Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Marvin Gaye - What's Going On (1971)

Por: Márcio Chagas

Acessos: 328

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
O disco que redefiniu os rumos da música negra americana
5
11/07/2018

Sgt. Peppers do soul, essencial, fenomenal, clássico, bíblia da soul music, esses são apenas alguns dos adjetivos proferidos quando resolvem descrever sobre a importância de “what´s Going On”, lançado por Marvin Gaye em 1971. 

Marvin além de ser  um dos grandes cantores da Montown, famoso selo de soul dos anos 60 e 70, era também um prolifico compositor, sempre contribuindo com canções de sua autoria  para álbuns lançados pelo selo.   
Todo o problema social e racial vivido pelos EUA no final dos anos 60, aliado a guerra do Vietnã e as mudanças sociais ocorridas em seu país tiveram um profundo impacto na vida e carreira do cantor, que começou a repensar fortemente seu papel no mundo da música. Essa profunda reflexão atingiu seu ponto alto com a morte de sua parceira musical Tammi Terrel em 1970. Tal fato deixou o cantor fortemente abalado e depressivo, se tornando recluso por todo aquele ano.
Apesar da tragédia sofrida, tal reclusão foi benéfica para Gaye, que solitário, começou a fazer o que sabia melhor: compor canções! Porém, o cantor começou a trabalhar sob uma ótica diferente das anteriores, tanto nas letras, que tratavam da guerra do Vietnã, da segregação racial e da agruras da nova sociedade mundial, quanto nos arranjos incluindo elementos de jazz, musica clássica , blues e até pitadas de música pop. 

O disco abre com a faixa título, onde o cantor questiona o panorama da sociedade americana da época, se perguntando afinal : “o que está acontecendo?”. Tal questionamento reflete bem o que o cantor sentia naquela época. O sax utilizado na introdução e os coros usados ao fundo juntamente com percussões bem utilizadas já demonstravam que o disco seria harmonicamente superior a tudo já feito até então pelo cantor, que fazia um contraponto de vozes, roa cantando com sua voz aveludada, ora com um falsete incrível.
A curta “What´s Happening Brother” é um sequencia da canção anterior, tanto nos arranjos similares, como na inquietação do artista com a guerra que matava milhares de americanos
“flying Hight in the Friendly Sky”  com sua letra lamentando sobre destruição provocada pelos aviões na guerra é  lenta e soturna para um soul. Aqui há uma orquestra de cordas acompanhando Gaye por toda a canção, 
A sequência vem com “Save the Children”, uma canção calcada na percussão, com uma letra perturbadora, chamando o ouvinte para a realidade da época, com frases como “Quem realmente importa, para salvar o mundo em desespero?” vale destacar o bom trabalho de vocais feitos por Gaye, até então inéditos no estilo e o sax jazzístico  bem colocado de Wild Bill moore.]
“God is Love” vem colado na canção anterior e é praticamente uma continuação, com a mesma vibração, percussões exacerbadas. A canção de pouco mais de um minuto, erve de preludio para “Mercy, Mercy, Me”, canção que faz um apelo pela natureza e ecologia, revelenado ao mundo as preocupações do cantor com o meio ambiente ainda nos anos 70. 
Abrindo o lado B do antigo vinil temos “Right  On”, a maior canção do álbum com seus mais de 7 minutos. O tema é calcado no piano de Gaye  e nas flautas onipresentes de Dayna Hardwick, William Perich . talvez seja a música mais otimista do disco, onde o cantor profetiza que, apesar de da desigualdade dos problemas, tudo vai ficar bem, as mudanças de andamento e os solos fazem do tema o mais complexo do ponto de vista harmônico;
“Wholy Holy” tem ares de gospel, é lenta, densa, com belo acompanhamento de orquestra, e sua letra quase evangélica. Um momento de reflexão;
Encerrando o petardo temos “Inner City Blues (Make Me Wanna Holler)”, minha favorita do álbum. Como titulo indica, é um blues, mas encharcado de soul, com Marvin cantando em falsete uma letra que fala sobre a América capitalista e os gastos desenfreados.  Seu andamento midi tempo marcado pelo baixo encorpado Bob Babbitt, se alinham em harmonia com os vocais em scat que predominam a canção. Um encerramento em grande estilo.

“What´s Going On” foi lançado  em maio de 1971 e foi tão revolucionário para os anos 70 quando foi “Thriller” de Michael Jackson para os anos 80.  Três das nove faixas  atingiram o top 10 da pop Hits e da Billboard, uma fato impensável para a época em se tratando de musica negra e marginalizada. Vendeu nada menos que três milhões de cópias e sua abrangência vai além da soul music, com vários cantores de rock, blues e jazz reverenciado o trabalho. Um verdadeiro clássico da música.

O disco que redefiniu os rumos da música negra americana
5
11/07/2018

Sgt. Peppers do soul, essencial, fenomenal, clássico, bíblia da soul music, esses são apenas alguns dos adjetivos proferidos quando resolvem descrever sobre a importância de “what´s Going On”, lançado por Marvin Gaye em 1971. 

