Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Aerosmith - Rocks (1976)

Por: Marcel Z. Dio

Acessos: 201

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
O disco que definiu a carreira do Aerosmith
5
14/07/2018

Numa época de vacas gordas com o sucesso de Toys in the Attic, nasce Rocks - um disco fundamental dos anos setenta, que não conseguiu ser freado nem mesmo pelo excesso exorbitante de drogas que os membros consumiam na época, o preço foi pago alguns anos depois. Nada poderia parar aquele cavalo selvagem chamado Aerosmith, que a essa altura fazia frente aos Rolling Stones como uma boa resposta americana, só que eles não eram uma mera cópia dos ingleses, havia personalidade e alma no som da banda.

Rocks é daqueles discos que descem redondo, tal como a dita cerveja (sim, há controvérsias quanto a cerveja).
O clássico captura o melhor momento dos americanos, ultrapassando até mesmo o anterior e espetacular Toys in the Attic.

"Back In the Saddle" mal começa e os gritos demoníacos e estridentes de Steven Taylor reinam soberano sobre a marcação forte dos graves e riffs, um belo cartão de visitas para marcar território logo de cara.

Com um dedilhado a lá Scorpions, Last Child inicia timidamente para depois subir como lava de vulcão, a progressão hipnótica dos riffs casam perfeitamente com o vocal, num balanço funk viciante. Digo sem medo de errar, que Last Child é a melhor canção dos caras.

"Rats in the Cellar" e "Combination" influenciaram boa parcela do glam rock anos 80, não a parte farofa, e sim a turma mais suja e malvada de bandas como Motley Crue, Ratt e Guns N' Roses, que nunca esconderam sua a admiração pelo grupo.

Em "Sicks as Dog" a voz de Taylor fica mais contida, de fato ela é mais reta em relação as outras, e curiosamente os postos são trocados com Joe Perry assumindo o baixo e Tom Hamilton migrando para a guitarra base.

Ao ouvir o disco New Order do Testament, a trilha que mais me chamou atenção foi "Nobodys Fault", passado uns 2 anos descobri que se tratava de um cover do Aerosmith. Quando ouvi da fonte original, tomei um susto!! nunca ouvirá uma canção tão forte dentro do hard rock, e com os tímpanos ainda pegando fogo, fui imediatamente comprar Rocks !! 

Rocks ainda continha os hardões "Get The Lead Out", "Lick And A Promisse" e a saideira com "Home Tonight" - tipo de balada explorada ao extremo pelo Aerosmith nos anos 90, no entanto sem 1/3 da qualidade de Home Tonight.

Disco obrigatório para qualquer fã de rock.

O disco que definiu a carreira do Aerosmith
5
14/07/2018

Numa época de vacas gordas com o sucesso de Toys in the Attic, nasce Rocks - um disco fundamental dos anos setenta, que não conseguiu ser freado nem mesmo pelo excesso exorbitante de drogas que os membros consumiam na época, o preço foi pago alguns anos depois. Nada poderia parar aquele cavalo selvagem chamado Aerosmith, que a essa altura fazia frente aos Rolling Stones como uma boa resposta americana, só que eles não eram uma mera cópia dos ingleses, havia personalidade e alma no som da banda.

Rocks é daqueles discos que descem redondo, tal como a dita cerveja (sim, há controvérsias quanto a cerveja).
O clássico captura o melhor momento dos americanos, ultrapassando até mesmo o anterior e espetacular Toys in the Attic.

"Back In the Saddle" mal começa e os gritos demoníacos e estridentes de Steven Taylor reinam soberano sobre a marcação forte dos graves e riffs, um belo cartão de visitas para marcar território logo de cara.

Com um dedilhado a lá Scorpions, Last Child inicia timidamente para depois subir como lava de vulcão, a progressão hipnótica dos riffs casam perfeitamente com o vocal, num balanço funk viciante. Digo sem medo de errar, que Last Child é a melhor canção dos caras.

"Rats in the Cellar" e "Combination" influenciaram boa parcela do glam rock anos 80, não a parte farofa, e sim a turma mais suja e malvada de bandas como Motley Crue, Ratt e Guns N' Roses, que nunca esconderam sua a admiração pelo grupo.

Em "Sicks as Dog" a voz de Taylor fica mais contida, de fato ela é mais reta em relação as outras, e curiosamente os postos são trocados com Joe Perry assumindo o baixo e Tom Hamilton migrando para a guitarra base.

Ao ouvir o disco New Order do Testament, a trilha que mais me chamou atenção foi "Nobodys Fault", passado uns 2 anos descobri que se tratava de um cover do Aerosmith. Quando ouvi da fonte original, tomei um susto!! nunca ouvirá uma canção tão forte dentro do hard rock, e com os tímpanos ainda pegando fogo, fui imediatamente comprar Rocks !! 

Rocks ainda continha os hardões "Get The Lead Out", "Lick And A Promisse" e a saideira com "Home Tonight" - tipo de balada explorada ao extremo pelo Aerosmith nos anos 90, no entanto sem 1/3 da qualidade de Home Tonight.

Disco obrigatório para qualquer fã de rock.

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Aerosmith

Album Cover

Aerosmith - Toys In The Attic (1975)

Brinquedos perigosos!
3
Por: Vitor Sobreira
03/10/2018

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Titãs - Domingo (1995)

Começando a despencar ...
2.5
Por: Marcel Z. Dio
30/01/2019
Album Cover

Paul McCartney - McCartney II (1980)

Paul se aventurando em McCartney II
3.5
Por: André Luiz Paiz
01/02/2018
Album Cover

Tony Banks - Still (1992)

Tony Banks ainda procurando sua identidade fora do Genesis
3
Por: André Luiz Paiz
25/09/2017