Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: The Alan Parsons Project - Eye In The Sky (1982)

Por: André Luiz Paiz

Acessos: 280

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
O encaixe perfeito entre o Pop e o Rock Progressivo.
5
12/12/2017

Gravado no famoso Abbey Road Studios, "Eye In The Sky" é um álbum histórico. Primeiramente por possuir uma das canções mais famosas dos anos 80 e que é executada nas rádios até nos dias de hoje. A faixa-título possui melodia suave e um refrão espetacular para cantar junto. Uma combinação estrutural perfeita para uma canção de sucesso. Em segundo, por figurar no tracklist de um álbum marcante para a carreira do nomeado produtor Alan Parsons, sendo por muitos considerado seu melhor álbum, com um encaixe perfeito entre as faixas mais Pop e o Rock Progressivo.

Iniciando com a já conhecida e espetacular instrumental "Sirius", fica somente aquela vontade de "quero mais". A faixa é fantástica e é possível ouvi-la em apresentações de lutadores em ringues, entrada de jogadores da NBA e de partidas de futebol, e também nas telinhas.
Após a já mencionada faixa-título cantada por Eric Woolfson, seguimos para mais uma faixa espetacular: "Children of the Moon". Uma música que lembra os melhores momentos dos Wings de Paul McCartney. O vocal de David Paton é excelente e a faixa é um dos destaques.
"Gemini" é liderada por Chris Rainbow nos vocais. Trata-se de uma peça breve, levemente orquestrada e com belíssimas vocalizações. Encantadora.
Abram alas para a magnífica "Silence And I". Uma balada que provoca arrepios, com uma letra profunda e reflexiva, além de uma passagem orquestrada simplesmente fantástica. E parabéns ao saudoso Eric Woolfson pela belíssima interpretação.
Aqui o álbum começa a despertar a necessidade de uma música mais rock, que é suprida com "You're Gonna Get Your Fingers Burned". A faixa possui ótimo refrão e melodias vocais perfeitas para Lenny Zakatek, que canta à vontade.
"Psychobabble" é interpretada com maestria por Elmer Gantry, que contribuiu para deixá-la com um ar mais rock, apesar de ser uma faixa pop, com requintes de David Bowie ou dos primeiros álbuns de Peter Gabriel. Boa faixa, trazendo diversificação em comparação com as demais.
A instrumental "Mammagamma" também empolga, assim como "Sirius". Trata-se de uma daquelas faixas que despertam a vontade de estar lá, tocando junto com o grupo, deixando a canção nos conduzir.
Novamente com Lenny Zakatek e de volta ao rock, agora de forma suave e com toques de "Electric Light Orchestra", "Step By Step" também o fará cantar junto.
A balada "Old And Wise" é cantada por Colin Blunstone, que é acompanhado por um instrumental perfeito e com orquestrações belíssimas. O solo de saxofone do final da canção é de arrepiar e a letra também é bela e reflexiva.

Neste álbum, a dupla de compositores Alan Parsons e Eric Woolfson encontrou uma coesão perfeita entre a temática das letras, que falam sobre a vida e o universo, e as músicas, com composições diretas e com fácil assimilação. Há quem tenha deixado de seguir a carreira do "The Alan Parsons Project" após a mudança de direcionamento dos anos 80, o que ficaria mais evidente ainda com o próximo álbum, "Ammonia Avenue". Sinceramente, acho o grupo fantástico e encontro grandes momentos em todos os álbuns da carreira da banda.

Confira "Eye In The Sky", um dos grandes clássicos dos anos 80.

O encaixe perfeito entre o Pop e o Rock Progressivo.
5
12/12/2017

Gravado no famoso Abbey Road Studios, "Eye In The Sky" é um álbum histórico. Primeiramente por possuir uma das canções mais famosas dos anos 80 e que é executada nas rádios até nos dias de hoje. A faixa-título possui melodia suave e um refrão espetacular para cantar junto. Uma combinação estrutural perfeita para uma canção de sucesso. Em segundo, por figurar no tracklist de um álbum marcante para a carreira do nomeado produtor Alan Parsons, sendo por muitos considerado seu melhor álbum, com um encaixe perfeito entre as faixas mais Pop e o Rock Progressivo.

