Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Powerwolf - Preachers Of The Night (2013)

Por: Marcel Z. Dio

Acessos: 115

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
Um dos piores discos do Planeta
0.5
30/08/2019

Segundo os especialistas ouvir Preachers of the Night equivale as grandes torturas da humanidade.
Teve um caso de um rapaz em uma cidade no norte da Inglaterra, que se arriscou, e um dos ouvidos do jovem fugiu, sendo encontrado a 500 quilômetros as margens de um lago abandonado.
Todos os piores clichês do Power metal são encontrados aqui, não que o estilo seja ruim, pelo contrário, deu ao mundo bandas excelentes, em contrapartida pariu DragonForce e outras atrocidades como Powerwolf. 
A choradeira permeia 90% do álbum. Ok, tudo é bem tocado e numa velocidade incrível, o que não torna sinônimo de boa música.
Quando um fio de esperança aparece em uma introdução mais cadenciada e criativa, a guitarra em "prestissimo" aparece para destruir tudo, e a bateria sempre na mesma marcação - carro sem freio.
São coros e mais coros, palavras em latim, aclamação aos deuses, guerreiros imortais, senhores da guerra e o diabo a quatro. 
"Coleus Sanctus" ainda tem seus méritos, pelo ótimo refrão e andamento menos desesperador, assim como a sucessora "Sacred & Wild". O duro é aguentar o restante, uma sopa de notas que parecem as mesmas faixas com introduções diferentes. 
Enfim, Preachers of the Night é um grande exercício de paciência, e quem ouviu duas vezes já tem um lugarzinho garantido no céu. In nomine patris, que esse Lobo vá uivar no colo do capeta.

Um dos piores discos do Planeta
0.5
30/08/2019

Segundo os especialistas ouvir Preachers of the Night equivale as grandes torturas da humanidade.
Teve um caso de um rapaz em uma cidade no norte da Inglaterra, que se arriscou, e um dos ouvidos do jovem fugiu, sendo encontrado a 500 quilômetros as margens de um lago abandonado.
Todos os piores clichês do Power metal são encontrados aqui, não que o estilo seja ruim, pelo contrário, deu ao mundo bandas excelentes, em contrapartida pariu DragonForce e outras atrocidades como Powerwolf. 
A choradeira permeia 90% do álbum. Ok, tudo é bem tocado e numa velocidade incrível, o que não torna sinônimo de boa música.
Quando um fio de esperança aparece em uma introdução mais cadenciada e criativa, a guitarra em "prestissimo" aparece para destruir tudo, e a bateria sempre na mesma marcação - carro sem freio.
São coros e mais coros, palavras em latim, aclamação aos deuses, guerreiros imortais, senhores da guerra e o diabo a quatro. 
"Coleus Sanctus" ainda tem seus méritos, pelo ótimo refrão e andamento menos desesperador, assim como a sucessora "Sacred & Wild". O duro é aguentar o restante, uma sopa de notas que parecem as mesmas faixas com introduções diferentes. 
Enfim, Preachers of the Night é um grande exercício de paciência, e quem ouviu duas vezes já tem um lugarzinho garantido no céu. In nomine patris, que esse Lobo vá uivar no colo do capeta.

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Helloween - Chameleon (1993)

Um álbum controverso, porém ótimo. Mas é um álbum do Helloween?
3.5
Por: André Luiz Paiz
22/10/2017
Album Cover

Allen/Lande - The Great Divide (2014)

O melhor de Tolkki desde o primeiro do Revolution Renaissance
3.5
Por: André Luiz Paiz
17/10/2017
Album Cover

Sonata Arctica - Talviyö (2019)

Expandindo os horizontes
4
Por: Diógenes Ferreira
08/09/2019