Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Bacamarte - Depois Do Fim (1983)

Por: Tiago Meneses

Acessos: 194

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
Progressivo nacional reverenciado mundialmente.
5
16/10/2017

O ano era o de 1983, época que o rock progressivo por muitos especialistas estava dado como morto. A banda então através do disco de nome propício para a situação chamado, Depois do Fim, mostrou uma música extremamente bela e progressiva como as que pareceriam ter ficado pra trás junto com a década anterior. 

A música do Bacamarte é rica e sinfônica, com teclados maravilhosos e uma excelente flauta que ilumina as composições cheias de pompas. A banda tem suas maiores influência na escola italiana de rock progressivo, espelhando em bandas como, Locanda Delle Fate, Premiata Forneria Marconi e Quella Vecchia Locanda.

O álbum começa através de, "UFO", com alguns belos acordes de guitarras acústicas bem com a cara de grandes violonistas brasileiros do passado. A música move-se a uma espécie de serenata, adoçada por flautas Guarani. Depois a banda pega um balanço mais rock 'n' roll com um majestoso sintetizador. Contém outro movimento onde a cadencia destacada fica por conta do dedilhado de guitarra e passagens de teclado. A flauta em seguida volta a participar ativamente da música junto do sintetizador. Excelente começo.

"Smog Alado" mostra claramente influências da banda em uma linha perto de Jethro Tull, Camel e Emerson Lake & Palmer. Os vocais de Jane Duboc aparecem em uma espécie de estado de espírito renascentista (outro fator de influência), forte, decisivo, atraente. Parte final da música é muito sinfônica e cativante.

"Miragem" abre com algumas músicas orientais, logo substituídas por guitarras ácidas, que permeia a metade da faixa, até que uma flauta entoando uma bela canção é adicionada dando uma sensação deliciosa. O ritmo de guitarra anterior retorna até que a música chega ao seu final.

A quarta faixa é "Pássaro de Luz". Uma canção montada especialmente para a voz de Jane Duboc desfilar através de acompanhamentos de guitarras acústicas agradáveis, a sensação geral é pueril e sonhadora. 

"Cano", mais uma curta canção do álbum, é o momento para os músicos mostrarem um pouco suas habilidades, embora eu ache que poderia ser maior para isso acontecer de forma mais impactante. De qualquer forma, o resultado final é bem satisfatório.

Então que é hora de ir de uma das músicas mais curtas para a mais longa do álbum através de, "Ultimo Entardecer". A faixa traz de volta a tendência sinfônica, soando como uma espécie de meio épico, acompanhado por letras filosóficas sobre morte, loucura, medo, esperança. Traz agradáveis sintetizadores, belas passagens de guitarra e maravilhosos seguimentos de piano. Os vocais de Duboc aparecem de maneira precisa como quem anuncia um diálogo entre os instrumentos.

"Controversia" abre com uma batida de bossa-nova notória, seguido de uma alquimia sonora que tem semelhança com uma jam session. De qualquer forma, nos dá uma sensação de ser um material pra ser de puro enchimento no álbum.


"Depois do Fim", música homônima ao álbum, é puramente sinfônica. O ambiente criado por uma instrumentação obscura, vocais sombrios, atmosfera preciosa, enérgica, bem de acordo com o tema escatológico, o possível fim dos tempos, o apocalipse.

"Mirante das Estrelas", a faixa de encerramento, se encaixa bem porque resume todo o conteúdo do álbum, peça por peça, é como um quebra-cabeça que está sendo resolvido. Todas as melodias e acordes ouvidos ao longo do álbum é revivido de forma harmoniosa e divina. A parte melancólica e triste perto do final da música traz o desfecho em tom de serenidade e paz.

É isso, Depois do Fim é uma verdadeira joia dentro do rock brasileiro, sobretudo aos amantes de rock progressivo. Um petardo obrigatório. 

Progressivo nacional reverenciado mundialmente.
5
16/10/2017

O ano era o de 1983, época que o rock progressivo por muitos especialistas estava dado como morto. A banda então através do disco de nome propício para a situação chamado, Depois do Fim, mostrou uma música extremamente bela e progressiva como as que pareceriam ter ficado pra trás junto com a década anterior. 

