Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: King Crimson - In The Court Of The Crimson King (1969)

Por: André Luiz Paiz

Acessos: 303

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
Histórico por diversos motivos
5
24/02/2018

Não é difícil falar de King Crimson, principalmente de "In The Court Of The Crimson King". Como é possível um álbum percursor ser tão coeso, tão preciso e tão perfeito? É isso que vou tentar relatar nesta resenha.

A banda foi formada em 1968, após o projeto Giles, Giles and Fripp ter recebido pouca atenção. Logo em seguida, Robert Fripp e Michael Giles começaram a estruturar a formação de um novo grupo, com a adição de Greg Lake, Peter Sinfield e o compositor multi-instrumentista Ian McDonald. Estava assim estabelecida a primeira formação do King Crimson.

"In The Court Of The Crimson King" foi lançado em 1969 e está cravado na história como um álbum marcante por diversos motivos. Primeiro, pode sim ser considerado como o álbum percursor do rock puramente progressivo. Algumas bandas como Beatles e Moody Blues já haviam flertado com o estilo e o Pink Floyd estreou mais como rock experimental e psicodélico em "The Piper at the Gates of Dawn", mas nenhuma destas bandas foi tão diretamente conectada ao estilo, ao menos não naquele momento. Em segundo, na minha opinião, King Crimson inaugurou um estilo que seria brilhantemente explorado por muitas outras bandas de qualidade na década seguinte. Terceiro, por demonstrar que era possível expressar sentimentos da forma mais pura e simples, independente do alto nível musical que a banda possuía. Canções de fácil assimilação, com cada nota planejada e executada com maestria, causando as sensações que somente o rock progressivo causa. São vários outros motivos que poderíamos aqui debater sem qualquer receio.

O álbum possui somente cinco músicas, que lhe despertam a vontade de repetir a audição incansavelmente. "21st Century Schizoid Man" é talvez a mais famosa do álbum. Se você tem a curiosidade de saber qual a capacidade musical individual dos membros da banda, aqui está o cartão de visitas. Vocais distorcidos e ritmo acelerado, conduzidos na guitarra e saxofone, nos transportando para um frenesi absurdo de técnica e feeling. Confira a jam espetacular no meio da canção. Se esta faixa não lhe impressionar na primeira audição, fique tranquilo, nas próximas você ficará boquiaberto.
Mudando abruptamente, "I Talk to the Wind" lhe deixará emocionado. Sim, é impossível resisti-la. O som da flauta angelical lhe transporta para uma outra realidade em um ambiente doce e suave.
"Epitaph" é a minha favorita e ainda mantém o ambiente suave, porém um pouco mais sentimental e denso com belíssimas orquestrações. E o refrão? Simplesmente magnífico.
"Moonchild" é interessante por dois motivos. Primeiro, pelo tema inicial brilhante, lento, triste e melódico. Em seguida, traz o lado mais psicodélico da banda, com improvisações suaves e tranquilizantes.
"The Court of the Crimson King" é nitidamente um molde para diversos outros temas explorados pelas futuras bandas de rock progressivo que ainda iriam surgir. Ótimo instrumental, grandes teclados com orquestrações de mellotron belíssimas. Todos os temas explorados aqui são perfeitos se tratando de composição e execução.

Impressionante como é empolgante somente o fato de falar sobre cada uma das faixas de "In The Court Of The Crimson King". Se você não conhece, imagine a sensação de ouvi-las. Não perca tempo e curta este marco do Rock Progressivo.

Histórico por diversos motivos
5
24/02/2018

Não é difícil falar de King Crimson, principalmente de "In The Court Of The Crimson King". Como é possível um álbum percursor ser tão coeso, tão preciso e tão perfeito? É isso que vou tentar relatar nesta resenha.

A banda foi formada em 1968, após o projeto Giles, Giles and Fripp ter recebido pouca atenção. Logo em seguida, Robert Fripp e Michael Giles começaram a estruturar a formação de um novo grupo, com a adição de Greg Lake, Peter Sinfield e o compositor multi-instrumentista Ian McDonald. Estava assim estabelecida a primeira formação do King Crimson.

