Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Titãs - Cabeça Dinossauro (1986)

Por: Marcel Z. Dio

Acessos: 224

Compartilhar:

Facebook Twitter Google +
User Photo
Album Cover
O tiro certeiro que mudou a cara do BRock
5
17/07/2018

Quem ouviu o disco Televisão de 1985, não imaginaria o salto que a banda daria no ano seguinte, era como se o passado fosse apagado com uma varinha de condão. Os resquícios de Pop e New Age foram expurgados, dando lugar a um som mais pesado e sujo, com boas doses de punk. As letras sobre politica e religião também pesaram no renascimento titânico, transformando Cabeça Dinossauro em um divisor de águas do rock brazuca.
Alem disso, o período conturbado com a prisão do vocalista Arnaldo Antunes e do guitarrista Tony Bellotto e a produção do midas Liminha serviram como influência na mudança estética que o grupo tomou. Enfim, eles encontraram o caminho das pedras.


A faixa título é composta por linhas minimalistas de guitarra e uma levada primitiva na percussão.  A mensagem sobre o nome desconexo, não tem muito a dizer, trata-se de uma brincadeira interna dos membros.

"AA UU" continha uma letra que fazia parte da ingenua etapa inicial, na parte instrumental o destaque fica no solo de Tony Belloto e também nos graves com slaps do ruivo Nando Reis.

Aqui a parada fica pesada com "Igreja", a composição do ateu Nando Reis é um protesto ferrenho contra a controversa instituição católica. Dizem que Arnaldo Antunes boicotou a mesma, chegando a sair do palco enquanto Igreja era tocada.
Engraçado que eles apresentaram "Igreja" em programas de TV, isso na recente abertura pós ditadura !! e se analisarmos bem, o efeito seria muito pior nos dias de hoje, com o atual politicamente correto travestido de democracia.


Não bastasse a cacetada com Igreja, a faixa "Policia" também ficou marcada, e toda revolta foi por conta da prisão de Arnaldo Antunes e Tony Belotto por posse de heroína. "Estado Violência" segue a mesma perturbação, só que por caminhos diferentes, o alvo é mais abrangente.

"A Face do Destruidor" tem apenas 38 segundos de insanidade e arroto punk, com o vocal gravado no primeiro take. Enquanto "Porrada" atacava os cargos dos que ganhavam muito e faziam pouco, assim como é hoje.

Focando nos destaques, ainda temos "Bichos Escrotos" ecoando forte na voz de Paulo Miklos, um hit  bem elaborado na guitarra cheia de suingue, ótimos teclados e um solo de baixo com direito a slap e efeitos no pedal wah wah.
Na verdade Bichos Escrotos já era tocada bem antes, lá pelos idos de 82/83 e só teve passaporte garantido com Cabeça Dinossauro, a espera foi acertada, pois encaixou 
perfeitamente na proposta radical do disco.

O Reggae "Família" tocou horrores na época e só prova o quanto os Titãs eram bons em fazer música. Analisando friamente, ele diverge no conjunto da obra, no entanto, esse ecletismo é que faz tudo ter graça.

"Homem Primata" continua atual, e talvez daqui a 30 anos mantenha esse status. Nessa, eles reuniram a rebeldia contra o sistema capitalista e sem perder a "piada" 
cutucaram novamente a religião.  

Na ultima faixa "O Que" temos claramente uma canção de Arnaldo Antunes, pois sua forma de escrever era diferente dos demais, Arnaldo brincava com as palavras, não precisa nem pegar o encarte do disco ou procurar outras fontes para sacar.
O texto musicado de Arnaldo, remetia ao som mais pop / eletrônico, sonoridade explorada em alguns trabalhos posteriores. Uma boa canção para encerrar o disco de forma imprevista.


Cabeça Dinossauro tornou-se clássico instantâneo e dividiu a cena BRock que não era tão ofensiva e direta como forma de protesto (Exceto bandas do underground)  por outro lado,  alguns criticavam o grupo por fazer um punk plastificado. O que realmente importa é que o rock nacional ganhou muito com Cabeça Dinossauro e jamais foi o mesmo.

