, “Fallout” e a balada “Open Road”. Acabo de perceber que recomendei praticamente tudo...

Sim, eles estão de volta! Vida longa ao Queensryche!

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Queensryche

Album Cover

Queensryche - Rage For Order (1986)

O álbum que reinventou o rock progressivo, hard rock e heavy metal
5
Por: Paulo Sanches
07/01/2018
Album Cover

Queensryche - Operation: Mindcrime (1988)

Primeiro conceitual da história do metal progressivo: revolucionário!
5
Por: Paulo Sanches
22/10/2017
Album Cover

Queensryche - The Warning (1984)

Um Clássico absoluto dos anos 80!
4.5
Por: Márcio Chagas
22/09/2018

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Christopher Lee - Charlemagne: By The Sword And The Cross (2010)

Uma ópera-metal digna e épica!
5
Por: Tarcisio Lucas
05/01/2018
Album Cover

Riverside - Anno Domini High Definition (2009)

Musicalmente técnico, mas também bastante emocional
4.5
Por: Tiago Meneses
01/10/2017
Album Cover

Kamelot - Haven (2015)

Para manter o equilíbrio
4
Por: André Luiz Paiz
21/09/2018