Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Rush - Hemispheres (1978)

Por: Tiago Meneses

Acessos: 248

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
Uma obra-prima perfeitamente equilibrada.
5
24/05/2018

Embora eu deva confessar que o épico de abertura não seja exatamente perfeito como de outros discos da banda, é completamente impossível não classificar um álbum deste como um clássico absoluto. Qualquer menção menor que essa eu iria sentir que estaria cometendo uma heresia. Hemispheres representa o trio canadense no auge da sua complexidade e ápice do seu período mais progressivo. A sonoridade encontrada em todo o álbum é bastante profunda, densa, forte e clara, além de uma execução perfeita dos três músicos. Neste período um dos trunfos da banda estava sendo a adição de teclados em suas músicas, onde Lee construía uma grande variedade de atmosferas através dos sintetizadores típicos da época. 

O disco começa através da faixa “Cygnus X-1 Book II”. Uma faixa excelente e que completa a narrativa iniciada no disco anterior (A Farewell do Kings). Começa com um prelúdio atmosférico que logo se transforma em um rock bastante encorpado. Como eu disse mais acima, este não é um épico exatamente perfeito por um motivo, às vezes ele não parece ser bastante diversificado, algumas partes tendem a aparecer mais do que o necessário. Porém isso não é o suficiente pra que seja tirada a sua excelência, qualidades não lhe faltam, a bateria de Peart nesta música, por exemplo, provavelmente seja uma das mais criativas da sua carreira, passagens de guitarras muito bem desenvolvidas e linhas de baixo como sempre nítidas e quase hipnotizantes. Um clássico do rock progressivo. 

“Circumstances” é uma daquelas músicas que é excelente, mas que por algum motivo parece bastante esquecida. As notas atingidas por Lee aqui podem soar irritantes para os que não se dão muito bem com a sua voz, mas para os que gostam, elas soam no limite. As linhas de baixo é um dos maiores valores que a música tem, mas a bateria e guitarra também contribui com muita avidez cada canto da canção que lhes são atribuídas à função. Sempre gosto de destacar também a parte instrumental quando a banda cai pra uma sonoridade mais serena e de bela atmosfera liderada por teclados. 

Genial tanto instrumentalmente quanto liricamente, não existe uma maneira melhor pra definir “The Trees”. Tudo dentro dela está colocado de maneira perfeita, a atmosfera criada, a musicalidade, as letras são colocadas de uma forma metafórica (por isso não colocarei minha visão, pois é apenas mais uma e cada um pode ter a sua), com isso, acaba que a quantidade com que as pessoas possam interpretá-la também venha a variar bastante, incluindo algumas chegando a achar (neste caso, de maneira errônea) que se trata de uma música racista. Riffs de guitarra incríveis, linhas de baixo maravilhosas e uma delícia de bateria. Mais um momento sensacional do disco onde tudo segue normalmente. 

“La Villa Strangiato” foi por muitos anos a minha música instrumental preferida dentro do rock. O que mudou hoje em relação a isso? Que ela não está isoladamente no posto, mas se eu faço uma lista do tipo, ela segue sendo um dos nomes que figuraria em primeiro do mesmo jeito. Sua maior parte foi feita baseada em um sonho que Lifeson teve e que de alguma forma se transformou em um épico instrumental. Os riffs de guitarra são bastante criativos, assim como as surpreendentes e interessantes linhas de baixo. A bateria na seção denominada “Monsters” é bastante jazzística. A maneira como esta musica flui e se desenvolve pode ser usado como conceito de perfeição. Já se vão cerca de duas décadas depois de ouvi-la pela primeira vez e eu ainda não aprendi a não me arrepiar durante o processo em que a estou ouvindo.  

Um disco de menos de quarenta minutos onde muito é subtraído em cada uma de suas novas audições. Apesar de ter aparecido em um momento perigoso para quem fazia rock progressivo, conseguiram figurar no Top 100 das paradas americanas ocupando a posição de número 47. Rush é uma banda que estava optando em se manter sempre em um processo de aprendizagem ao invés de ser um produto pré-fabricado e acabado. Está inquietação do trio fez com que eles se mantivessem originais, influentes e relevantes em uma época que a cena progressiva cambaleava. Uma obra-prima perfeitamente equilibrada. 

Uma obra-prima perfeitamente equilibrada.
5
24/05/2018

Embora eu deva confessar que o épico de abertura não seja exatamente perfeito como de outros discos da banda, é completamente impossível não classificar um álbum deste como um clássico absoluto. Qualquer menção menor que essa eu iria sentir que estaria cometendo uma heresia. Hemispheres representa o trio canadense no auge da sua complexidade e ápice do seu período mais progressivo. A sonoridade encontrada em todo o álbum é bastante profunda, densa, forte e clara, além de uma execução perfeita dos três músicos. Neste período um dos trunfos da banda estava sendo a adição de teclados em suas músicas, onde Lee construía uma grande variedade de atmosferas através dos sintetizadores típicos da época. 