O tiro certeiro que mudou a cara do BRock
5
17/07/2018

Quem ouviu o disco Televisão de 1985, não imaginaria o salto que a banda daria no ano seguinte, era como se o passado fosse apagado com uma varinha de condão. Os resquícios de Pop e New Age foram expurgados, dando lugar a um som mais pesado e sujo, com boas doses de punk. As letras sobre politica e religião também pesaram no renascimento titânico, transformando Cabeça Dinossauro em um divisor de águas do rock brazuca.
Alem disso, o período conturbado com a prisão do vocalista Arnaldo Antunes e do guitarrista Tony Bellotto e a produção do midas Liminha serviram como influência na mudança estética que o grupo tomou. Enfim, eles encontraram o caminho das pedras.


A faixa título é composta por linhas minimalistas de guitarra e uma levada primitiva na percussão.  A mensagem sobre o nome desconexo, não tem muito a dizer, trata-se de uma brincadeira interna dos membros.

"AA UU" continha uma letra que fazia parte da ingenua etapa inicial, na parte instrumental o destaque fica no solo de Tony Belloto e também nos graves com slaps do ruivo Nando Reis.

Aqui a parada fica pesada com "Igreja", a composição do ateu Nando Reis é um protesto ferrenho contra a controversa instituição católica. Dizem que Arnaldo Antunes boicotou a mesma, chegando a sair do palco enquanto Igreja era tocada.
Engraçado que eles apresentaram "Igreja" em programas de TV, isso na recente abertura pós ditadura !! e se analisarmos bem, o efeito seria muito pior nos dias de hoje, com o atual politicamente correto travestido de democracia.


Não bastasse a cacetada com Igreja, a faixa "Policia" também ficou marcada, e toda revolta foi por conta da prisão de Arnaldo Antunes e Tony Belotto por posse de heroína. "Estado Violência" segue a mesma perturbação, só que por caminhos diferentes, o alvo é mais abrangente.

"A Face do Destruidor" tem apenas 38 segundos de insanidade e arroto punk, com o vocal gravado no primeiro take. Enquanto "Porrada" atacava os cargos dos que ganhavam muito e faziam pouco, assim como é hoje.

Focando nos destaques, ainda temos "Bichos Escrotos" ecoando forte na voz de Paulo Miklos, um hit  bem elaborado na guitarra cheia de suingue, ótimos teclados e um solo de baixo com direito a slap e efeitos no pedal wah wah.
Na verdade Bichos Escrotos já era tocada bem antes, lá pelos idos de 82/83 e só teve passaporte garantido com Cabeça Dinossauro, a espera foi acertada, pois encaixou 
perfeitamente na proposta radical do disco.

O Reggae "Família" tocou horrores na época e só prova o quanto os Titãs eram bons em fazer música. Analisando friamente, ele diverge no conjunto da obra, no entanto, esse ecletismo é que faz tudo ter graça.

"Homem Primata" continua atual, e talvez daqui a 30 anos mantenha esse status. Nessa, eles reuniram a rebeldia contra o sistema capitalista e sem perder a "piada" 
cutucaram novamente a religião.  

Na ultima faixa "O Que" temos claramente uma canção de Arnaldo Antunes, pois sua forma de escrever era diferente dos demais, Arnaldo brincava com as palavras, não precisa nem pegar o encarte do disco ou procurar outras fontes para sacar.
O texto musicado de Arnaldo, remetia ao som mais pop / eletrônico, sonoridade explorada em alguns trabalhos posteriores. Uma boa canção para encerrar o disco de forma imprevista.


Cabeça Dinossauro tornou-se clássico instantâneo e dividiu a cena BRock que não era tão ofensiva e direta como forma de protesto (Exceto bandas do underground)  por outro lado,  alguns criticavam o grupo por fazer um punk plastificado. O que realmente importa é que o rock nacional ganhou muito com Cabeça Dinossauro e jamais foi o mesmo.

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Titãs

Album Cover

Titãs - Domingo (1995)

Começando a despencar ...
2.5
Por: Marcel Z. Dio
30/01/2019
Album Cover

Titãs - Nheengatu (2014)

Nheengatu e a volta dos cinquentões da pesada
3
Por: Roberto Rillo Bíscaro
17/11/2018

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Paul McCartney - Ram (1971)

O grandioso RAM
4.5
Por: André Luiz Paiz
14/09/2017
Album Cover

Rick Springfield - The Snake King (2018)

Tentando superar os obstáculos da vida
4.5
Por: André Luiz Paiz
03/04/2018
Album Cover

Rainbow - Ritchie Blackmore's Rainbow (1975)

Uma obra-prima do hard rock
5
Por: Marcel Z. Dio
30/01/2019