Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

  • Últimas Notas de Venus And Mars

Resenha: Wings - Venus And Mars (1975)

Por: André Luiz Paiz

Acessos: 140

Compartilhar:

Facebook Twitter Google +
User Photo
Album Cover
A banda de Paul McCartney seguindo em ascensão
4
10/11/2017

Diante do sucesso estrondoso de seu antecessor "Band On The Run", Paul estava disposto a reconstruir o grupo, já que a debandada ocorrida no início das gravações do álbum fez com que restassem somente três membros: Paul, Linda e Denny Laine. Assim, depois de algumas audições, foram recrutados o guitarrista Jimmy McCulloch e o baterista Geoff Britton.
Desta vez o álbum foi registrado nos Estados Unidos, mais precisamente em Nova Orleans. As gravações foram de novembro de 1974 a março de 1975. Durante o processo de gravação, Britton deixou o grupo por divergências de opinião, principalmente com Jimmy. Sua saída deu lugar ao talentoso e empolgadíssimo baterista Joe English.
Fato curioso: John Lennon contou a May Pang -sua até então namorada durante o período em que ficou em Los Angeles - que pretendia comparecer às sessões de gravação de "Venus and Mars", o que infelizmente acabou não acontecendo.
Fato curioso número dois: George Harrison, Bob Dylan, Joni Mitchell, Carole King, Marvin Gaye, The Faces, Phil Everly, The Jackson Five, Dean Martin, Tony Curtis, Cher, Derek Taylor e Mal Evans estavam entre os duzentos convidados para o evento de divulgação do álbum. Esta foi a primeira vez que Paul McCartney e George Harrison foram vistos juntos publicamente desde o término dos Beatles.

"Venus And Mars" não foi um grande sucesso como "Band On The Run", porém garantiu a Paul e seu grupo uma grande ascensão em termos de visibilidade, fato que permitiu com que o grupo embarcasse em uma longa turnê. O maior sucesso do álbum foi o hit "Listen To What The Man Said".

Começando com uma introdução interessante ao som dos dedilhados de um violão folk, a faixa-título é extremamente simples, porém com uma linda melodia. O destaque aqui é que ela se conecta e abre alas para "Rock Show", um rock espetacular, com o baixo de Paul estralando, além de cantar com um vocal rasgado de dar inveja.
Voltando novamente aos violões, "Love In Song" é uma balada introspectiva, densa e cativante. Uma das que mais gosto.
"You Gave Me The Answer" mostra o lado retrô e criativo de Paul. É uma faixa bem bonita, que nos faz lembrar de suas canções como "Martha My Dear" e "Single Pigeon".
"Magneto And Titanium Man" é criatividade pura. Uma faixa rock bem diferente do tradicional e com letra divertida. Paul canta muito aqui.
Juntamente com "Rock Show" e "Listen To What The Man Said", "Letting Go" está entre as minhas favoritas. Um rock com pitadas de blues espetacular! Esta faixa foi uma das três gravadas por George Britton antes de sua saída, e foi registrada nos estúdios Abbey Road, antes da banda partir para Nova Orleans.
A reprise de "Venus And Mars" traz exatamente a mesma melodia da primeira, com letra diferente. Parece desnecessária, mas até que gosto.
"Spirits of Ancient Egypt" conta com vocal solo de Denny Laine, sendo a primeira vez que Paul passa o posto para outro integrante dentro da banda. É uma faixa mais blues rock que não se destaca muito dentre as demais.
O guitarrista "Jimmy McCulloch" compôs e está à frente do microfone na canção rock "Medicine Jar". Até que é interessante, porém aqui sentimos falta do vocal de Paul.
"Call Me Back Again" é outro destaque, sendo mais uma grande composição de Paul. Seu vocal é espetacular e a faixa funcionou muito bem ao vivo durante a turnê.
O hit "Listen To What The Man Said" é uma faixa de soft rock curiosa, pois não cativa de início, mas depois chega-se à conclusão de que se trata de uma grande música. Na minha opinião, o álbum poderia ser encerrado aqui.
O pequeno medley "Treat Her Gently/Lonely Old People" é arrastado demais, já que a melodia não empolga. Infelizmente uma faixa descartável.
"Crossroads Theme" é uma faixa de Tony Hatch que, sinceramente, não sei o que está fazendo aqui.

Os lançamentos mais recentes incluíram também três faixas bônus: a instrumental "Zoo Gang" que nada acrescenta, a também instrumental "Lunch Box - Odd Sox", que é um pouco melhor que a anterior, e "My Carnival", um blues rock tributo a Mardi Gras, uma festa carnavalesca que ocorre todo o ano em Nova Orleans.

Com a banda reformulada e um ótimo álbum em mãos, os Wings partiram em uma longa turnê, ganhando cada vez mais visibilidade.

