Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Ayreon - The Source (2017)

Por: André Luiz Paiz

Acessos: 86

Compartilhar:

Facebook Twitter Google +
User Photo
Album Cover
Mais um registro fantástico para a carreira de Arjen Anthony Lucassen
5
10/09/2018

Poucos músicos de carreira longa conseguem alcançar o marco de não cometer qualquer deslize. Para mim, Arjen Anthony Lucassen é um deles. O incansável compositor holandês retorna com mais um álbum do seu projeto principal, Ayreon, e mais uma vez supera todas as expectativas.

Arjen não ficou totalmente satisfeito com a reação de alguns fãs a respeito de “The Theory Of Everything”, álbum também lançado dentro do mesmo projeto Ayreon, em 2013. Segundo ele, os fãs esperavam algo mais pesado e não tão complexo. OK, é compreensível, embora eu tenha achado o álbum brilhante. Assim, ficou uma certa pendência a ser sanada em um próximo lançamento, que até então não tinha sido planejado, já que, com base no peso e direcionamento do novo material, tudo se encaminhava para um terceiro álbum do projeto Star One. Conforme as passagens folk e os sintetizadores foram surgindo, aí sim tudo se encaixou e Arjen pôde fazer com o Ayreon o que os fãs estavam tanto querendo.

“The Source” é uma prequela do fantástico álbum “01011001”, lançado em 2008 e que conta uma história interessante sobre uma raça de humanos que vive no planeta “Y” e é dominada pelas máquinas. A história deste novo trabalho aborda os fatos anteriores, fatos que conduziram esta civilização para este destino. Basicamente, uma comunidade que vive no planeta Alpha (galáxia de Andromeda) sofre por problemas políticos e com o efeito estufa. Com isso, o presidente decide entregar controle total para um mainframe resolver o problema. Obviamente, as máquinas decidem que a raça humana deve ser exterminada. Reconhecendo o erro, o presidente se reúne com algumas figuras importantes e juntos chegam à conclusão de que deverão fugir do planeta. Para isso, montarão uma pequena tripulação (incluindo um robô amigável de nome TH-1) a bordo da Starblade, nave que os tirará dali. Quem ficar para trás, morrerá.
A história nos entrega diálogos espetaculares entre os participantes, todos interpretados por grandes nomes em excelentes performances, sem exceção. O desfecho desta aventura vale a pena conferir. Por se tratar de uma prequela, já é possível adiantar que o final não será agradável.

A sonoridade de “The Source” traz a base do projeto Ayreon ao pé da letra. Riffs excelentes de guitarra, acompanhados de teclados e sintetizadores que atravessam os universos de Deep Purple e Rainbow, até Pink Floyd e Jethro Tull. Tudo com as características de sempre: vocalistas de ambos os gêneros dialogando e mostrando o seu talento, atmosferas fantásticas e grandes temas. Álbum duplo com encaixe perfeito, além de uma produção simplesmente espetacular.

Para destacar alguns dos convidados, confira Tobias Sammet cantando metal progressivo, Floor Jansen espetacular como sempre, Russell Allen como “O Presidente“ e a bela voz de Michael Eriksen (Circus Maximus).

Entre sem medo em mais esta aventura de Arjen A. Lucassen. Não se arrependerá em um minuto sequer. Mas, para melhor apreciação, deguste o álbum por completo. Dê o play na magnífica faixa de abertura “The Day That the World Breaks Down“ e encante-se.

Vocalistas:
James LaBrie (Dream Theater) como O Historiador
Tommy Karevik (Kamelot, Seventh Wonder) como O Líder de Oposição
Tommy Rogers (Between the Buried and Me) como O Químico
Simone Simons (Epica) como A Conselheira
Nils K. Rue (Pagan's Mind) como O Profeta
Tobias Sammet (Edguy, Avantasia) como O Capitão
Hansi Kürsch (Blind Guardian) como O Astrônomo
Mike Mills (Toehider) como TH-1
Russell Allen (Symphony X, Adrenaline Mob) como O Presidente
Michael Eriksen (Circus Maximus) como o Diplomata
Floor Jansen (Nightwish, ex-After Forever, ex-ReVamp) como A Bióloga
Zaher Zorgati (Myrath) como O Pregador

Músicos:
Joost van den Broek (ex-After Forever) – piano e piano elétrico
Mark Kelly (Marillion) – solo de teclado analógico em "The Dream Dissolves"
Maaike Peterse (Kingfisher Sky) – violoncelo
Paul Gilbert (Mr. Big, Racer X) – solo de guitarra em "Star of Sirrah"
Guthrie Govan (The Aristocrats, ex-Asia) – solo de guitarra em "Planet Y Is Alive!"
Marcel Coenen (Sun Caged) – solo de guitarra em "The Dream Dissolves"
Ed Warby – bateria
Ben Mathot – violino
Jeroen Goossens (ex-Pater Moeskroen) – flauta, instrumentos de sopros
Arjen Anthony Lucassen – guitarra, violão, baixo, bandolim, sintetizadores, Hammond, ARP String Synthesizer, todos os outros instrumentos

Mais um registro fantástico para a carreira de Arjen Anthony Lucassen
5
10/09/2018

Poucos músicos de carreira longa conseguem alcançar o marco de não cometer qualquer deslize. Para mim, Arjen Anthony Lucassen é um deles. O incansável compositor holandês retorna com mais um álbum do seu projeto principal, Ayreon, e mais uma vez supera todas as expectativas.

