Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Paul Simon - Hearts And Bones (1983)

Por: André Luiz Paiz

Acessos: 107

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
Um álbum subestimado, mas recheado de grandes momentos
4
19/11/2017

Composto durante a turnê mundial que se sucedeu após o famosíssimo "Concert in Central Park" de Simon & Garfunkel, "Hearts And Bones", que originalmente seria nomeado "Think Too Much", foi desenvolvido por Paul Simon com a participação de seu ex-parceiro de dupla Art Garfunkel. Algumas notícias circularam que seria lançado como um novo álbum da dupla. Porém, com a saída de Art durante o projeto, acabou lançado como disco solo de Paul.

No ano de seu lançamento, em 1983, o trabalho não recebeu a atenção devida e não se destacou. Talvez por soar um pouco diferente de seus trabalhos mais acústicos e introspectivos, como por exemplo: "Still Crazy After All These Years". Somente anos adiante o álbum teria seu devido reconhecimento. Posso dizer que aqui há uma abordagem mais pop, mas a qualidade se mantém e o disco possuí grandes momentos.

Começando com um dos singles, "Allergies" é uma faixa pop de muita qualidade. De início a letra parece estranha, mas acaba se tornando interessante.
Seguindo para uma das melhores e mais lindas faixas que Paul Simon já compôs, "Hearts And Bones" nos remete aos tempos de ouro de Simon & Garfunkel. Uma balada lindíssima, com melodia perfeita. 
De volta ao pop, "When Numbers Get Serious" traz diversão e nos faz batucar no volante do carro enquanto toca.
"Think too much (b)" também é das minhas favoritas. Uma música belíssima e que deveria ter se tornado mais popular. É uma daquelas faixas que pedem uma caipirinha, uma rede e uma paisagem maravilhosa como companhia.
Mantendo o nível, "Song About the Moon" caminha próxima das baladas de Jack Johnson e Jason Mraz. Uma linda canção. Confira e cante junto.
O tema "Think Too Much (a)" retorna com uma abordagem mais pop que a primeira. Entre as duas, ficou com a versão "b".
"Train in the Distance" é brilhantismo puro. Mais uma entre as canções mais lindas que Paul Simon já compôs. Me arrepio cada vez que a escuto. Destaque para o instrumental, que é simplesmente perfeito.
"Rene and Georgette Magritte with Their Dog After the War" é uma balada linda e tocante. A letra sobre o artista René Magritte e sua esposa Georgette merece destaque, e é derivada de uma fotografia de Lothar Wolleh, do casal com seu cão na Bélgica.
Retornando mais uma vez ao pop e dividindo opiniões, "Cars Are Cars" é uma faixa que parece estranha, que gosto em alguns momentos e em outros não.
"The Late Great Johnny Ace" encerra o álbum com um tema interessante. Uma canção que não se destaca entre as demais, mas possui a sua qualidade. Inicialmente falando sobre o cantor Johnny Ace, que a história diz ter se matado em um jogo de Roleta Russa, a letra passa pela morte de John Lennon, em 1980, e pelo assassinato de John F. Kennedy, em 1963.

Vale também destacar que o álbum possui a contribuição que diversos músicos de alto nível, como o tecladista Greg Phillinganes (Toto, Stevie Wonder, Phil Collins, Michael Jackson, e por aí vai...) e o saudoso baterista Jeff Porcaro (Toto)

"Hearts And Bones" é um álbum subestimado. Para mim, está entre os melhores da carreira de Paul Simon.

Um álbum subestimado, mas recheado de grandes momentos
4
19/11/2017

Composto durante a turnê mundial que se sucedeu após o famosíssimo "Concert in Central Park" de Simon & Garfunkel, "Hearts And Bones", que originalmente seria nomeado "Think Too Much", foi desenvolvido por Paul Simon com a participação de seu ex-parceiro de dupla Art Garfunkel. Algumas notícias circularam que seria lançado como um novo álbum da dupla. Porém, com a saída de Art durante o projeto, acabou lançado como disco solo de Paul.

No ano de seu lançamento, em 1983, o trabalho não recebeu a atenção devida e não se destacou. Talvez por soar um pouco diferente de seus trabalhos mais acústicos e introspectivos, como por exemplo: "Still Crazy After All These Years". Somente anos adiante o álbum teria seu devido reconhecimento. Posso dizer que aqui há uma abordagem mais pop, mas a qualidade se mantém e o disco possuí grandes momentos.

Começando com um dos singles, "Allergies" é uma faixa pop de muita qualidade. De início a letra parece estranha, mas acaba se tornando interessante.
Seguindo para uma das melhores e mais lindas faixas que Paul Simon já compôs, "Hearts And Bones" nos remete aos tempos de ouro de Simon & Garfunkel. Uma balada lindíssima, com melodia perfeita. 
De volta ao pop, "When Numbers Get Serious" traz diversão e nos faz batucar no volante do carro enquanto toca.
"Think too much (b)" também é das minhas favoritas. Uma música belíssima e que deveria ter se tornado mais popular. É uma daquelas faixas que pedem uma caipirinha, uma rede e uma paisagem maravilhosa como companhia.
Mantendo o nível, "Song About the Moon" caminha próxima das baladas de Jack Johnson e Jason Mraz. Uma linda canção. Confira e cante junto.
O tema "Think Too Much (a)" retorna com uma abordagem mais pop que a primeira. Entre as duas, ficou com a versão "b".
"Train in the Distance" é brilhantismo puro. Mais uma entre as canções mais lindas que Paul Simon já compôs. Me arrepio cada vez que a escuto. Destaque para o instrumental, que é simplesmente perfeito.
"Rene and Georgette Magritte with Their Dog After the War" é uma balada linda e tocante. A letra sobre o artista René Magritte e sua esposa Georgette merece destaque, e é derivada de uma fotografia de Lothar Wolleh, do casal com seu cão na Bélgica.
Retornando mais uma vez ao pop e dividindo opiniões, "Cars Are Cars" é uma faixa que parece estranha, que gosto em alguns momentos e em outros não.
"The Late Great Johnny Ace" encerra o álbum com um tema interessante. Uma canção que não se destaca entre as demais, mas possui a sua qualidade. Inicialmente falando sobre o cantor Johnny Ace, que a história diz ter se matado em um jogo de Roleta Russa, a letra passa pela morte de John Lennon, em 1980, e pelo assassinato de John F. Kennedy, em 1963.

Vale também destacar que o álbum possui a contribuição que diversos músicos de alto nível, como o tecladista Greg Phillinganes (Toto, Stevie Wonder, Phil Collins, Michael Jackson, e por aí vai...) e o saudoso baterista Jeff Porcaro (Toto)

"Hearts And Bones" é um álbum subestimado. Para mim, está entre os melhores da carreira de Paul Simon.

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Paul Simon

Album Cover

Paul Simon - Graceland (1986)

Um clássico da mais pura criatividade
5
Por: André Luiz Paiz
03/12/2017
Album Cover

Paul Simon - Still Crazy After All These Years (1975)

O brilhantismo de Paul Simon em evidência
4.5
Por: André Luiz Paiz
31/10/2017

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Dire Straits - Dire Straits (1978)

Mesmo na contramão do som em alta na época, criaram um clássico genuíno
5
Por: Tiago Meneses
01/05/2018
Album Cover

The Beatles - Please Please Me (1963)

O primeiro passo do maior fenômeno da história da música
3.5
Por: André Luiz Paiz
04/05/2018
Album Cover

Marillion - Seasons End (1989)

Um disco muito bom, mas bastante desigual
3.5
Por: Tiago Meneses
21/03/2019