O disco começa através da faixa “Cygnus X-1 Book II”. Uma faixa excelente e que completa a narrativa iniciada no disco anterior (A Farewell do Kings). Começa com um prelúdio atmosférico que logo se transforma em um rock bastante encorpado. Como eu disse mais acima, este não é um épico exatamente perfeito por um motivo, às vezes ele não parece ser bastante diversificado, algumas partes tendem a aparecer mais do que o necessário. Porém isso não é o suficiente pra que seja tirada a sua excelência, qualidades não lhe faltam, a bateria de Peart nesta música, por exemplo, provavelmente seja uma das mais criativas da sua carreira, passagens de guitarras muito bem desenvolvidas e linhas de baixo como sempre nítidas e quase hipnotizantes. Um clássico do rock progressivo. 

“Circumstances” é uma daquelas músicas que é excelente, mas que por algum motivo parece bastante esquecida. As notas atingidas por Lee aqui podem soar irritantes para os que não se dão muito bem com a sua voz, mas para os que gostam, elas soam no limite. As linhas de baixo é um dos maiores valores que a música tem, mas a bateria e guitarra também contribui com muita avidez cada canto da canção que lhes são atribuídas à função. Sempre gosto de destacar também a parte instrumental quando a banda cai pra uma sonoridade mais serena e de bela atmosfera liderada por teclados. 

Genial tanto instrumentalmente quanto liricamente, não existe uma maneira melhor pra definir “The Trees”. Tudo dentro dela está colocado de maneira perfeita, a atmosfera criada, a musicalidade, as letras são colocadas de uma forma metafórica (por isso não colocarei minha visão, pois é apenas mais uma e cada um pode ter a sua), com isso, acaba que a quantidade com que as pessoas possam interpretá-la também venha a variar bastante, incluindo algumas chegando a achar (neste caso, de maneira errônea) que se trata de uma música racista. Riffs de guitarra incríveis, linhas de baixo maravilhosas e uma delícia de bateria. Mais um momento sensacional do disco onde tudo segue normalmente. 

“La Villa Strangiato” foi por muitos anos a minha música instrumental preferida dentro do rock. O que mudou hoje em relação a isso? Que ela não está isoladamente no posto, mas se eu faço uma lista do tipo, ela segue sendo um dos nomes que figuraria em primeiro do mesmo jeito. Sua maior parte foi feita baseada em um sonho que Lifeson teve e que de alguma forma se transformou em um épico instrumental. Os riffs de guitarra são bastante criativos, assim como as surpreendentes e interessantes linhas de baixo. A bateria na seção denominada “Monsters” é bastante jazzística. A maneira como esta musica flui e se desenvolve pode ser usado como conceito de perfeição. Já se vão cerca de duas décadas depois de ouvi-la pela primeira vez e eu ainda não aprendi a não me arrepiar durante o processo em que a estou ouvindo.  

Um disco de menos de quarenta minutos onde muito é subtraído em cada uma de suas novas audições. Apesar de ter aparecido em um momento perigoso para quem fazia rock progressivo, conseguiram figurar no Top 100 das paradas americanas ocupando a posição de número 47. Rush é uma banda que estava optando em se manter sempre em um processo de aprendizagem ao invés de ser um produto pré-fabricado e acabado. Está inquietação do trio fez com que eles se mantivessem originais, influentes e relevantes em uma época que a cena progressiva cambaleava. Uma obra-prima perfeitamente equilibrada. 

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Rush

Album Cover

Rush - Vapor Trails (2002)

O renascimento de Neil Peart
3
Por: Marcel Z. Dio
03/10/2018
Album Cover

Rush - Grace Under Pressure (1984)

Nada além de um bom álbum
3
Por: Tiago Meneses
16/11/2018
Album Cover

Rush - Permanent Waves (1980)

O Rush em um testemunho de sua tenacidade
4
Por: Tiago Meneses
31/01/2019

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Porcupine Tree - Deadwing (2005)

Muitos belos elementos e lindas atmosferas.
4.5
Por: Tiago Meneses
01/10/2017
Album Cover

Discipline - Unfolded Like Staircase (1997)

Um dos mais avançados e inovadores discos de rock progressivo dos anos 90
5
Por: Tiago Meneses
07/11/2018
Album Cover

Yes - The Ladder (1999)

The Ladder explora vários tipos de música, mas muitas vezes de maneira confusa.
2.5
Por: Tiago Meneses
17/11/2017