Iniciando com a já conhecida e espetacular instrumental "Sirius", fica somente aquela vontade de "quero mais". A faixa é fantástica e é possível ouvi-la em apresentações de lutadores em ringues, entrada de jogadores da NBA e de partidas de futebol, e também nas telinhas.
Após a já mencionada faixa-título cantada por Eric Woolfson, seguimos para mais uma faixa espetacular: "Children of the Moon". Uma música que lembra os melhores momentos dos Wings de Paul McCartney. O vocal de David Paton é excelente e a faixa é um dos destaques.
"Gemini" é liderada por Chris Rainbow nos vocais. Trata-se de uma peça breve, levemente orquestrada e com belíssimas vocalizações. Encantadora.
Abram alas para a magnífica "Silence And I". Uma balada que provoca arrepios, com uma letra profunda e reflexiva, além de uma passagem orquestrada simplesmente fantástica. E parabéns ao saudoso Eric Woolfson pela belíssima interpretação.
Aqui o álbum começa a despertar a necessidade de uma música mais rock, que é suprida com "You're Gonna Get Your Fingers Burned". A faixa possui ótimo refrão e melodias vocais perfeitas para Lenny Zakatek, que canta à vontade.
"Psychobabble" é interpretada com maestria por Elmer Gantry, que contribuiu para deixá-la com um ar mais rock, apesar de ser uma faixa pop, com requintes de David Bowie ou dos primeiros álbuns de Peter Gabriel. Boa faixa, trazendo diversificação em comparação com as demais.
A instrumental "Mammagamma" também empolga, assim como "Sirius". Trata-se de uma daquelas faixas que despertam a vontade de estar lá, tocando junto com o grupo, deixando a canção nos conduzir.
Novamente com Lenny Zakatek e de volta ao rock, agora de forma suave e com toques de "Electric Light Orchestra", "Step By Step" também o fará cantar junto.
A balada "Old And Wise" é cantada por Colin Blunstone, que é acompanhado por um instrumental perfeito e com orquestrações belíssimas. O solo de saxofone do final da canção é de arrepiar e a letra também é bela e reflexiva.

Neste álbum, a dupla de compositores Alan Parsons e Eric Woolfson encontrou uma coesão perfeita entre a temática das letras, que falam sobre a vida e o universo, e as músicas, com composições diretas e com fácil assimilação. Há quem tenha deixado de seguir a carreira do "The Alan Parsons Project" após a mudança de direcionamento dos anos 80, o que ficaria mais evidente ainda com o próximo álbum, "Ammonia Avenue". Sinceramente, acho o grupo fantástico e encontro grandes momentos em todos os álbuns da carreira da banda.

Confira "Eye In The Sky", um dos grandes clássicos dos anos 80.

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de The Alan Parsons Project

Album Cover

The Alan Parsons Project - Tales Of Mystery And Imagination (1976)

Um álbum muito sombrio e misterioso com excelentes faixas 100% progressivas
5
Por: Tiago Meneses
20/03/2019
Album Cover

The Alan Parsons Project - The Turn Of A Friendly Card (1980)

Unindo o art rock à simplicidade do pop
5
Por: Marcel Z. Dio
07/02/2019

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

IQ - The Seventh House (2000)

Extremamente relevante pra se ter em qualquer coleção de Neo Progressivo.
4.5
Por: Tiago Meneses
14/02/2018
Album Cover

Mike Oldfield - Return To Ommadawn (2017)

Música progressiva, intensa e sentimental.
5
Por: Tiago Meneses
30/09/2017
Album Cover

Locanda Delle Fate - Forse Le Lucciole Non Si Amano Più (1977)

Tesouro que precisa ser descoberto
4.5
Por: Roberto Rillo Bíscaro
25/10/2017