"In The Court Of The Crimson King" foi lançado em 1969 e está cravado na história como um álbum marcante por diversos motivos. Primeiro, pode sim ser considerado como o álbum percursor do rock puramente progressivo. Algumas bandas como Beatles e Moody Blues já haviam flertado com o estilo e o Pink Floyd estreou mais como rock experimental e psicodélico em "The Piper at the Gates of Dawn", mas nenhuma destas bandas foi tão diretamente conectada ao estilo, ao menos não naquele momento. Em segundo, na minha opinião, King Crimson inaugurou um estilo que seria brilhantemente explorado por muitas outras bandas de qualidade na década seguinte. Terceiro, por demonstrar que era possível expressar sentimentos da forma mais pura e simples, independente do alto nível musical que a banda possuía. Canções de fácil assimilação, com cada nota planejada e executada com maestria, causando as sensações que somente o rock progressivo causa. São vários outros motivos que poderíamos aqui debater sem qualquer receio.

O álbum possui somente cinco músicas, que lhe despertam a vontade de repetir a audição incansavelmente. "21st Century Schizoid Man" é talvez a mais famosa do álbum. Se você tem a curiosidade de saber qual a capacidade musical individual dos membros da banda, aqui está o cartão de visitas. Vocais distorcidos e ritmo acelerado, conduzidos na guitarra e saxofone, nos transportando para um frenesi absurdo de técnica e feeling. Confira a jam espetacular no meio da canção. Se esta faixa não lhe impressionar na primeira audição, fique tranquilo, nas próximas você ficará boquiaberto.
Mudando abruptamente, "I Talk to the Wind" lhe deixará emocionado. Sim, é impossível resisti-la. O som da flauta angelical lhe transporta para uma outra realidade em um ambiente doce e suave.
"Epitaph" é a minha favorita e ainda mantém o ambiente suave, porém um pouco mais sentimental e denso com belíssimas orquestrações. E o refrão? Simplesmente magnífico.
"Moonchild" é interessante por dois motivos. Primeiro, pelo tema inicial brilhante, lento, triste e melódico. Em seguida, traz o lado mais psicodélico da banda, com improvisações suaves e tranquilizantes.
"The Court of the Crimson King" é nitidamente um molde para diversos outros temas explorados pelas futuras bandas de rock progressivo que ainda iriam surgir. Ótimo instrumental, grandes teclados com orquestrações de mellotron belíssimas. Todos os temas explorados aqui são perfeitos se tratando de composição e execução.

Impressionante como é empolgante somente o fato de falar sobre cada uma das faixas de "In The Court Of The Crimson King". Se você não conhece, imagine a sensação de ouvi-las. Não perca tempo e curta este marco do Rock Progressivo.

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de King Crimson

Album Cover

King Crimson - Red (1974)

Músicos em excelente fase criando um dos maiores feitos da banda
5
Por: Tiago Meneses
28/04/2018
Album Cover

King Crimson - Discipline (1981)

Um testemunho honesto de uma banda de progressivo sobrevivendo aos anos 80.
4.5
Por: Tiago Meneses
09/03/2019
Album Cover

King Crimson - In The Court Of The Crimson King (1969)

Uma das mais inovadoras e inventivas criações do prog rock.
5
Por: Tiago Meneses
02/10/2017

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Queensryche - Operation: Mindcrime (1988)

Primeiro conceitual da história do metal progressivo: revolucionário!
5
Por: Paulo Sanches
22/10/2017
Album Cover

Triumvirat - Illusions On A Double Dimple (1974)

Mudança e superação
5
Por: Rafael Lemos
02/05/2018
Album Cover

Hiromi Uehara - Hiromi's Sonicbloom: Time Control (2007)

Hiromi's Sonicbloom: Time Control é arte na sua forma mais pura e honesta
4.5
Por: Tiago Meneses
28/03/2019