Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Black Sabbath - 13 (2013)

Por: Marcel Z. Dio

Acessos: 340

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
E a longa espera valeu a pena ...
4
09/07/2018

A obra mais esperada do heavy metal, causou um frenesi nos fãs e alavancou altas vendas.
Toda a ansiedade não veio pelo nome Black Sabbath, e sim pelo retorno de Ozzy Osbourne, após o hiato de 34 anos com o conturbado Never Say Die. Nesse meio tempo, duas faixas inéditas feitas para o live Reunion (1998) mataram parcialmente a vontade dos fãs, ainda era pouco e os discípulos sabbathicos exigiam um disco completo de inéditas.
Desejo realizado em 10 de junho de 2013.

Na primeira reunião com os membros, o produtor Rick Rubin pegou os primeiros discos e jogou na mesa, propondo que a banda voltasse as origens mais obscuras, preferencialmente em seu primeiro registro de 1970.
Para tudo ficar perfeito, faltava Bill Ward no projeto, e por questões até hoje mal esclarecidas de ambas as partes, quem ocupou ocupou a vaga foi Brad Wilk (Rage Against the Machine e ex-Audioslave)

End Beggining é uma releitura moderna da canção Black Sabbath, os moldes são exatamente os mesmos, riff similar, linha vocal arrastado, viradas curtas e cadenciadas na bateria, mudança drástica no andamento da segunda parte, alem de ser outra canção de abertura.

A marcante e soturna God Is Dead? pode parecer repetitiva nos dedilhados de Tony Iommy, pois até os cinco minutos intercala somente entre a primeira parte e o refrão. Passado a mesmice inicial, ela começa a fluir de forma variada sobre os riffs que o guitarrista tira da cartola.
A alma blues do primeiro álbum voltou com força, mas não se trata de resgate forçado, rolando perfeitamente como uma boa jam session.

Loner tem similaridade com NIB, apesar das linhas vocais não seguirem a melodia dos instrumentos.

Em Zeitgeist a percussão esta de volta, assim como o solo acústico com as "límpidas" frases de blues / jazz e as vozes carregadas de efeitos, assim como a irmã mais velha, conhecida como Planet Caravan.
A letra é sobre o sinal dos tempos, como se alguém narrasse a tragédia anunciada em um plano maior, lá do alto ...

Após Zeitgeist, voltamos a normalidade com Age of Reason - essa, construída com o peso absurdo dos graves e a participação perfeita de Brad Wilk - aniquilando tudo com viradas e levadas cheias de contratempos na intrincada parte do segundo refrão.

Live Forever é outro ponto forte em 13. Cheguei a tocar sua linha de contrabaixo em uma banda (nada muito profissional). O curioso é que o andamento engana bem, a tendencia é que a bateria adiante sobre o tempo, oscilando e levando por tabela o resto dos instrumentos.

Damage Soul é puro blues setentista, oriundo das centenas de bandas hard blues/psicodélico nascidas junto com o Sabbath, o diferencial se encontra no timbre único e cavernoso do Madman.

Uma certa dose de impaciência pega em Dear Father, não por ser ruim e sim pela similaridade com outras faixas e a longa e desnecessária duração. Se fechasse com 5 minutos, estaria de bom tamanho. 
Nos segundos finais temos a introdução da sinistra Black Sabbath, com direito a barulho de chuvas, sinos e trovões, dando a entender que o ciclo dos criadores do heavy Metal foi fechado.

As faixas bônus de 13 estão quase no mesmo patamar das titulares e saíram em uma edição especial, mas não entrarei no assunto, digamos a grosso modo, que o melhor está aqui mesmo.
A contestada produção de Rick Rubin não compromete tanto como dizem, conseguindo o mais importante: fazer os caras voltarem as origens. E isso foi bom para todos, inclusive a Rick, no caso, obrigado a sair do piloto automático e pôr a mão na massa. Nos últimos anos o produtor usava somente o nome e esquecia o resto.

Gostem ou não, toda a essência dos primórdios foi captada em 13.
E sem deixar a modernidade para escanteio, uma combinação entre o passado e o futuro, na dose exata.

E a longa espera valeu a pena ...
4
09/07/2018

A obra mais esperada do heavy metal, causou um frenesi nos fãs e alavancou altas vendas.
Toda a ansiedade não veio pelo nome Black Sabbath, e sim pelo retorno de Ozzy Osbourne, após o hiato de 34 anos com o conturbado Never Say Die. Nesse meio tempo, duas faixas inéditas feitas para o live Reunion (1998) mataram parcialmente a vontade dos fãs, ainda era pouco e os discípulos sabbathicos exigiam um disco completo de inéditas.
Desejo realizado em 10 de junho de 2013.

