Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Wings - Wings At The Speed Of Sound (1977)

Por: André Luiz Paiz

Acessos: 242

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
O auge na velocidade do som
3.5
25/11/2017

Estamos no início de 1976. Durante uma pausa na turnê mundial do bem recebido "Venus And Mars", Paul levou seu grupo ao estúdio para aproveitar a chapa quente e finalizar mais material. Era o melhor momento da banda, em que Paul McCartney havia atingido o auge pela primeira vez na era pós-Beatles e levava milhares de pessoas novamente aos estádios ao redor do mundo.
Com tudo correndo bem, Paul aplicava uma certa democratização dentro do grupo, sendo que "Wings At The Speed Of Sound" possui participação efetiva de todos os músicos como cantores e compositores em algumas faixas. Além disso, era a primeira vez que Paul McCartney registrava um álbum em sua integridade em Londres, mais precisamente no Abbey Road Studios, depois de muito tempo.

Abrindo com um dos clássicos e uma das minhas faixas favoritas de Paul em todos os tempos, "Let ’Em In" é densa, criativa e fora do convencional. Curiosamente, é extremamente acessível. Belíssima faixa.
Denny Laine assume os vocais em "The Note You Never Wrote". Uma faixa interessante, mas que não se destaca das demais.
Paul eleva o nível mais uma vez com a engraçadinha "She's My Baby". É mais uma daquelas faixas estilo "Martha My Dear" e "You Gave Me The Answer", com levada nostálgica conduzida ao piano de McCartney.
"Wings At The Speed Of Sound" também é rock! Paul quebra tudo com a chocante "Beware My Love". Vocais rasgados bem no estilo das faixas rock do Wings.
"Wino Junko" é uma contribuição do guitarrista Jimmy McCulloch. Legal às vezes e outras não, é uma faixa que passa despercebida na maioria das vezes.
Respondendo aos críticos, "Silly Love Songs" traz Paul fazendo piada com os que questionam o fato de somente produzir canções "bobinhas de amor". O que há de errado? A faixa se tornou um hit e está também na lista das melhores da carreira de Paul.
"Cook of the House" entrou no álbum para dar espaço à Linda McCartney como vocalista. Sou fã de Linda, mas infelizmente a faixa é totalmente descartável.
Denny Laine contribui como compositor com a faixa "Time to Hide". É uma boa música, com requintes de "Electric Light Orchestra".
O elétrico baterista Joe English canta na faixa "Must Do Something About It". Curiosamente é uma faixa que deu certo. Também não é uma canção que se destaca em comparação com os hits, mas não decepciona. O mesmo acontece com "San Ferry Anne", cantada por Paul e que às vezes gosto e outras não.
Para encerrar, uma canção belíssima e que merecia mais atenção do que recebeu na época. "Warm and Beautiful" possui melodia encantadora e emocionante, além de uma letra que se traduz em uma belíssima declaração de amor de Paul. Desta sou fã.

O álbum foi relançado algumas vezes contendo faixas bônus como: "Walking in the Park with Eloise", "Bridge over the River Suite" e "Sally G". Dentre as três, gosto muito da última. "Sally G" é uma faixa country de extrema qualidade e belíssima melodia. Foi gravada em sessões anteriores, em Nashville.

Após o lançamento do álbum, o Wings seguiria no topo até enfrentar mais um período tumultuado, em que viria a ficar novamente com apenas três membros: Paul, Linda e Danny Laine, o fiel escudeiro. Seria o fim da banda? De jeito nenhum! "London Town" é um álbum fantástico e logo falaremos sobre ele.

O auge na velocidade do som
3.5
25/11/2017

Estamos no início de 1976. Durante uma pausa na turnê mundial do bem recebido "Venus And Mars", Paul levou seu grupo ao estúdio para aproveitar a chapa quente e finalizar mais material. Era o melhor momento da banda, em que Paul McCartney havia atingido o auge pela primeira vez na era pós-Beatles e levava milhares de pessoas novamente aos estádios ao redor do mundo.
Com tudo correndo bem, Paul aplicava uma certa democratização dentro do grupo, sendo que "Wings At The Speed Of Sound" possui participação efetiva de todos os músicos como cantores e compositores em algumas faixas. Além disso, era a primeira vez que Paul McCartney registrava um álbum em sua integridade em Londres, mais precisamente no Abbey Road Studios, depois de muito tempo.