A banda de Paul McCartney seguindo em ascensão
4
10/11/2017

Diante do sucesso estrondoso de seu antecessor "Band On The Run", Paul estava disposto a reconstruir o grupo, já que a debandada ocorrida no início das gravações do álbum fez com que restassem somente três membros: Paul, Linda e Denny Laine. Assim, depois de algumas audições, foram recrutados o guitarrista Jimmy McCulloch e o baterista Geoff Britton.
Desta vez o álbum foi registrado nos Estados Unidos, mais precisamente em Nova Orleans. As gravações foram de novembro de 1974 a março de 1975. Durante o processo de gravação, Britton deixou o grupo por divergências de opinião, principalmente com Jimmy. Sua saída deu lugar ao talentoso e empolgadíssimo baterista Joe English.
Fato curioso: John Lennon contou a May Pang -sua até então namorada durante o período em que ficou em Los Angeles - que pretendia comparecer às sessões de gravação de "Venus and Mars", o que infelizmente acabou não acontecendo.
Fato curioso número dois: George Harrison, Bob Dylan, Joni Mitchell, Carole King, Marvin Gaye, The Faces, Phil Everly, The Jackson Five, Dean Martin, Tony Curtis, Cher, Derek Taylor e Mal Evans estavam entre os duzentos convidados para o evento de divulgação do álbum. Esta foi a primeira vez que Paul McCartney e George Harrison foram vistos juntos publicamente desde o término dos Beatles.

"Venus And Mars" não foi um grande sucesso como "Band On The Run", porém garantiu a Paul e seu grupo uma grande ascensão em termos de visibilidade, fato que permitiu com que o grupo embarcasse em uma longa turnê. O maior sucesso do álbum foi o hit "Listen To What The Man Said".

Começando com uma introdução interessante ao som dos dedilhados de um violão folk, a faixa-título é extremamente simples, porém com uma linda melodia. O destaque aqui é que ela se conecta e abre alas para "Rock Show", um rock espetacular, com o baixo de Paul estralando, além de cantar com um vocal rasgado de dar inveja.
Voltando novamente aos violões, "Love In Song" é uma balada introspectiva, densa e cativante. Uma das que mais gosto.
"You Gave Me The Answer" mostra o lado retrô e criativo de Paul. É uma faixa bem bonita, que nos faz lembrar de suas canções como "Martha My Dear" e "Single Pigeon".
"Magneto And Titanium Man" é criatividade pura. Uma faixa rock bem diferente do tradicional e com letra divertida. Paul canta muito aqui.
Juntamente com "Rock Show" e "Listen To What The Man Said", "Letting Go" está entre as minhas favoritas. Um rock com pitadas de blues espetacular! Esta faixa foi uma das três gravadas por George Britton antes de sua saída, e foi registrada nos estúdios Abbey Road, antes da banda partir para Nova Orleans.
A reprise de "Venus And Mars" traz exatamente a mesma melodia da primeira, com letra diferente. Parece desnecessária, mas até que gosto.
"Spirits of Ancient Egypt" conta com vocal solo de Denny Laine, sendo a primeira vez que Paul passa o posto para outro integrante dentro da banda. É uma faixa mais blues rock que não se destaca muito dentre as demais.
O guitarrista "Jimmy McCulloch" compôs e está à frente do microfone na canção rock "Medicine Jar". Até que é interessante, porém aqui sentimos falta do vocal de Paul.
"Call Me Back Again" é outro destaque, sendo mais uma grande composição de Paul. Seu vocal é espetacular e a faixa funcionou muito bem ao vivo durante a turnê.
O hit "Listen To What The Man Said" é uma faixa de soft rock curiosa, pois não cativa de início, mas depois chega-se à conclusão de que se trata de uma grande música. Na minha opinião, o álbum poderia ser encerrado aqui.
O pequeno medley "Treat Her Gently/Lonely Old People" é arrastado demais, já que a melodia não empolga. Infelizmente uma faixa descartável.
"Crossroads Theme" é uma faixa de Tony Hatch que, sinceramente, não sei o que está fazendo aqui.

Os lançamentos mais recentes incluíram também três faixas bônus: a instrumental "Zoo Gang" que nada acrescenta, a também instrumental "Lunch Box - Odd Sox", que é um pouco melhor que a anterior, e "My Carnival", um blues rock tributo a Mardi Gras, uma festa carnavalesca que ocorre todo o ano em Nova Orleans.

Com a banda reformulada e um ótimo álbum em mãos, os Wings partiram em uma longa turnê, ganhando cada vez mais visibilidade.

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Wings

Album Cover

Wings - Back To The Egg (1979)

Uma nova tentativa com um final precoce e inesperado
4
Por: André Luiz Paiz
03/01/2018
Album Cover

Wings - Wings At The Speed Of Sound (1977)

O auge na velocidade do som
3.5
Por: André Luiz Paiz
25/11/2017
Album Cover

Wings - Red Rose Speedway (1973)

Teria Paul McCartney ainda que provar algo?
4
Por: André Luiz Paiz
19/10/2017

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Genesis - A Trick Of The Tail (1976)

O mais belo momento da era pós Gabriel.
4.5
Por: Tiago Meneses
18/07/2018
Album Cover

Information Society - Information Society (1988)

Marcando os anos 80 com estilo
5
Por: Fábio Arthur
21/01/2019
Album Cover

Information Society - _Hello World (2014)

O alô que pouca gente escutou
3
Por: Roberto Rillo Bíscaro
18/04/2018