Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Yes - 90125 (1983)

Por: Marcel Z. Dio

Acessos: 353

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
A obra que reciclou o Yes
4.5
26/03/2018

Com a dissolução do Yes, após o excelente Drama (1980) Chris Squire buscou novos caminhos ao trabalhar com o guitarrista Trevor Rabin na criação da banda Cinema, alem de recrutar o veterano Tony Kaye para os teclados.
Com tudo certo e as bases gravadas, eis que o velho amigo Jon Anderson aparece no estúdio e gosta das gravações, convencendo Squire a gravar sob o antigo nome.
Em 1983 para choque dos puristas do rock progressivo, 90125 é lançado, tornando-se um sucesso mundial.
O nome esquisito do álbum, nada mais é que o numero do lançamento no catálogo da Atlantic. Quem possui o disco pode matar a curiosidade e conferir a numeração.

O som foi totalmente reformulado com uma pegada pop/prog, não havia sentido para faixas de 10 ou 15 minutos em pleno anos oitenta.
A complexidade acabou dando espaço a uma base simples, com  ênfase na guitarra, novidade que deu a luz a "Owner of a Lonely Heart", um clássico instantâneo e também o maior sucesso comercial do Yes.  A marcante linha de baixo foi criada por Trevor Rabin, assim como outras de 90125.

"Hold On" é um ótimo hard rock na linha AOR, com bons licks de guitarra.
"It Can Happen" tem sua introdução influenciada pela música oriental, com as guitarras sintetizadas emulando o som de cítara, encontrando seu caminho no pop novamente.

A quebradeira inicial de "Changes" engana, é uma questão de analisar os tempos do riff (pois são apenas 4 notas) não é tão complicado quanto parece, o segredo esta no tempo.
A parte principal é cantada por Trevor  e no refrão apoiada por Jon Anderson. 

Na instrumental e progressiva "Cinema", o baixo pesado e cheio de efeitos, retoma os bons tempos. Chris Squire deixou o Rickenbacker de lado e investiu num Tobias Verde de 5 cordas. 

As modulações e brincadeiras vocais, são marcas registradas no Yes, via de regra funcionando como instrumento. E na maravilhosa "Leave It"  a suave interação vocal em conjunto com os teclados na parte do refrão, dão um sabor especial a canção.
"Our Song" é a cara dessa fase compacta, com Trevor Rabin dando um frescor mais rocker ao grupo. Enquanto "City of Love"   surpreende pelo peso.

A tônica da balada "Hearts" são os teclados e a bateria. Tony Kaye nem de longe possui a bagagem e a técnica de um Rick Wackeman, entretanto fez um ótimo trabalho, emulando vários timbres em "Hearts", encerrando bem essa nova etapa do Yes.

A obra que reciclou o Yes
4.5
26/03/2018

Com a dissolução do Yes, após o excelente Drama (1980) Chris Squire buscou novos caminhos ao trabalhar com o guitarrista Trevor Rabin na criação da banda Cinema, alem de recrutar o veterano Tony Kaye para os teclados.
Com tudo certo e as bases gravadas, eis que o velho amigo Jon Anderson aparece no estúdio e gosta das gravações, convencendo Squire a gravar sob o antigo nome.
Em 1983 para choque dos puristas do rock progressivo, 90125 é lançado, tornando-se um sucesso mundial.
O nome esquisito do álbum, nada mais é que o numero do lançamento no catálogo da Atlantic. Quem possui o disco pode matar a curiosidade e conferir a numeração.

O som foi totalmente reformulado com uma pegada pop/prog, não havia sentido para faixas de 10 ou 15 minutos em pleno anos oitenta.
A complexidade acabou dando espaço a uma base simples, com  ênfase na guitarra, novidade que deu a luz a "Owner of a Lonely Heart", um clássico instantâneo e também o maior sucesso comercial do Yes.  A marcante linha de baixo foi criada por Trevor Rabin, assim como outras de 90125.

"Hold On" é um ótimo hard rock na linha AOR, com bons licks de guitarra.
"It Can Happen" tem sua introdução influenciada pela música oriental, com as guitarras sintetizadas emulando o som de cítara, encontrando seu caminho no pop novamente.

A quebradeira inicial de "Changes" engana, é uma questão de analisar os tempos do riff (pois são apenas 4 notas) não é tão complicado quanto parece, o segredo esta no tempo.
A parte principal é cantada por Trevor  e no refrão apoiada por Jon Anderson. 

Na instrumental e progressiva "Cinema", o baixo pesado e cheio de efeitos, retoma os bons tempos. Chris Squire deixou o Rickenbacker de lado e investiu num Tobias Verde de 5 cordas. 

As modulações e brincadeiras vocais, são marcas registradas no Yes, via de regra funcionando como instrumento. E na maravilhosa "Leave It"  a suave interação vocal em conjunto com os teclados na parte do refrão, dão um sabor especial a canção.
"Our Song" é a cara dessa fase compacta, com Trevor Rabin dando um frescor mais rocker ao grupo. Enquanto "City of Love"   surpreende pelo peso.

A tônica da balada "Hearts" são os teclados e a bateria. Tony Kaye nem de longe possui a bagagem e a técnica de um Rick Wackeman, entretanto fez um ótimo trabalho, emulando vários timbres em "Hearts", encerrando bem essa nova etapa do Yes.

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Yes

Album Cover

Yes - Yes (1969)

Um disco onde a banda que chegaria tão longe ainda parece perdida
2.5
Por: Tiago Meneses
08/03/2019
Album Cover

Yes - Tales From Topographic Oceans (1973)

Excessivo, exagerado, longo, mas musicalmente agradável.
3.5
Por: Tiago Meneses
25/10/2017
Album Cover

Yes - Tormato (1978)

O disco de estúdio mais fraco do Yes dos anos 70
2
Por: Tiago Meneses
02/02/2018

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Epica - Design Your Universe (2009)

Uma mudança muito significativa no universo do Epica!
5
Por: João Paulo
16/11/2018
Album Cover

Genesis - From Genesis To Revelation (1969)

No início era imitação dos Bee Gees
1.5
Por: Roberto Rillo Bíscaro
11/09/2017
Album Cover

Renaissance - Turn Of The Cards (1974)

Boa mistura de jazz, rock e folk com ajuda de um belíssimo trabalho orquestral
4
Por: Tiago Meneses
07/03/2019