A música do Bacamarte é rica e sinfônica, com teclados maravilhosos e uma excelente flauta que ilumina as composições cheias de pompas. A banda tem suas maiores influência na escola italiana de rock progressivo, espelhando em bandas como, Locanda Delle Fate, Premiata Forneria Marconi e Quella Vecchia Locanda.

O álbum começa através de, "UFO", com alguns belos acordes de guitarras acústicas bem com a cara de grandes violonistas brasileiros do passado. A música move-se a uma espécie de serenata, adoçada por flautas Guarani. Depois a banda pega um balanço mais rock 'n' roll com um majestoso sintetizador. Contém outro movimento onde a cadencia destacada fica por conta do dedilhado de guitarra e passagens de teclado. A flauta em seguida volta a participar ativamente da música junto do sintetizador. Excelente começo.

"Smog Alado" mostra claramente influências da banda em uma linha perto de Jethro Tull, Camel e Emerson Lake & Palmer. Os vocais de Jane Duboc aparecem em uma espécie de estado de espírito renascentista (outro fator de influência), forte, decisivo, atraente. Parte final da música é muito sinfônica e cativante.

"Miragem" abre com algumas músicas orientais, logo substituídas por guitarras ácidas, que permeia a metade da faixa, até que uma flauta entoando uma bela canção é adicionada dando uma sensação deliciosa. O ritmo de guitarra anterior retorna até que a música chega ao seu final.

A quarta faixa é "Pássaro de Luz". Uma canção montada especialmente para a voz de Jane Duboc desfilar através de acompanhamentos de guitarras acústicas agradáveis, a sensação geral é pueril e sonhadora. 

"Cano", mais uma curta canção do álbum, é o momento para os músicos mostrarem um pouco suas habilidades, embora eu ache que poderia ser maior para isso acontecer de forma mais impactante. De qualquer forma, o resultado final é bem satisfatório.

Então que é hora de ir de uma das músicas mais curtas para a mais longa do álbum através de, "Ultimo Entardecer". A faixa traz de volta a tendência sinfônica, soando como uma espécie de meio épico, acompanhado por letras filosóficas sobre morte, loucura, medo, esperança. Traz agradáveis sintetizadores, belas passagens de guitarra e maravilhosos seguimentos de piano. Os vocais de Duboc aparecem de maneira precisa como quem anuncia um diálogo entre os instrumentos.

"Controversia" abre com uma batida de bossa-nova notória, seguido de uma alquimia sonora que tem semelhança com uma jam session. De qualquer forma, nos dá uma sensação de ser um material pra ser de puro enchimento no álbum.


"Depois do Fim", música homônima ao álbum, é puramente sinfônica. O ambiente criado por uma instrumentação obscura, vocais sombrios, atmosfera preciosa, enérgica, bem de acordo com o tema escatológico, o possível fim dos tempos, o apocalipse.

"Mirante das Estrelas", a faixa de encerramento, se encaixa bem porque resume todo o conteúdo do álbum, peça por peça, é como um quebra-cabeça que está sendo resolvido. Todas as melodias e acordes ouvidos ao longo do álbum é revivido de forma harmoniosa e divina. A parte melancólica e triste perto do final da música traz o desfecho em tom de serenidade e paz.

É isso, Depois do Fim é uma verdadeira joia dentro do rock brasileiro, sobretudo aos amantes de rock progressivo. Um petardo obrigatório. 

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Bacamarte

Album Cover

Bacamarte - Sete Cidades (1999)

Mais tranquilo e com diferentes objetivos musicais em relação à Depois do Fim
4.5
Por: Tiago Meneses
17/03/2019

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Focus - Focus II [Aka: Moving Waves] (1971)

Uma coleção de músicas de grande profundidade e muito bem estruturadas
5
Por: Tiago Meneses
20/03/2019
Album Cover

The Flower Kings - Back In The World Of Adventures (1995)

O ponto de partida de uma uma carreira prolífica e surpreendente
4.5
Por: Tiago Meneses
12/03/2019
Album Cover

Genesis - ...And Then There Were Three (1978)

Quase nada de progressivo, mas muitas vezes de uma simplicidade bem emoldurada
3
Por: Tiago Meneses
23/01/2019