Na primeira reunião com os membros, o produtor Rick Rubin pegou os primeiros discos e jogou na mesa, propondo que a banda voltasse as origens mais obscuras, preferencialmente em seu primeiro registro de 1970.
Para tudo ficar perfeito, faltava Bill Ward no projeto, e por questões até hoje mal esclarecidas de ambas as partes, quem ocupou ocupou a vaga foi Brad Wilk (Rage Against the Machine e ex-Audioslave)

End Beggining é uma releitura moderna da canção Black Sabbath, os moldes são exatamente os mesmos, riff similar, linha vocal arrastado, viradas curtas e cadenciadas na bateria, mudança drástica no andamento da segunda parte, alem de ser outra canção de abertura.

A marcante e soturna God Is Dead? pode parecer repetitiva nos dedilhados de Tony Iommy, pois até os cinco minutos intercala somente entre a primeira parte e o refrão. Passado a mesmice inicial, ela começa a fluir de forma variada sobre os riffs que o guitarrista tira da cartola.
A alma blues do primeiro álbum voltou com força, mas não se trata de resgate forçado, rolando perfeitamente como uma boa jam session.

Loner tem similaridade com NIB, apesar das linhas vocais não seguirem a melodia dos instrumentos.

Em Zeitgeist a percussão esta de volta, assim como o solo acústico com as "límpidas" frases de blues / jazz e as vozes carregadas de efeitos, assim como a irmã mais velha, conhecida como Planet Caravan.
A letra é sobre o sinal dos tempos, como se alguém narrasse a tragédia anunciada em um plano maior, lá do alto ...

Após Zeitgeist, voltamos a normalidade com Age of Reason - essa, construída com o peso absurdo dos graves e a participação perfeita de Brad Wilk - aniquilando tudo com viradas e levadas cheias de contratempos na intrincada parte do segundo refrão.

Live Forever é outro ponto forte em 13. Cheguei a tocar sua linha de contrabaixo em uma banda (nada muito profissional). O curioso é que o andamento engana bem, a tendencia é que a bateria adiante sobre o tempo, oscilando e levando por tabela o resto dos instrumentos.

Damage Soul é puro blues setentista, oriundo das centenas de bandas hard blues/psicodélico nascidas junto com o Sabbath, o diferencial se encontra no timbre único e cavernoso do Madman.

Uma certa dose de impaciência pega em Dear Father, não por ser ruim e sim pela similaridade com outras faixas e a longa e desnecessária duração. Se fechasse com 5 minutos, estaria de bom tamanho. 
Nos segundos finais temos a introdução da sinistra Black Sabbath, com direito a barulho de chuvas, sinos e trovões, dando a entender que o ciclo dos criadores do heavy Metal foi fechado.

As faixas bônus de 13 estão quase no mesmo patamar das titulares e saíram em uma edição especial, mas não entrarei no assunto, digamos a grosso modo, que o melhor está aqui mesmo.
A contestada produção de Rick Rubin não compromete tanto como dizem, conseguindo o mais importante: fazer os caras voltarem as origens. E isso foi bom para todos, inclusive a Rick, no caso, obrigado a sair do piloto automático e pôr a mão na massa. Nos últimos anos o produtor usava somente o nome e esquecia o resto.

Gostem ou não, toda a essência dos primórdios foi captada em 13.
E sem deixar a modernidade para escanteio, uma combinação entre o passado e o futuro, na dose exata.

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Black Sabbath

Album Cover

Black Sabbath - Paranoid (1970)

O primeiro clássico do Black Sabbath
5
Por: André Luiz Paiz
22/08/2017
Album Cover

Black Sabbath - Technical Ecstasy (1976)

Quebrando a sequência clássica...
4
Por: Marcel Z. Dio
29/05/2018
Album Cover

Black Sabbath - Tyr (1990)

Subestimado!?
5
Por: Vitor Sobreira
16/10/2017

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Axel Rudi Pell - Nasty Reputation (1991)

O único com Rob Rock
4
Por: André Luiz Paiz
11/01/2019
Album Cover

Axel Rudi Pell - Eternal Prisoner (1992)

O primeiro com Jeff Scott Soto
4
Por: André Luiz Paiz
24/01/2019
Album Cover

Tristania - Widow's Weeds (1998)

Uma estréia sombria!
5
Por: Tarcisio Lucas
14/10/2018