Abrindo com um dos clássicos e uma das minhas faixas favoritas de Paul em todos os tempos, "Let ’Em In" é densa, criativa e fora do convencional. Curiosamente, é extremamente acessível. Belíssima faixa.
Denny Laine assume os vocais em "The Note You Never Wrote". Uma faixa interessante, mas que não se destaca das demais.
Paul eleva o nível mais uma vez com a engraçadinha "She's My Baby". É mais uma daquelas faixas estilo "Martha My Dear" e "You Gave Me The Answer", com levada nostálgica conduzida ao piano de McCartney.
"Wings At The Speed Of Sound" também é rock! Paul quebra tudo com a chocante "Beware My Love". Vocais rasgados bem no estilo das faixas rock do Wings.
"Wino Junko" é uma contribuição do guitarrista Jimmy McCulloch. Legal às vezes e outras não, é uma faixa que passa despercebida na maioria das vezes.
Respondendo aos críticos, "Silly Love Songs" traz Paul fazendo piada com os que questionam o fato de somente produzir canções "bobinhas de amor". O que há de errado? A faixa se tornou um hit e está também na lista das melhores da carreira de Paul.
"Cook of the House" entrou no álbum para dar espaço à Linda McCartney como vocalista. Sou fã de Linda, mas infelizmente a faixa é totalmente descartável.
Denny Laine contribui como compositor com a faixa "Time to Hide". É uma boa música, com requintes de "Electric Light Orchestra".
O elétrico baterista Joe English canta na faixa "Must Do Something About It". Curiosamente é uma faixa que deu certo. Também não é uma canção que se destaca em comparação com os hits, mas não decepciona. O mesmo acontece com "San Ferry Anne", cantada por Paul e que às vezes gosto e outras não.
Para encerrar, uma canção belíssima e que merecia mais atenção do que recebeu na época. "Warm and Beautiful" possui melodia encantadora e emocionante, além de uma letra que se traduz em uma belíssima declaração de amor de Paul. Desta sou fã.

O álbum foi relançado algumas vezes contendo faixas bônus como: "Walking in the Park with Eloise", "Bridge over the River Suite" e "Sally G". Dentre as três, gosto muito da última. "Sally G" é uma faixa country de extrema qualidade e belíssima melodia. Foi gravada em sessões anteriores, em Nashville.

Após o lançamento do álbum, o Wings seguiria no topo até enfrentar mais um período tumultuado, em que viria a ficar novamente com apenas três membros: Paul, Linda e Danny Laine, o fiel escudeiro. Seria o fim da banda? De jeito nenhum! "London Town" é um álbum fantástico e logo falaremos sobre ele.

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Wings

Album Cover

Wings - London Town (1978)

Novamente reduzido a trio, porém com McCartney em grande fase criativa
4
Por: André Luiz Paiz
18/12/2017
Album Cover

Wings - Red Rose Speedway (1973)

Teria Paul McCartney ainda que provar algo?
4
Por: André Luiz Paiz
19/10/2017
Album Cover

Wings - Venus And Mars (1975)

A banda de Paul McCartney seguindo em ascensão
4
Por: André Luiz Paiz
10/11/2017

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Blondie - Pollinator (2017)

Setentona no topo da forma
3
Por: Roberto Rillo Bíscaro
23/09/2017
Album Cover

The Mission - Another Fall From Grace (2016)

O melhor álbum em décadas
3.5
Por: Roberto Rillo Bíscaro
02/03/2018
Album Cover

Paul McCartney - McCartney (1970)

O álbum que decretou o fim dos Beatles
3.5
Por: André Luiz Paiz
21/08/2017