Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Queen - Hot Space (1982)

Por: Tiago Meneses

Acessos: 210

Compartilhar:

Facebook Twitter Google +
User Photo
Album Cover
Um dos piores álbuns já lançados por uma grande banda.
1
06/03/2018

Queen nunca foi exatamente uma banda que me fascinou, embora reconheça a qualidade de alguns dos seus discos e a sua grandeza, mas apesar de respeitar o gosto musical das pessoas, não consigo ser eclético o suficiente pra conseguir ver qualidade em tudo que a banda produziu e sequer consigo entender fãs que abraçam carinhosamente até mesmo um álbum como Hot Space. Quando foi lançado, tudo bem que o apogeu criativo da banda (que considero os quatro primeiros discos) estava desaparecido em uma névoa de música pop simples e sem absolutamente nada demais, mas ainda assim, a falta de qualidade aqui me surpreende.  

Logo no começo de Hot Space, "Staying Power" passa toda a má impressão que o resto do álbum continuará a fazer pelos próximos quarenta e três minutos. Um “rock” com umas linhas de metal tipicamente de disco music. Provavelmente se tivesse sido feita por Michael Jackson eu não a acharia tão ruim assim. “Dancer” e "Back Chat" até tem uns trabalhos dignos de guitarras, porém, perdidos e sem força o suficiente pra fazer com que se tornem um bom atrativo pra serem apreciados de maneiras esporádicas que seja. 

"Body Language" carrega uma sonoridade típica encontrada no pop 80’s, sexy e dançante, “qualidades” essas que são bem diferentes das encontradas em músicas da banda gravadas em outrora. “Action This Day” não tem uma sonoridade disco, é apenas um pop rock de arranjos desfocados e confusos, versos ruins e um refrão chato. “Put Out the Fire” é certamente o momento mais rock do disco, porém, as boas guitarras e únicos atrativos da canção, novamente não é o suficiente pra empolgar nem mesmo um pouco que seja. 

“Life is Real” é uma balada em homenagem a Johh Lennon, inclusive a música tem um estilo que o ex-Beatle faria. Não vou dizer que é ruim, mas mesmo em se tratando de homenagens ao músico, fico de longe com Empty Garden do Elton John. "Calling All Girls" é mais um dos inúmeros momentos pop do disco e que são descartáveis do tipo, escutei, não gostei e abandonei. 

“Las Palabras De Amor (The Words Of Love)” é mais uma balada e que possui a mesma qualidade isolada de outras músicas do disco, ou seja, uma boa guitarra de May, mas que igualmente não consegue ser um “salva vidas”. “Cool Cat” é uma das baladas mais chatas feitas por uma banda de rock, embora esse disco nem seja de rock, mas estou me baseando em outras coisas já criadas pela banda pra afirmar isso. Sinceramente, soa irritante. Hot Space termina com sua música mais conhecida, “Under Pressure”, com participação de David Bowie, tem umas atmosferas até agradáveis e boas performances vocais. Já vi em muitos lugares que é uma música do tipo, ame ou odeie, mas percebi que também podemos ficar no meio termo.  
 
Só conseguiria achar este álbum ao menos regular se eu fosse apto de uma falácia do tipo, “Hot Space é diferente apenas, mas é importante, pois enriquece o fluxo de música que o Queen oferece à indústria”. Mas não, ele simplesmente é um disco que não funciona de forma alguma. Um dos piores álbuns já lançados por uma grande banda. 

Um dos piores álbuns já lançados por uma grande banda.
1
06/03/2018

Queen nunca foi exatamente uma banda que me fascinou, embora reconheça a qualidade de alguns dos seus discos e a sua grandeza, mas apesar de respeitar o gosto musical das pessoas, não consigo ser eclético o suficiente pra conseguir ver qualidade em tudo que a banda produziu e sequer consigo entender fãs que abraçam carinhosamente até mesmo um álbum como Hot Space. Quando foi lançado, tudo bem que o apogeu criativo da banda (que considero os quatro primeiros discos) estava desaparecido em uma névoa de música pop simples e sem absolutamente nada demais, mas ainda assim, a falta de qualidade aqui me surpreende.  

Logo no começo de Hot Space, "Staying Power" passa toda a má impressão que o resto do álbum continuará a fazer pelos próximos quarenta e três minutos. Um “rock” com umas linhas de metal tipicamente de disco music. Provavelmente se tivesse sido feita por Michael Jackson eu não a acharia tão ruim assim. “Dancer” e "Back Chat" até tem uns trabalhos dignos de guitarras, porém, perdidos e sem força o suficiente pra fazer com que se tornem um bom atrativo pra serem apreciados de maneiras esporádicas que seja. 

"Body Language" carrega uma sonoridade típica encontrada no pop 80’s, sexy e dançante, “qualidades” essas que são bem diferentes das encontradas em músicas da banda gravadas em outrora. “Action This Day” não tem uma sonoridade disco, é apenas um pop rock de arranjos desfocados e confusos, versos ruins e um refrão chato. “Put Out the Fire” é certamente o momento mais rock do disco, porém, as boas guitarras e únicos atrativos da canção, novamente não é o suficiente pra empolgar nem mesmo um pouco que seja. 

“Life is Real” é uma balada em homenagem a Johh Lennon, inclusive a música tem um estilo que o ex-Beatle faria. Não vou dizer que é ruim, mas mesmo em se tratando de homenagens ao músico, fico de longe com Empty Garden do Elton John. "Calling All Girls" é mais um dos inúmeros momentos pop do disco e que são descartáveis do tipo, escutei, não gostei e abandonei. 

“Las Palabras De Amor (The Words Of Love)” é mais uma balada e que possui a mesma qualidade isolada de outras músicas do disco, ou seja, uma boa guitarra de May, mas que igualmente não consegue ser um “salva vidas”. “Cool Cat” é uma das baladas mais chatas feitas por uma banda de rock, embora esse disco nem seja de rock, mas estou me baseando em outras coisas já criadas pela banda pra afirmar isso. Sinceramente, soa irritante. Hot Space termina com sua música mais conhecida, “Under Pressure”, com participação de David Bowie, tem umas atmosferas até agradáveis e boas performances vocais. Já vi em muitos lugares que é uma música do tipo, ame ou odeie, mas percebi que também podemos ficar no meio termo.  
 
Só conseguiria achar este álbum ao menos regular se eu fosse apto de uma falácia do tipo, “Hot Space é diferente apenas, mas é importante, pois enriquece o fluxo de música que o Queen oferece à indústria”. Mas não, ele simplesmente é um disco que não funciona de forma alguma. Um dos piores álbuns já lançados por uma grande banda. 

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Queen

Album Cover

Queen - Queen II (1974)

Queen II mostra toda a excelência musical de Vossa Majestade
5
Por: Tiago Meneses
17/05/2018

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Robert Wyatt - Rock Bottom (1971)

Um dos discos mais importantes da cena de Canterbury
5
Por: Tiago Meneses
22/10/2017
Album Cover

Jean-Luc Ponty - Mystical Adventures (1981)

Mais do que uma experiência musical sólida, uma aventura mística.
5
Por: Tiago Meneses
09/08/2018
Album Cover

Supertramp - Even In The Quietest Moments... (1977)

Indiscutivelmente um disco bastante valioso dentro da discografia do Supertramp.
4
Por: Tiago Meneses
25/01/2018