Marvin além de ser  um dos grandes cantores da Montown, famoso selo de soul dos anos 60 e 70, era também um prolifico compositor, sempre contribuindo com canções de sua autoria  para álbuns lançados pelo selo.   
Todo o problema social e racial vivido pelos EUA no final dos anos 60, aliado a guerra do Vietnã e as mudanças sociais ocorridas em seu país tiveram um profundo impacto na vida e carreira do cantor, que começou a repensar fortemente seu papel no mundo da música. Essa profunda reflexão atingiu seu ponto alto com a morte de sua parceira musical Tammi Terrel em 1970. Tal fato deixou o cantor fortemente abalado e depressivo, se tornando recluso por todo aquele ano.
Apesar da tragédia sofrida, tal reclusão foi benéfica para Gaye, que solitário, começou a fazer o que sabia melhor: compor canções! Porém, o cantor começou a trabalhar sob uma ótica diferente das anteriores, tanto nas letras, que tratavam da guerra do Vietnã, da segregação racial e da agruras da nova sociedade mundial, quanto nos arranjos incluindo elementos de jazz, musica clássica , blues e até pitadas de música pop. 

O disco abre com a faixa título, onde o cantor questiona o panorama da sociedade americana da época, se perguntando afinal : “o que está acontecendo?”. Tal questionamento reflete bem o que o cantor sentia naquela época. O sax utilizado na introdução e os coros usados ao fundo juntamente com percussões bem utilizadas já demonstravam que o disco seria harmonicamente superior a tudo já feito até então pelo cantor, que fazia um contraponto de vozes, roa cantando com sua voz aveludada, ora com um falsete incrível.
A curta “What´s Happening Brother” é um sequencia da canção anterior, tanto nos arranjos similares, como na inquietação do artista com a guerra que matava milhares de americanos
“flying Hight in the Friendly Sky”  com sua letra lamentando sobre destruição provocada pelos aviões na guerra é  lenta e soturna para um soul. Aqui há uma orquestra de cordas acompanhando Gaye por toda a canção, 
A sequência vem com “Save the Children”, uma canção calcada na percussão, com uma letra perturbadora, chamando o ouvinte para a realidade da época, com frases como “Quem realmente importa, para salvar o mundo em desespero?” vale destacar o bom trabalho de vocais feitos por Gaye, até então inéditos no estilo e o sax jazzístico  bem colocado de Wild Bill moore.]
“God is Love” vem colado na canção anterior e é praticamente uma continuação, com a mesma vibração, percussões exacerbadas. A canção de pouco mais de um minuto, erve de preludio para “Mercy, Mercy, Me”, canção que faz um apelo pela natureza e ecologia, revelenado ao mundo as preocupações do cantor com o meio ambiente ainda nos anos 70. 
Abrindo o lado B do antigo vinil temos “Right  On”, a maior canção do álbum com seus mais de 7 minutos. O tema é calcado no piano de Gaye  e nas flautas onipresentes de Dayna Hardwick, William Perich . talvez seja a música mais otimista do disco, onde o cantor profetiza que, apesar de da desigualdade dos problemas, tudo vai ficar bem, as mudanças de andamento e os solos fazem do tema o mais complexo do ponto de vista harmônico;
“Wholy Holy” tem ares de gospel, é lenta, densa, com belo acompanhamento de orquestra, e sua letra quase evangélica. Um momento de reflexão;
Encerrando o petardo temos “Inner City Blues (Make Me Wanna Holler)”, minha favorita do álbum. Como titulo indica, é um blues, mas encharcado de soul, com Marvin cantando em falsete uma letra que fala sobre a América capitalista e os gastos desenfreados.  Seu andamento midi tempo marcado pelo baixo encorpado Bob Babbitt, se alinham em harmonia com os vocais em scat que predominam a canção. Um encerramento em grande estilo.

“What´s Going On” foi lançado  em maio de 1971 e foi tão revolucionário para os anos 70 quando foi “Thriller” de Michael Jackson para os anos 80.  Três das nove faixas  atingiram o top 10 da pop Hits e da Billboard, uma fato impensável para a época em se tratando de musica negra e marginalizada. Vendeu nada menos que três milhões de cópias e sua abrangência vai além da soul music, com vários cantores de rock, blues e jazz reverenciado o trabalho. Um verdadeiro clássico da música.

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Tamar Braxton - Bluebird of Happiness (2017)

Será mesmo o último?
2.5
Por: Roberto Rillo Bíscaro
24/12/2018
Album Cover

Di Melo - Di Melo (1975)

O resgate de um fóssil do funk/soul brazuca
5
Por: Marcel Z. Dio
10/09/2018
Album Cover

Lisa Stansfield - Seven (2014)

Nada de disfarçar rugas musicais
3.5
Por: Roberto Rillo Bíscaro
25/09/2017