Arjen não ficou totalmente satisfeito com a reação de alguns fãs a respeito de “The Theory Of Everything”, álbum também lançado dentro do mesmo projeto Ayreon, em 2013. Segundo ele, os fãs esperavam algo mais pesado e não tão complexo. OK, é compreensível, embora eu tenha achado o álbum brilhante. Assim, ficou uma certa pendência a ser sanada em um próximo lançamento, que até então não tinha sido planejado, já que, com base no peso e direcionamento do novo material, tudo se encaminhava para um terceiro álbum do projeto Star One. Conforme as passagens folk e os sintetizadores foram surgindo, aí sim tudo se encaixou e Arjen pôde fazer com o Ayreon o que os fãs estavam tanto querendo.

“The Source” é uma prequela do fantástico álbum “01011001”, lançado em 2008 e que conta uma história interessante sobre uma raça de humanos que vive no planeta “Y” e é dominada pelas máquinas. A história deste novo trabalho aborda os fatos anteriores, fatos que conduziram esta civilização para este destino. Basicamente, uma comunidade que vive no planeta Alpha (galáxia de Andromeda) sofre por problemas políticos e com o efeito estufa. Com isso, o presidente decide entregar controle total para um mainframe resolver o problema. Obviamente, as máquinas decidem que a raça humana deve ser exterminada. Reconhecendo o erro, o presidente se reúne com algumas figuras importantes e juntos chegam à conclusão de que deverão fugir do planeta. Para isso, montarão uma pequena tripulação (incluindo um robô amigável de nome TH-1) a bordo da Starblade, nave que os tirará dali. Quem ficar para trás, morrerá.
A história nos entrega diálogos espetaculares entre os participantes, todos interpretados por grandes nomes em excelentes performances, sem exceção. O desfecho desta aventura vale a pena conferir. Por se tratar de uma prequela, já é possível adiantar que o final não será agradável.

A sonoridade de “The Source” traz a base do projeto Ayreon ao pé da letra. Riffs excelentes de guitarra, acompanhados de teclados e sintetizadores que atravessam os universos de Deep Purple e Rainbow, até Pink Floyd e Jethro Tull. Tudo com as características de sempre: vocalistas de ambos os gêneros dialogando e mostrando o seu talento, atmosferas fantásticas e grandes temas. Álbum duplo com encaixe perfeito, além de uma produção simplesmente espetacular.

Para destacar alguns dos convidados, confira Tobias Sammet cantando metal progressivo, Floor Jansen espetacular como sempre, Russell Allen como “O Presidente“ e a bela voz de Michael Eriksen (Circus Maximus).

Entre sem medo em mais esta aventura de Arjen A. Lucassen. Não se arrependerá em um minuto sequer. Mas, para melhor apreciação, deguste o álbum por completo. Dê o play na magnífica faixa de abertura “The Day That the World Breaks Down“ e encante-se.

Vocalistas:
James LaBrie (Dream Theater) como O Historiador
Tommy Karevik (Kamelot, Seventh Wonder) como O Líder de Oposição
Tommy Rogers (Between the Buried and Me) como O Químico
Simone Simons (Epica) como A Conselheira
Nils K. Rue (Pagan's Mind) como O Profeta
Tobias Sammet (Edguy, Avantasia) como O Capitão
Hansi Kürsch (Blind Guardian) como O Astrônomo
Mike Mills (Toehider) como TH-1
Russell Allen (Symphony X, Adrenaline Mob) como O Presidente
Michael Eriksen (Circus Maximus) como o Diplomata
Floor Jansen (Nightwish, ex-After Forever, ex-ReVamp) como A Bióloga
Zaher Zorgati (Myrath) como O Pregador

Músicos:
Joost van den Broek (ex-After Forever) – piano e piano elétrico
Mark Kelly (Marillion) – solo de teclado analógico em "The Dream Dissolves"
Maaike Peterse (Kingfisher Sky) – violoncelo
Paul Gilbert (Mr. Big, Racer X) – solo de guitarra em "Star of Sirrah"
Guthrie Govan (The Aristocrats, ex-Asia) – solo de guitarra em "Planet Y Is Alive!"
Marcel Coenen (Sun Caged) – solo de guitarra em "The Dream Dissolves"
Ed Warby – bateria
Ben Mathot – violino
Jeroen Goossens (ex-Pater Moeskroen) – flauta, instrumentos de sopros
Arjen Anthony Lucassen – guitarra, violão, baixo, bandolim, sintetizadores, Hammond, ARP String Synthesizer, todos os outros instrumentos

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Ayreon

Album Cover

Ayreon - The Source (2017)

Mais um capítulo digno e complexo!
5
Por: Tarcisio Lucas
21/06/2018

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Threshold - Legends Of The Shires (2017)

O Threshold segue como um dos gigantes do Metal Progressivo
4.5
Por: André Luiz Paiz
18/06/2018
Album Cover

Dream Theater - Six Degrees Of Inner Turbulence (2001)

Uma sonoridade eclética e extremamente rica.
5
Por: Tiago Meneses
03/10/2017
Album Cover

Dream Theater - Awake (1994)

A melancolia do despertar!
4
Por: Marcio Machado
13/08/2018